_
_
_
_

Barcelona tenta selar a volta de Neymar

O time azul-grená e o brasileiro querem caminhar juntos de novo, mas a negociação com o PSG é muito complexa. Essa opção não descarta a chegada de Griezmann

Jordi Quixano
Neymar cumprimenta Filipe Luís em sua visita à seleção.
Neymar cumprimenta Filipe Luís em sua visita à seleção.LUCAS FIGUEIREDO (AFP)

As relações do Barcelona com o PSG pioraram com o tempo, sobretudo depois da chegada do poderoso emir catariano Tamim bin Hamad Al-Thani, que não precisa de dinheiro para fazer o seu clube jogar e vencer em âmbito nacional. O xeque já advertiu ao ex-presidente azul-grená Sandro Rosell, em 2014, que não jogava com eles, entre outras coisas, porque o Barça era patrocinado na época pela empresa governamental Sport Qatar Investments, que desembolsava 32 milhões de euros (138 milhões de reais) por temporada. Depois vieram as discussões por Thiago, Marquinhos e até Di María, jogadores almejados pelo Camp Nou que foram proibidos porque o Paris Saint-Germain decidiu desse modo, sem deixar opção para negociar. Inclusive foi doloroso para o clube — porque desfigurou uma equipe montada — o pagamento dos 222 milhões de euros da cláusula de Neymar, por mais que a quantia regenerasse um cofre carcomido. Mas o ciclo do atacante poderia ser concluído três anos mais tarde.

Neymar, de 27 anos, está disposto a voltar ao Camp Nou, assim como o Barcelona está disposto a recebê-lo de braços abertos. Assim foi dito ao xeque, e assim foi comunicado ao Barcelona. Na Cidade Esportiva Joan Gamper, porém, o clima é mais cético. Os dirigentes entendem que será uma operação complicada, pois o PSG atua de forma ilógica com uma mentalidade, filosofia e cultura que não casam com a deles: é um clube que hesita em negociar e propenso a mostrar seu poder econômico.

Mais informações
Al-Khelaifi: “Preciso que Neymar me demonstre que quer se envolver no PSG”
Neymar, um deus confuso

Mas a transferência de Neymar caminha de fato. O presidente do PSG, Nasser Al-Khelaifi, está cansado do comportamento mimado do brasileiro, às vezes mais preocupado com seu descanso que com seu esforço, e em outras incontrolável, como mostrou após perder a final da Copa da França – quando agrediu um torcedor que o criticava, a caminho de receber a medalha. “Preciso que Neymar me mostre que quer se envolver totalmente aqui. Assim como os demais. Ninguém o obrigou a assinar conosco. Ninguém o levou a fazer isso. Veio sabendo perfeitamente qual era o projeto”, expressou Al-Khelaifi a L’Equipe. Essas declarações aceleraram a vontade do jogador de ir embora. Ele deseja emigrar de Paris porque nunca encontrou lá a felicidade que teve em Barcelona.

“Todo o seu entorno ativou a maquinaria para ele sair do PSG e fez com que os clubes mais poderosos soubessem disso”, dizem fontes do Camp Nou. Entre eles o Barcelona, porque é a prioridade do jogador. Já não há grande rispidez entre ele e o time, que sabe que a sua volta faria também desaparecer as denúncias de ambas as partes que continuam na Justiça. O Barça exige de Neymar 8,5 milhões de euros (36,5 milhões de reais) por não cumprir o contrato. Já o jogador reivindica a segunda parte do prêmio de renovação que, por contrato, ele tinha direito de receber quando abandonou o clube azul-grená.

Em teoria, o acordo entre o time e o atacante é simples por causa da convivência entre as partes. E já se sabe que o desfecho seria positivo, mas o Barcelona aguarda o valor que o PSG pedirá por ele, pois não sabe se incluirá outros jogadores, como Coutinho, que agrada o técnico Tuchel, ou se quer apenas uma compensação econômica. “Estamos aguardando”, admitem altos dirigentes do Barcelona. Mas Neymar não reduziria muito o que ganha — cerca de 30 milhões de euros (129 milhões de reais) líquidos por ano —, e com isso o Barcelona se veria obrigado a diminuir também os salários dos demais. Fontes do Barça dizem que, se houver acerto, buscariam fórmulas para realizar o pagamento, seja com patrocínios ou com alguma operação de transferência de um jogador. Por isso, a chegada de Neymar seria uma alegria para o vestiário porque é o jogador que Messi prefere ter ao lado e porque, segundo as mesmas fontes, ele duplica o poder ofensivo da equipe. Não foi assim com Griezmann.

Divisão sobre Griezmann

Quando os jogadores foram questionados sobre a possibilidade de incorporar o francês há alguns meses, época em que o clube e o atacante chegaram a um novo pré-acordo — o da temporada passada frustrou-se com o documentário La Decisión (a decisão), realizado pela Kosmos, produtora de Piqué —, dois dos atletas mais importantes do vestiário rechaçaram a opção porque preferiam Neymar e porque não tinham gostado da forma como Griezmann agiu. Os demais jogadores não se pronunciaram, embora se saiba que Umtiti e Lenglet, por exemplo, têm esperança sobre a vinda de seu compatriota e companheiro de seleção. Até mesmo os pesos-pesados que o descartaram num primeiro momento já reconheceram que serão mais fortes com ele e com Neymar.

“Antoine não está descartado”, anunciam fontes do clube. “Sempre dissemos que é um jogador interessante e que contribuiria muito com o time porque pode atuar em várias posições de ataque. E, embora seja improvável, por que não poderíamos tentar ter os dois no ano que vem?” Resta aguardar para saber como a situação será resolvida. Mas o Barça não tem pressa: quer Neymar e Griezmann no elenco. E está convencido de que pelo menos um dos dois vestirá a camiseta azul-grená na próxima temporada.

De Ligt se aproxima da Juventus e Cillessen, do Valencia

Ainda não é oficial, mas parece que Matthijs De Ligt, zagueiro do Ajax de 19 anos e almejado pelo Barcelona, está a um passo de assinar contrato com a Juventus, como anunciou a Sky Sports. Um verdadeiro golpe para o clube azul-grená, que tentou convencer o defensor de que sua melhor aposta passava pelo Camp Nou porque poderia dividir o vestiário com seu grande amigo De Jong, além de Messi. Mas as pretensões do holandês não passavam por lá.

Aconselhado por seu representante Mino Raiola, De Ligt recusou a oferta do Barça porque não seria titular e porque o time avisou há três meses que não melhoraria o salário — cerca de seis milhões de euros (25,8 milhões de reais) por ano. Era pouco para o jogador, que podia ganhar o dobro na Juve. "Não entramos em disputas", dizem fontes do clube. Por isso, a Itália está na frente.

Mas a possível recusa de De Ligt não muda os planos do Barça, que pretende contratar um zagueiro e vender Umtiti porque não confia em seu joelho. Não será o único a ir embora. André Gomes, por exemplo, está perto de assinar com o Everton, que desembolsará cerca de 25 milhões de euros (107,5 milhões) pela transferência.

Também deixarão o time Coutinho, Denis Suárez e todos os jogadores que estão cedidos, além de Cillessen, que pediu sua saída do clube na temporada anterior sem sucesso por falta de ofertas. Agora é o contrário: ele tem sido sondado por clubes da Itália e da Inglaterra, e também pelo espanhol Valencia, seu destino favorito. "Porque vai jogar a Champions com a garantia de ser o titular", dizem fontes do Barça, que em troca – além de uma cifra econômica — receberá Neto para ser o reserva de Ter Stegen.

Quem parece que não sai é Semedo, por quem o Barcelona já rechaçou uma oferta do Atlético.

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_