Produtora do Porta dos Fundos no Rio sofre ataque com coquetel molotov

Encapuzados identificados com o fascismo reivindicam o atentado. “Eles não estão sós. É um ódio que tem sido pregado na mídia conservadora e no Congresso”, diz Gregório Duvivier

A produtora do grupo humorístico Porta dos Fundos informou que sua sede no bairro do Humaitá, zona nobre do Rio de Janeiro, foi alvo de ataque com bombas tipo coquetel molotov na madrugada desta terça-feira. Em vídeo que circula nas redes sociais nesta quarta, três homens encapuzados reivindicaram o ataque. Eles aparecem em frente a uma bandeira integralista (movimento ultraconservador dos anos 30 inspirado no fascismo italiano) e apoiados numa bandeira do Brasil monárquico.

De acordo com o jornal O Globo, o ataque aconteceu às 4 horas da manhã e o caso foi registrado como crime de explosão na 10ª DP (Botafogo). “Um dos seguranças conseguiu controlar o princípio de incêndio e não houve feridos”, disse a produtora em nota.

“É assustador. Eles não estão sós. É um ódio que tem sido pregado na mídia conservadora e no Congresso”, disse ao EL PAÍS Gregório Duvivier, ator do grupo. Duvivier é um dos protagonistas de A primeira tentação de Jesus, produção da Porta dos Fundos para a Netflix. A sátira que, entre outras coisas, representa Jesus tendo um romance gay atiçou a ira de cristãos, políticos, incluindo integrantes do clã Bolsonaro, e pastores. Um abaixo-assinado pede o veto da produção por a considerarem “ofensiva à fé cristã" e já ultrapassou os dois milhões de assinaturas.

Na nota, a produtora do grupo diz que já disponibilizou as imagens das câmaras de segurança para as autoridades e que a prioridade, no momento, é a segurança da equipe. “Assim que tivermos mais detalhes, voltaremos a nos manifestar". “O país encerrará essa tormenta de ódio e o amor prevalecerá junto com a liberdade de expressção”, encerra o texto.