Por que você não deve obrigar seu filho pequeno a beijar ninguém

Forçar as crianças a ter contato físico ao cumprimentar pessoas, o usual "dá um beijo na titia", provoca situações de ansiedade nos pequenos

getty

A cena é conhecida por todos aqueles que convivem com uma criança: dois adultos e um menor se encontram na rua e, depois dos cumprimentos pertinentes entre os maiores, o pequeno se nega a dar um beijo no adulto. “Pedrinho, dá um beijo no João, não seja assim”, diz o pai ou a mãe da criança. Muitas vezes, coagido, Pedrinho atende o pedido. A partir daí, as reações da criança podem ser diversas: desde limpar o beijo que acabaram de lhe dar até se esconder por trás das pernas de seu progenitor envergonhado por ter feito algo que não queria.

Embora esse gesto seja percebido pelos mais velhos como mais uma convenção social, forçar os menores a cumprimentar pessoas de acordo com esses cânones estabelecidos pode enviar uma mensagem prejudicial. "Se forçarmos uma criança a dar um beijo, você pode associar que sempre tem que fazer o que os adultos lhe dizem, levando a criança a não saber diferenciar o tipo de beijo ou abraço que está dando", diz Teresa Arias, escritor do livro El secreto de Blef, bésame si quieres quiero (O segredo de Blef, me beije se você quiser quero). Através da história de Blef, Arias tenta explicar, tanto a pais como a filhos, que dar beijos nos outros é algo muito pessoal e que só deve ser feito se você realmente quiser e não porque é bem visto, ou porque tem que ser assim.

Mais informações

"Ao obrigar as crianças a cumprimentar um adulto que não conhece, ou que conhecem, mas naquele momento não querem dar um beijo, estamos a expondo a ter menos controle sobre o corpo diante de possíveis abusos", diz a psicóloga Macarena Chia, do Instituto Galeno. Neste ponto, a psicóloga e psicoterapeuta Alicia Gadea acrescenta: "Se as figuras principais de afeto forçam o menor a entrar em contato com outra pessoa de uma forma que a criança não deseja, ela pode vir a pensar que há algo que não está fazendo bem, ou até mesmo que ela mesma não está bem, chegando à conclusão de que está se relacionado mal ou não sabe como se relacionar com os outros ".

No entanto, ninguém ignora que, longe de querer colocar as crianças em perigo ou fazê-las se sentir mal, os pais exortam seu filhos ao cumprimento afetuoso porque também são pressionados, temem que seus filhos sejam considerados rudes ou mal educados por não querer dizer olá. Gadea explica que, para os adultos, é difícil entender essa angústia porque, para eles, o contato físico com os outros não é um problema ou uma ameaça. Mas as crianças, seja porque são mais retraídas ou porque têm mais vergonha, essas situações podem lhes causar um duplo mal-estar: pela situação em que se encontram e por saber que serão criticadas por seus pais por não reagirem como se espera delas. Portanto, a psicóloga aponta que é necessário conhecer nossos filhos e respeitar os tempos deles para construir vínculos com os outros.

Mas como os pais podem atuar neste primeiro momento em que a criança se recusa a dar beijos para dizer olá? Diante dessas situações, Chía e Arias aconselham os pais que é melhor oferecer alternativas com os quais as crianças se sintam mais confortáveis. "Bater a mão é uma boa opção nesses casos. Implica menos contato com a outra pessoa e, por parte da criança, pode ser visto como um gesto mais divertido", diz Chía. Arias concorda com ela: "Esse choque de mãos é mais fácil para eles. Além disso, eles verão isso como uma imitação dos gestos dos mais velhos".

No entanto, às vezes as crianças se recusam a dizer olá mesmo com essas alternativas na mesa. Nesses momentos, diz Chía, é melhor deixar a criança não cumprimentar, pois é a única maneira de não se sentir desconfortável, e os pais terão que explicar ao adulto o que acontece. Uma frase simples como: "Olha, hoje Manuel não quer te dar um beijo, quem sabe depois de algum tempo ele queira dar ", é, para ela, uma boa maneira de normalizar a situação e fazer a criança ver que seus pais apoiam sua decisão. De acordo com Chía, desta forma, estamos deixando a decisão para as crianças e estamos ensinando a elas que nem sempre têm que agradar a todos, uma lição valiosa para o seu desenvolvimento como adultos.