Black Friday

‘Black Friday’ 2018: cinco conselhos para não cair em golpes na data

Dia anual de promoções e descontos acontece em vários países e no Brasil nesta sexta-feira

Consumidores fazem fila diante de uma loja em Barakaldo, na Espanha, para aproveitar os descontos da Black Friday.
Consumidores fazem fila diante de uma loja em Barakaldo, na Espanha, para aproveitar os descontos da Black Friday. VINCENT WEST (REUTERS)

MAIS INFORMAÇÕES

Compare preços

Embora logo de cara os anúncios de ofertas e a publicidade desta data nos façam acreditar que é possível encontrar os melhores descontos em qualquer produto, diversas entidades de defesa do consumidor alertam que é importante comparar preços antes, durante e depois da Black Friday. Há anos a Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) monitora os preços na data nas principais lojas do Brasil e, desde 2013, planifica em uma lista mais de 400 empresas alvo de reclamações dos compradores. Já a Organização de Consumidores e Usuários (OCU), da Espanha, destaca que apenas 11% dos produtos oferecidos eram realmente mais baratos do que em outros dias do ano no país. Por este motivo, a entidade recomenda ao comprador que “não se deixe levar pela inércia" e compare os preços para saber se as oportunidades são mesmo as melhores. Existem ferramentas, como o Buscapé, o Zaply e o Baixou, que permitem rastrear os preços de um item.

Planeje as suas compras

A ideia das ofertas é poder comprar o que é necessário sem gastar muito. Mas a proximidade do Natal e o volume de produtos em liquidação podem nos estimular a consumir além da conta. Para evitar isso, é importante não nos deixarmos levar por impulsos e apenas procurar os produtos de que precisamos. O ideal é fazer uma lista e segui-la, seja comprando em lojas físicas ou online. Desta forma, caso encontremos uma boa oferta, estaremos realmente economizando.

Consulte as condições de compra

O Procon lembra que todas as regras estabelecidas pelo Código de Direito do Consumidor continuam a valer durante a Black Friday, entre elas a que estabelece que a pessoa pode desistir da compra dentro de um prazo de 7 dias (o chamado Direito do Arrependimento, o Artigo 49, do CDC). Portanto, é importante guardar a nota fiscal para qualquer reclamação. Além disso, deve ser levado em conta se o preço apresentado inclui os impostos e também os custos de frete, já que isso poderia aumentar consideravelmente o custo final e reduzir o desconto dos produtos, que pode ser inferior ao que parece à primeira vista.

Verifique a segurança da loja virtual

Comprar nos sites mais conhecidos geralmente proporciona garantias suficientes para saber com certeza que nossa compra é segura. No entanto, como muitos outros sites também participam da campanha, é aconselhável verificar se a loja é real, para evitar fraudes. Nesse sentido, é uma boa ideia buscar opiniões de outros usuários no Google e o Reclame Aqui. Além disso, é sempre importante que as páginas de pagamento sejam criptografadas –costumam mostrar um cadeado ao lado do endereço do site para impedir o roubo de dados de nossos cartões ou contas bancárias

Navegue no modo incógnito (ou anônimo)

Às vezes, as empresas que instalaram cookies em seu computador sabem que você já viu um produto e enviam notificações para avisá-lo para comprá-lo porque está acabando ou o preço vai aumentar. Depois de localizar o que deseja comprar, você pode fazer isso usando o modo incógnito do navegador e assim checar se há variações no preço.