Crise na Venezuela

Venezuela endurece a censura e prende jornalistas

Três repórteres da agência EFE e dois de meios de comunicação franceses foram detidos em Caracas

Fotografia de arquivo dos três jornalistas da agência EFE detidos em Caracas, a colombiana Mauren Barriga (c); o fotógrafo Leonardo Muñoz (esq.), e o espanhol Gonzalo Domínguez
Fotografia de arquivo dos três jornalistas da agência EFE detidos em Caracas, a colombiana Mauren Barriga (c); o fotógrafo Leonardo Muñoz (esq.), e o espanhol Gonzalo DomínguezArquivo (EFE)

Mais informações

Três jornalistas da EFE, dois colombianos e um espanhol, foram presos nesta quarta-feira, 30, em Caracas. Os três fazem parte de uma equipe que viajou de Bogotá para cobrir a situação política no país, com Nicolás Maduro encurralado por pressão internacional e por manifestações de rua e Juan Guaidó empossado como presidente interino. De acordo com jornalistas da agência em Caracas, membros do Serviço de Inteligência Bolivariana (Sebin) prenderam o espanhol Gonzalo Domínguez Loeda e a colombiana Mauren Barriga Vargas e informaram que o colombiano Leonardo Muñoz tinha sido detido horas antes pela Direção de Contrainteligência Militar (DGCIM). Depois de pressão dos Governos espanhol, eles foram colocados em liberdade nesta quinta e foi iniciado um processo para deportá-los para a Colômbia.

Agentes da Sebin prenderam Barriga e Domínguez no escritório da agência e lhes pediram que os acompanhassem ao hotel onde estão alojados na capital venezuelana, segundo disseram, para recolher os seus pertences. A diretora da EFE em Caracas, Nélida Fernández, e um advogado foram com Domínguez e Barriga para tentar esclarecer a situação com as autoridades venezuelanas e obter sua libertação o mais rápido possível.

A equipe da EFE viajou em 17 de janeiro para Caracas para ajudar na cobertura da crise venezuelana e, ao chegar ao aeroporto de Maiquetía, se identificaram como jornalistas. As autoridades da inteligência, da imigração e da alfândega autorizaram sua entrada sem restrições depois de submetê-los a várias checagens de segurança por quase três horas.

No entanto, na manhã desta quarta-feira, 30, quando o fotógrafo Muñoz se dirigia para cobrir os protestos contra o regime de Nicolás Maduro no bairro de Petare, em Caracas, a agência perdeu o contato com ele e o motorista que o acompanhava, José Salas, de nacionalidade venezuelana. Por essa razão, o Governo da Colômbia pediu na quarta-feira a "libertação imediata" de Leonardo Muñoz, que até então era considerado desaparecido.

Dois repórteres da TVN, a televisão nacional do Chile, Rodrigo Pérez e Gonzalo Barahona, também permaneceram presos, sem paradeiro conhecido, durante um dia depois de serem detidos na terça-feira à noite perto do Palácio de Miraflores, em Caracas. Com os profissionais chilenos, a polícia também prendeu os repórteres venezuelanos Maikel Yriarte e Ana Rodríguez, das televisões digitais TVV Notícias e VPI, que foram libertados na terça-feira de manhã.

No mesmo local, a cobertura de uma vigília convocada pelos seguidores de Maduro, foram presos ainda dois jornalistas franceses do programa Quotidien, conduzido por Yann Barthes e transmitido pelo canal TF1, e seu produtor do país, Rolando Rodríguez. Na noite desta quarta, autoridades diplomáticas mantinham em sigilo a identidade dos jornalistas franceses presos e que ainda não haviam sido libertados.

Intervenção de governos

Tanto o Governo espanhol como as instituições europeias haviam pedido o Governo de Maduro a liberdade dos presos da agência Efe. A libertação dos jornalistas chilenos também exigiu a intervenção do Ministério das Relações Exteriores do Chile. "Exigimos a libertação imediata de jornalistas da TVN detidos na Venezuela. Nossa chancelaria está fazendo todas as gestões necessárias. A liberdade de imprensa é outra das vítimas na Venezuela. A solução pacífica são eleições livres e democráticas, agora ", escreveu o presidente chileno, Sebastián Piñera, em um tuíte.

O Sindicato Nacional da Imprensa afirmou que os profissionais, mantidos incomunicáveis por várias horas e expostos a agressões verbais, foram forçados a assinar um documento no qual tiveram de enaltecer o bom tratamento recebido, embora não tenha sido assim.

Na última semana de intensificação do conflito venezuelano, 26 jornalistas foram atacados e oito equipes de repórteres foram alvo de roubos. Houve ainda aumento da censura contra a rádio. Sete programas de notícias deixaram de ser transmitidos, por ordens de Conatel, o órgão controlador das telecomunicações no país, que os proibiu de fazer referência à presidência interina de Juan Guaidó ou, então, porque os jornalistas se recusaram a acatar uma censura que também veta as informações sobre os protestos e manifestações que ocorrem desde 23 de janeiro.

Justo quando dezenas de correspondentes estrangeiros chegam à Venezuela para acompanhar os acontecimentos, a televisão aberta e as emissoras de rádio nacionais têm feito uma cobertura tímida dos fatos, por pressão do regime chavista.