Seleccione Edição
Login
CASO MARIELLE ANÁLISE i

Caso Marielle, uma investigação radioativa para os Bolsonaro

Elo de familiares de foragido com gabinete de Flávio Bolsonaro e a conduta pública da família presidencial elevam a voltagem da trama que se aprofunda no crime organizado do Rio

O ex-PM Élcio Queiroz ao lado do presidente Jair Bolsonaro em foto de conta de Facebook atribuída ao primeiro.
O ex-PM Élcio Queiroz ao lado do presidente Jair Bolsonaro em foto de conta de Facebook atribuída ao primeiro.

Um dos acusados de ter participado diretamente da execução de Marielle Franco foi preso nesta terça-feira ao sair de sua casa na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, que fica no mesmo complexo de alto padrão onde Jair Bolsonaro possui residência. Até o momento, nas palavras das promotoras à frente do caso, trata-se de uma coincidência. Assim como é irrelevante até agora, disse uma das integrantes do Ministério Público do Rio, o fato de que um dos filhos do presidente tenha namorado a filha do vizinho policial reformado —que as autoridades acusam de ter atirado com precisão na cabeça da vereadora em março de 2018.

Os detalhes do cruzamento de personagens mostram, pelo menos, como a elite do Rio compartilha ambientes, sabendo ou fazendo vista grossa, com atividades suspeitas. Os dados também são, por óbvio, irresistíveis para os críticos do presidente da República, que replicaram uma foto do mandatário com o apontado como coautor material do crime e puseram fogo na repercussão do caso nas redes sociais. Esse jogo de conclusões apressadas e muita batalha política os Bolsonaro conhecem como ninguém.

Essa pode permanecer  apenas como a faceta mais anedótica da investigação, mas há, no entanto, motivos mais profundos pelos quais o caso Marielle se tornou radioativo para os Bolsonaro. Um deles é de ordem política e de responsabilidade exclusiva do presidente e de sua família. Quando Marielle e seu motorista Anderson Gomes foram assassinados, há um ano, Bolsonaro foi o único presidenciável a não comentar ou condenar a execução, um crime que cruzou a linha vermelha da violência política no Brasil antes mesmo do atentando contra o agora o presidente. Um dos filhos do mandatário também criticou duramente quem levantava suspeitas sobre policiais. Não foi exatamente uma surpresa. Em 2011, o então deputado estadual Flávio Bolsonaro achou oportuno frisar, por exemplo, que a juíza Patrícia Lourival Acioli, executada após viver anos como jurada de morte por grupos de extermínio, gostava de "humilhar policiais".

Se o histórico de defender, a priori, PMs acusados de assassinatos e discursos no mínimo complacentes com as milícias jogam a repercussão do caso no colo do Governo e da família presidencial, falta ainda o desdobrar da parte mais delicada da investigação: rastrear os possíveis mandantes. As promotoras Simone Sibílio e Letícia Emile Petriz deixaram claro nesta terça que segue em curso, e sob sigilo, a parte da investigação que apura o papel na execução do Escritório do Crime, um sofisticado grupo de extermínio ligado a milícias e contraventores. Um dos apontados como integrante do grupo, Adriano Nóbrega, que está foragido desde janeiro, tinha duas parentes lotadas no gabinete de Flávio Bolsonaro até o segundo semestre de 2018. Tanto ele quanto Ronald Pereira, outro acusado de participação no Escritório do Crime, foram homenageados na Assembleia Legislativa do Rio à petição do primogênito de Bolsonaro. "Espero que realmente a apuração tenha chegado de fato a esse, se é que foram eles os executores, e o mais importante, quem mandou matar", limitou-se a dizer Bolsonaro, que também afirmou que posa para fotos com "milhares" de policiais.

Nas declarações das promotoras, e em reportagens elucidativas como a da revista Piauí, fica evidente como tudo caminha em um campo minado em um Estado do Rio infiltrado pelo crime organizado. O retrato é bastante gráfico: ex-governadores atrás das grades, um terço da Assembleia Legislativa também, uma segurança pública em colapso que passou por um ano de intervenção militar com resultados fracos. Nesta terça, as promotoras fizeram questão de dizer que os acusados presos confessaram que foram avisados da operação. A reportagem da Piauí narra também como Sibílio e Petriz tentaram evitar ao máximo o vazamento da operação que tentaria prender a cúpula do Escritório do Crime em janeiro, mas sem êxito total: Nóbrega escapou. Há incômodo claro entre Polícia Civil e Promotoria, enquanto também é desconcertante saber que foi apenas meses depois da investigação começada que a unidade responsável pelo crime organizado no MP, o Gaeco, finalmente entrou no caso. A investigação é alvo ainda da apuração paralela e tardia da Polícia Federal. Merece discussão os motivos pelos quais a procuradora-geral Raquel Dodge não buscou ativamente, ao contrário do que sinalizou no início, a federalização do caso, o que de resto também não foi defendido pela cúpula do PSOL. Agora, resta à PF tentar buscar dentro das corporações quem tem interesse em bloquear a apuração. É pertinente outra pergunta: terá independência para fazê-lo?

A vereadora do PSOL, com seu rosto estampado em murais, se inscreveu de maneira trágica e decisiva no imaginário político brasileiro (a potência e as implicações disso, inclusive para algum incômodo da esquerda tradicional, fica para outra hora). Do ponto de vista da investigação, é agora que começa a parte mais delicada. Tudo remete a um país corroído por dentro e não é exagero dizer que o desfecho que formos capaz de dar ao caso Marielle será determinante para o futuro.

Errata

ue

MAIS INFORMAÇÕES