Justiça suspende decisão que proibia Forças Armadas de celebrarem golpe de 1964

Liminar havia sido concedida na sexta-feira a noite, mas menos de 24 horas depois foi derrubada

Militares em celebração do golpe de 64 em São Paulo, na quinta-feira.
Militares em celebração do golpe de 64 em São Paulo, na quinta-feira.Andre Penner (AP)
Mais informações

Menos de 24 horas depois de a juíza federal Ivani Silva da Luz proibir as Forças Armadas de celebrarem o golpe militar, que completa 55 anos neste domingo, a Justiça Federal derrubou a decisão. Por meio de uma liminar, a Justiça proibiu, na noite desta sexta-feira, as comemorações do golpe, especialmente com o uso de dinheiro público. Mas a Advocacia Geral da União (AGU) recorreu poucas horas depois e, na manhã deste sábado, a desembargadora Maria do Carmo Cardoso cassou a liminar.

A indicação para que fossem realizadas as "comemorações devidas" na data partiu do presidente de ultradireita, Jair Bolsonaro, que, após a polêmica em torno do caso, tentou suavizar a ordem afirmando que era um dia para "rememorar". A Defensoria Pública da União entrou então com um pedido de suspensão das celebrações, afirmando que qualquer evento relacionado ao golpe militar feria a memória e as verdades históricas.

Mas na visão da AGU, as ações propostas pela Defensoria não preenchiam os requisitos necessários para a concessão de uma liminar. Se fosse mantida, a decisão poderia, na visão da AGU, "afetar a separação de visões constitucionais do Estado". A Advocacia alega que a Defensoria deveria atuar "primordialmente na defesa de pessoas carentes de recursos econômicos ou necessitados jurídicos", o que não cabe nesse caso.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: