A última invenção de Mark Zuckerberg: uma “caixa de dormir”

O fundador do Facebook projetou um artefato para que sua mulher descanse melhor

A “caixa de dormir” de Mark Zuckerberg.
A “caixa de dormir” de Mark Zuckerberg.Cinco Dias

O último invento de Mark Zuckerberg é uma criação caseira que ele construiu para que sua mulher, Priscilla Chan, possa dormir melhor. No Instagram, uma das redes sociais controladas por seu império, o fundador do Facebook compartilhou o artefato, que é mais uma espécie de lâmpada com iluminação tênue.

Mais informações
Reino Unido pede que menores não possam dar ‘curtir’ nas redes
Facebook expõe mais de 540 milhões de dados privados de usuários
Um exército para rastrear o ódio nas redes

“Ser mãe é duro”, começa Zuckerberg. Ele conta que sua mulher costuma acordar de noite e, como não sabe se falta muito para que seus filhos tenham que se levantar, olha o relógio. Mas o estresse provocado por saber a hora a impede pegar no sono de novo. “Por isso, estive concentrado em construir para ela o que chamo de ‘caixa de dormir’”, explica Zuckerberg. A ideia é colocar o aparelho perto da esposa, para que emita uma luz entre as seis e as sete da manhã. Assim, se ela acordar a essa hora, saberá que já é momento de ir se levantando. Mas a luz é tênue o bastante para não acordá-la caso ainda esteja dormindo.

Desse modo, se Priscilla acorda de noite e a luz está apagada, pode continuar dormindo tranquilamente, sem o estresse provocado por ter de olhar o relógio para saber as horas, diz o fundador da rede social.

“Até agora, [a caixa] funcionou melhor do que esperava e ela pode dormir toda a noite. Como engenheiro, construir um artefato para ajudar minha mulher a dormir bem é uma das melhores maneiras que posso imaginar para expressar meu amor e gratidão”, explica Zuckerberg.

Segundo ele, vários de seus amigos disseram que gostariam de ter algo similar. Por isso, publicou o invento caso algum empreendedor queira usar a ideia para construir “caixas de dormir” para mais pessoas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS