Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Brasileiros transformam em metáfora política a história das galinhas que se rebelaram contra a raposa

“Aqui, no Brasil, a raposa seria escolhida presidente”, comenta um leitor

Imagem de frigorífico no Paraná.
Imagem de frigorífico no Paraná. Rodolfo Buhrer (Reuters)

Um leitor deste jornal criticou o fato de o jornal perder tempo publicando que umas galinhas da França se rebelaram contra a raposa que ousou invadir seu galinheiro e acabou morta. E acrescentou que “nem notícia era”. Engana-se. Os alunos de jornalismo são ensinados a distinguir o que é notícia do que não é. Diziam-nos já nos meus tempos da Universidade, por exemplo, que “Cachorro morde pessoa” não é notícia, mas que uma pessoa morder um cachorro é.

Mais informações

A acolhida que a notícia das galinhas francesas, com pouco mais de 200 palavras, publicada pela agência AFP, teve por parte dos leitores deste jornal revelou que, no âmbito simbólico, e no momento em que vive o país, foi vista mais que como um simples episódio curioso. Aparecia no perfil do Facebook deste jornal, na hora de escrever esta coluna, com um recorde que poucas publicações importantes conseguem: 8.300 curtidas e 4.000 compartilhamentos, e figurava entre as dez postagens mais visitadas. Mas o mais significativo é que 90% dos leitores, em seus 600 comentários, não a viram como uma brincadeira, nem a usaram para fazer piadas fáceis sobre as galinhas, vistas como tolas e covardes. Lembro que nas piadas machistas espanholas as galinhas eram usadas tantas vezes, injustamente, como sendo criaturas de cérebro pequeno, idiotas a ponto de cacarejar para anunciar que botaram o ovo.

Foi a leitora Rosangela Cabra quem primeiro intuiu a força da notícia e escreveu “Que metáfora!”. Assim a leu também Bia Montes, dando-lhe matizes políticas ao comentar: “Como metáfora isso poderia ocorrer aqui, hoje, no Ministério do Meio Ambiente e Agricultura”.

Entre os comentários abundam aqueles que recorreram ao simbólico da notícia: “O universo dos signos escreve, desenha e pinta, e ainda assim as pessoas não entendem”, escreve Fabio Martins, que acaba dando seu simbolismo político ao fato: “Aqui, no Brasil, a raposa seria escolhida presidente”.

Houve ironia, sarcasmo, alusões a situações políticas concretas e antagônicas, mas não superficialidade na análise da notícia. Da talvez mais óbvia —ver na atitude das galinhas, consideradas covardes, um exemplo para a resistência das classes oprimidas—, à mais sofisticada, de Amanda Timpano, que anota: “O próximo passo será a fuga das galinhas”. Foi recordada também nos comentários, abundantemente, com admiração, a Revolução Francesa, dado que as aves eram gaulesas. Observam que na França “até as galinhas sabem se rebelar”.

Como Amanda, muitos dos comentários femininos encontraram na metáfora das galinhas a força do “empoderamento”, como faz Kelia Cardosa. Fabricia Jannaina chega a dizer: “Elas me representam”. Os comentários das mulheres, os mais numerosos, seguem de certa forma um roteiro de libertação de gênero e veem nas galinhas um gesto de rebelião de classe. “Até as galinhas já entenderam”, escreve L. Estrella. E Danielle Nuernberg: “É tempo de resistência. Falta ao Brasil agir como as galinhas”.

Para os homens, o episódio remeteu mais ao simbolismo político do momento atual que o país vive. “Aqui a raposa seria escolhida presidente do galinheiro e a chamariam de mito”, escreve Fabio Martins. Cesar de Paolo ecoa: “Aqui colocam as raposas para cuidar do galinheiro”. E Rodrigo Rodrigues: “Que sirva de exemplo para os brasileiros que votaram na raposa”. Roberta Anselmo alfinetou: “E as galinhas nem estavam armadas”.

O professor Thiago Mota alerta com ironia para o novo ministro da Educação: “Vélez, cuidado com as galinhas, por favor!”. E não faltaram alusões aos Estados totalitários e à vizinha Venezuela, onde “até as galinhas parecem querer se rebelar”. Com fina ironia, Bob Lindo comenta: “Vamos tropicalizar as galinhas”. Juan Capraro ecoa: “Se a moda pega no Brasil!”.

Muitas vezes já me irritei com os comentários de alguns leitores que opinam sem terem lido os textos. E me magoam os comentários saídos da barriga dos robôs domesticados ou das mentes guiadas pelo ódio, quando não pela crueldade e a mentira. Hoje, porém, me sinto reconfortado com esses leitores que foram capazes de fazer uma leitura inteligente e semiótica, atual, arrancando a força de uma metáfora de uma notícia como a da rebelião das galinhas francesas.

Algo, aliás, que seria impossível com a mais fantasiosa das fake news. É a força que entranha, afinal, a verdade das coisas, sejam elas pequenas ou grandes. A mentira carece da força de poder criar metáforas. Menos ainda humor ou sátira inteligente, que é o melhor antídoto contra todas as tiranias.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: