Seleccione Edição
Login

40% dos postos de gasolina fecham em Portugal devido a greve de caminhoneiros

Militares foram mobilizados para dirigir caminhões-tanque após “alerta energético” do Governo.

Sindicato de motoristas de substâncias perigosas exige tratamento especial e pagamento adicional

Posto de gasolina no Porto sem óleo diesel.
Posto de gasolina no Porto sem óleo diesel. REUTERS

Um total de 1.200 postos de gasolina, cerca de 40% dos que existem em Portugal, tiveram de fechar por falta de óleo diesel ou enfrentam muitas dificuldades de abastecimento. O alerta energético decretado pelo Governo português na noite de terça-feira por causa da greve de motoristas que transportam substâncias perigosas conseguiu garantir o abastecimento em aeroportos e hospitais, mas outros serviços públicos se ressentem, enquanto os motoristas de automóveis sofrem as consequências. Bombeiros e militares foram mobilizados para dirigir caminhões-tanque para garantir os serviços públicos.

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas reivindica o reconhecimento de uma categoria profissional específica para caminhoneiros como eles e gratificações adicionais por conta dos riscos, além de melhor remuneração. Enquanto isso não acontecer, prometem seguir parados. Na cidade de Castelo Branco, apenas um posto de gasolina está aberto. Os motoristas de táxi pedem uma solução urgente porque já estão sem combustível, guinchos e serviços de assistência na estrada também têm dificuldades. Em Lisboa, apenas sete postos foram reabastecidos na terça-feira.

A rede de postos Galp — a principal do país — pede aos clientes que economizem e o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, exigiu “resolver a questão de fundo”, que é já antiga, porque os serviços mínimos não resolvem os problemas do cidadão comum.

Aviões para Sevilha

Dezesseis aviões estacionados em Faro foram abastecer no aeroporto de Sevilha. A Entidade Nacional para o Setor Energético alerta para uma situação crítica se o serviço não for retomado. Os distribuidores farmacêuticos pedem prioridade no abastecimento para atender aos serviços urgentes. A rede de ônibus do sul do Tejo retirou veículos de circulação diante dos escassos estoques de diesel, o combustível mais afetado pela greve.

De acordo com a Associação Nacional de Revendedores de Combustível (ANREC), 40% da rede de postos de gasolina não estava funcionando na manhã de quarta-feira e a situação piorou durante o dia. No total, são 1.200 postos em dificuldades de uma rede nacional de 3.068.

O sindicato de motoristas de substâncias perigosas exige que as transportadoras reconheçam uma categoria profissional superior e, com isso, um aumento salarial. O primeiro-ministro, António Costa, disse que o alerta decretado pelo Governo pode ser prolongado para além da meia-noite do dia 21, embora seja uma questão entre empresas privadas. Em sua aparição no Parlamento, a oposição o culpou pela reação tardia do Executivo diante de um conflito anunciado há meses.

MAIS INFORMAÇÕES