Tragédia Brumadinho

VÍDEO | “Minha vida vai ser lutar por justiça”, diz sobrevivente de Brumadinho

Um mês após rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, 131 pessoas continuam desaparecidas

Sobreviventes relatam dor e luta após tragédia da Vale em Brumadinho. Reportagem: Heloísa Mendonça | Vídeo e edição: Douglas Magno

Mais informações

Um mês após o rompimento da barragem da Mina do Córrego Feijão em Brumadinho, as famílias das 131 pessoas ainda desaparecidas após a tragédia vivem momentos de dor e agonia em busca de informações sobre as vítimas. "Quanto tempo mais vamos fazer um velório sem corpo? O que mais dói é o descaso", desabafa Andreza Rodrigues, mãe de Bruno, que trabalhava há dois anos na mineradora e está desaparecido desde o dia 25 de janeiro.  

As buscas pelas vítimas do tsunami de rejeitos da Vale não tem data para serem finalizadas. Até o momento, o número de mortos identificados após o colapso da barragem chega a 179, segundo a Defesa Civil.

Enquanto muitos parentes vivem o luto sem corpo, sobreviventes e moradores da região que ficaram desabrigados, após terem as casas engolidas pela lama de rejeitos, enfrentam incertezas quanto ao futuro e clamam por justiça.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete