Seleccione Edição
Login
“Durante a operação não é cada um por si”: um dia com os bombeiros em Brumadinho

“Durante a operação não é cada um por si”: um dia com os bombeiros em Brumadinho

21 fotos

O fotógrafo Douglas Magno acompanhou o trabalho de uma das equipes de resgate da tragédia da barragem da Vale em Minas Gerais

  • Uma semana depois do rompimento da Barragem da Vale, no distrito de Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), o trabalho dos bombeiros continua, nas buscas por corpos em meio a destroços, terra e lama.
    1Uma semana depois do rompimento da Barragem da Vale, no distrito de Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), o trabalho dos bombeiros continua, nas buscas por corpos em meio a destroços, terra e lama.
  • Eram 7h30 da manhã do sábado, dia 2, quando a reportagem do EL PAÍS recebeu a autorização para decolar a bordo do helicóptero Pégasus da Polícia Militar de Minas Gerais, uma das 16 aeronaves usadas nas buscas em Brumadinho.
    2Eram 7h30 da manhã do sábado, dia 2, quando a reportagem do EL PAÍS recebeu a autorização para decolar a bordo do helicóptero Pégasus da Polícia Militar de Minas Gerais, uma das 16 aeronaves usadas nas buscas em Brumadinho.
  • Piloto, copiloto e um tripulante operacional transportam equipes de busca e salvamento, além de observarem o tempo todo o solo para tentar localizar algum sobrevivente, algo cada vez mais improvável, ou corpo.
    3Piloto, copiloto e um tripulante operacional transportam equipes de busca e salvamento, além de observarem o tempo todo o solo para tentar localizar algum sobrevivente, algo cada vez mais improvável, ou corpo.
  • Decolamos com o tenente Lucas e o cachorro Thor, da raça Border Collie e de cinco anos, especialista em buscas por pessoas desaparecidas.
    4Decolamos com o tenente Lucas e o cachorro Thor, da raça Border Collie e de cinco anos, especialista em buscas por pessoas desaparecidas.
  • A equipe começou as buscas sobre o rejeito endurecido, quase petrificado, um cenário lunar. Em muitos pontos uma camada de terra fofa dificultava ainda mais o deslocamento.
    5A equipe começou as buscas sobre o rejeito endurecido, quase petrificado, um cenário lunar. Em muitos pontos uma camada de terra fofa dificultava ainda mais o deslocamento.
  • Era preciso atenção, porque mesmo com o solo rígido, alguns pontos aparentemente firmes eram armadilhas. A equipe podería atolar ou até mesmo afundar de uma vez ao pisar.
    6Era preciso atenção, porque mesmo com o solo rígido, alguns pontos aparentemente firmes eram armadilhas. A equipe podería atolar ou até mesmo afundar de uma vez ao pisar.
  • No caminho, encontramos o capitão Leonardo Farah, um dos responsáveis por comandar a equipe nesta operação.
    7No caminho, encontramos o capitão Leonardo Farah, um dos responsáveis por comandar a equipe nesta operação.
  • Leonardo Farah também participou das operações em Mariana, no desastre da Samarco, em 2015.
    8Leonardo Farah também participou das operações em Mariana, no desastre da Samarco, em 2015.
  • Farah conta que ainda há risco da outra barragem de água se romper, e que a segurança dos militares é fundamental para a operação de buscas.
    9Farah conta que ainda há risco da outra barragem de água se romper, e que a segurança dos militares é fundamental para a operação de buscas.
  • Por isso, há rotas de fuga e equipes preparadas para atuar em caso de novo rompimento para salvar os bombeiros.
    10Por isso, há rotas de fuga e equipes preparadas para atuar em caso de novo rompimento para salvar os bombeiros.
  • “Durante a operação não é cada um por si, mas todo mundo olhando todo mundo”, diz o capitão Farah, comandante da Companhia Operacional de Busca e Salvamento do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais.
    11“Durante a operação não é cada um por si, mas todo mundo olhando todo mundo”, diz o capitão Farah, comandante da Companhia Operacional de Busca e Salvamento do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais.
  • Em um ponto mais alto, encontramos diversos veículos amontoados. Tratores, caminhões, caminhonete e uma locomotiva descarrilada, que foi empurrada contra um local onde ficava um vestiário.
    12Em um ponto mais alto, encontramos diversos veículos amontoados. Tratores, caminhões, caminhonete e uma locomotiva descarrilada, que foi empurrada contra um local onde ficava um vestiário.
  • No local, o cachorro Thor deu sinal para a equipe. Não sentíamos odor de nada, mas o olfato apurado do animal era um sinal de que ali poderia haver corpos.
    13No local, o cachorro Thor deu sinal para a equipe. Não sentíamos odor de nada, mas o olfato apurado do animal era um sinal de que ali poderia haver corpos.
  • Para ter uma segunda "opinião", outro cão, Bolt, irmão de Thor, também fez buscas pelo local, e sinalizou para o mesmo ponto.
    14Para ter uma segunda "opinião", outro cão, Bolt, irmão de Thor, também fez buscas pelo local, e sinalizou para o mesmo ponto.
  • Confirmado o indício, os militares se prepararam para começar as buscas por ali.
    15Confirmado o indício, os militares se prepararam para começar as buscas por ali.
  • Era um trabalho difícil e que requeria o empenho de máquinas pesadas, devido à quantidade de estruturas e veículos amontoados que poderiam desmoronar a qualquer momento.
    16Era um trabalho difícil e que requeria o empenho de máquinas pesadas, devido à quantidade de estruturas e veículos amontoados que poderiam desmoronar a qualquer momento.
  • O reforço de máquinas é pedido e a equipe avisa que o trabalho naquele ponto pode durar horas ou mesmo dias.
    17O reforço de máquinas é pedido e a equipe avisa que o trabalho naquele ponto pode durar horas ou mesmo dias.
  • A ordem então é voar de volta ao ponto de apoio. Os cachorros voam de volta também.
    18A ordem então é voar de volta ao ponto de apoio. Os cachorros voam de volta também.
  • No meio do caminho, o helicóptero para em outro ponto. Os cachorros descem.
    19No meio do caminho, o helicóptero para em outro ponto. Os cachorros descem.
  • Thor tem que fazer o trabalho de rastrear odores mais uma vez.
    20Thor tem que fazer o trabalho de rastrear odores mais uma vez.
  • Thor, um dos 20 cachorros que ajudam nas buscas, bebe água.
    21Thor, um dos 20 cachorros que ajudam nas buscas, bebe água.