Crise na Venezuela

Guaidó aprofunda desafio a Maduro e viaja à fronteira para receber a ajuda humanitária

Político venezuelano foi proibido pelo Tribunal Supremo de deixar o país

Juan Guaidó em uma manifestação de caminhoneiros nesta quinta-feira.
Juan Guaidó em uma manifestação de caminhoneiros nesta quinta-feira.FEDERICO PARRA / AFP

Juan Guaidó está determinado a levar até o fim seu desafio a Nicolás Maduro. O político que há um mês se propôs a acabar com duas décadas de chavismo deixou Caracas nesta quinta-feira para receber os carregamentos de ajuda humanitária que amanhã pretende fazer entrar na Venezuela pela fronteira com a Colômbia. Um dispositivo de voluntários tentará forçar a entrada — com o apoio logístico da agência de cooperação dos EUA — de cerca de 300 toneladas de material médico e alimentos. Depois de rejeitar a necessidade de ajuda, o Governo de Maduro abriu a porta para o recebimento de remédios através da União Europeia.

Mais informações

A decisão de viajar à cidade de Cúcuta, onde a maior parte da ajuda está armazenada, tem uma evidente carga simbólica, pois todos os holofotes estão voltados neste momento para as fronteiras venezuelanas. Mas este também é um terreno que pode ser decisivo na luta política entre Guaidó e Maduro, um enfrentamento cada vez mais parecido com uma corrida de desgaste. O primeiro, reconhecido desde janeiro como presidente interino pelo Parlamento, lançou um processo de transição democrática com total apoio da Administração de Donald Trump, da maioria da União Europeia e dos Governos latino-americanos. No total, cerca de 60 países. Sua principal carta é exatamente a entrada de medicamentos e suplementos alimentares. A indiscutível emergência humanitária do país se tornou nas últimas semanas uma estratégia para demonstrar sua força. O sucessor de Hugo Chávez nem sequer considera dar essa fotografia à oposição. Declarou um alerta militar, blindou as pontes entre Venezuela e Colômbia, fechou a fronteira com o Brasil e também suspendeu as comunicações aéreas e marítimas com Curaçao e as Antilhas Holandesas, outros pontos de armazenamento de insumos.

A viagem de Guaidó é, portanto, um elemento determinante nesse clima de tensão máxima. Foi anunciada na quinta-feira à noite, depois de dias de suspense. A caravana, composta por dezenas de veículos com dirigentes parlamentares, assessores e alguns com voluntários, deixou a capital de forma desordenada ao longo da manhã, em meio a uma nebulosa de informações contraditórias fornecidas por sua própria equipe. Entre Caracas e San Antonio del Táchira são quase 800 quilômetros, o que é um trajeto de pelo menos 10 horas, sem contar os frequentes controles das forças de segurança.

Seu objetivo era driblar os agentes da Guarda Nacional Bolivariana e chegar à fronteira, razão pela qual seus colaboradores evitaram dar informações precisas durante o trajeto. Ao aberto desafio ao Governo também se soma a circunstância de que uma das medidas cautelares impostas ao dirigente pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) é a proibição de sair da Venezuela. Com essas premissas, a possibilidade de que Guaidó entre na Colômbia ainda é uma incógnita. Ao mesmo tempo, ainda não há clareza sobre os detalhes do dispositivo que busca a entrada da ajuda a partir de amanhã.

“Desde San Antonio del Táchira está sendo feito um esforço importante para proteger a vida dos venezuelanos e organizar a entrada da ajuda humanitária”, limitou-se a dizer Guaidó através de redes sociais antes da viagem. “Hoje a entrada da ajuda humanitária é iminente e impossível de conter. Somos milhões que queremos uma mudança na Venezuela e este é o primeiro passo”, disse o deputado Miguel Pizarro, presidente da comissão especial responsável pelo monitoramento das entregas.

A partir de hoje o município colombiano de Cúcuta e o venezuelano de San Antonio del Táchira serão, antes de mais nada, o cenário de uma batalha entre a chamada comunidade internacional — à qual nesta quinta-feira se juntou a Igreja Católica, através da Conferência Episcopal da Venezuela — e o chavismo. Haverá dois eventos musicais. Um para exigir a entrada da ajuda, dirigida em uma primeira fase a mulheres grávidas e menores de três anos, e outro para agitar o fantasma de uma intervenção militar.

Guerra psicológica

Apesar de rejeitar essa ajuda, o Governo de Maduro reconheceu sua necessidade depois de tê-la negado reiteradamente. A vice-presidenta executiva, Delcy Rodríguez, disse que entregará uma lista de medicamentos para “assistência técnico-humanitária através da ONU, que a UE pode proporcionar”. Essa possibilidade busca a cumplicidade de Bruxelas frente a Washington e faz parte de uma estratégia que tenta reduzir a pressão. “Mesmo que eles não tenham essa capacidade [de oferecê-la grátis], a Venezuela está disposta a cancelar [PAGAR] essa assistência”, acrescentou.

De um lado e do outro, todos buscam o mesmo: o apoio das Forças Armadas. Guaidó tenta há semanas convencer a cúpula militar, os oficiais e os soldados, que em última instância terão de decidir se deixam entrar os carregamentos. Busca uma divisão no seio das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (FANB), essencial para alcançar o poder na Venezuela.

Hugo Carvajal, o maior general do Exército venezuelano, figura de linha de frente nas Forças Armadas e agora aposentado do chavismo, reconheceu nesta quinta-feira Guaidó como o presidente legítimo do país e pediu aos soldados que ajam para restaurar a democracia. "Depende de vocês, irmãos de armas, a maneira em que tudo isso acaba", afirmou o ex-militar em um vídeo divulgado nas redes sociais.

No entanto, apesar das deserções pingarem num ritmo mais ou menos constante, o presidente do Parlamento ainda não garantiu o seu apoio. Enquanto isso, Maduro e seu Governo, cada vez mais isolados no tabuleiro internacional, se empenham em mostrar, na imensa maioria dos eventos públicos, o apoio dos militares à causa chavista.

“Eles estão aplicando o manual da guerra psicológica para enfraquecer nosso país, nosso Estado, nosso povo e nossa FANB, porque subestimam a preparação, a firmeza moral e o caráter bolivariano dos militares venezuelanos”, afirmou Maduro, que foi mais longe ao se dirigir às Forças Armadas da Colômbia. “Faço um chamado às forças militares da Colômbia”, disse o presidente, “para que levantem sua voz contra Iván Duque, que quer levá-las a uma guerra.”

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50