Black Friday

As ofertas que não são anunciadas pela Black Friday e que realmente lhe farão feliz

Se não conseguir resistir ao impulso das compras, ao menos invista em coisas úteis ou que realmente lhe tragam felicidade, como viagens, música, livros...

MAIS INFORMAÇÕES

Com a Black Friday (e a Cyber Monday) batendo à sua porta, é difícil escapar das listas de descontos e dos anúncios de ofertas quando navegamos na internet. Driblar o bombardeio publicitário e vencer as tentações é quase impossível, mas há quem consiga manter ao longe os impulsos tentando colocar em prática o que a ciência confirmou: que não somos mais felizes quanto mais bens materiais adquirimos, mas quando desfrutamos de experiências.

Mesmo assim, na Espanha, por exemplo, setores como o têxtil registraram em 2015 —segundo dados da Kantar— 10% mais transações em lojas em relação ao ano anterior e 127% a mais online. Para 2016 —a previsão da pesquisa realizada pelas empresas Worten e GFK— é a de que as vendas continuem aumentando e que cada espanhol gaste em média cerca de 221 euros (cerca de 800 reais).

Queremos propor a você outras alternativas que aumentem seu bem-estar, que não sejam uma reação a um impulso de última hora e das quais você não se arrependa depois de um ano (ou um mês). Como investir seu dinheiro sem renunciar a sua consciência ecológica ou a sua responsabilidade com um consumo mais responsável. Estas são algumas delas:

- Invista em um instrumento musical. E toque-o em seu tempo livre para desenvolver suas habilidades cognitivas como faz a atriz de Hollywood Halle Berry. Se desde criança você abandonou as aulas de piano ou de guitarra, talvez tenha chegado o momento de retomá-las. E, se não for para você, para seus filhos, porque os especialistas destacam que os benefícios são múltiplos para as crianças que aprendem música. Entre eles, melhor pronúncia quando falam em outro idioma ou desenvolver a memória verbal.

Outra opção é adquirir um bom aparelho de som ou uma coleção de vinis e aumentar o volume ao chegar em casa. Segundo vários estudos, uma boa música melhora nosso ânimo e, consequentemente, nos torna mais receptivos à informação. Se estamos estudando, por exemplo, e temos de memorizar dados, o faremos melhor. E não funciona só ouvindo música clássica, o rock também vale.

- Compre uma bicicleta ou vá de transporte público (se você mora na cidade): Deslocar-se para o trabalho ou em seu tempo livre de bicicleta é matar dois coelhos com uma cajadada: exercitar-se diariamente e reduzir os níveis de poluição do ar. O mesmo vale para deslocar-se de metrô, trem ou ônibus e evitar a fumaça do carro por um tempo. Entre outras coisas, porque estudos realizados pela OMS apontam que “a poluição produz uma redução de 8,6 meses de vida”.

Poupar-se dos congestionamentos e da dificuldade de encontrar vagas de estacionamento (ou da raiva de pagar o estacionamento da vez) melhorará sua saúde mental e seus níveis de irritação.

- Se optar por roupas, escolha só o imprescindível para criar um armário compacto: Como numerosos documentários e reportagens jornalísticas já nos mostraram, para que centenas de peças de roupas de marcas low cost se amontoem em seu armário, milhares de trabalhadores da indústria têxtil em todo o mundo sacrificam sua saúde e suas vidas.

Uma boa opção para não fomentar esse consumismo desaforado pode ser optar por marcas locais e que promovam um ritmo de uso mais pausado, ou planejar em nossa compra a roupa que vamos precisar e que podemos combinar de várias formas ao longo do ano —o que costumamos chamar de roupas básicas.

No blog Una Vida simple, por exemplo, há algumas sugestões básicas para criar um armário compacto para cada temporada. Segundo o blog, só seria necessário ter 33 peças (sem contar roupas de baixo, esportivas ou de festa) e os benefícios, afirmam, são múltiplos: reduzir nossa pegada ambiental, organizar melhor a casa e ter mais tempo para fazer outras coisas.

- Contribua com um crowdfunding de uma iniciativa que seja digna de seu apoio: Grandes apostas empresariais hoje consolidadas não teriam chegado a lugar algum sem o impulso inicial de um mecenas ou de investidor que apoiou uma ideia. Respaldar um projeto conforme nossos valores e que possa acrescentar algo novo à sociedade não só beneficiará quem o propõe mas quem o favorece. E há uma grande oferta de iniciativas saudáveis.

- Passe a usar o coletor menstrual ou outros métodos alternativos aos absorventes: Os métodos higiênicos tradicionais usados pelas mulheres durante a menstruação têm um impacto tremendo na economia doméstica e no meio ambiente. Todo ano são descartados 94.500.000.000 absorventes internos e externos —segundo dados da empresa Femintimate— e a OCU estima que cada mulher gaste com eles em torno de 160 reais).

Investir em um coletor menstrual reduzirá esses números e evitará também o risco de contrair doenças relativas ao uso de absorventes internos.

- Faça uma assinatura para desfrutar do cinema ou das séries de televisão: Além do gostinho que dá o trio “sofá, filme e cobertor”, desfrutar de histórias cinematográficas —e analisá-las depois com a orientação de um profissional— nos favorece na hora de “adquirir habilidades emocionais, aprender a tomar decisões, a estabelecer limites, a criar opções, a atravessar períodos de luto e a refletir ou administrar a ansiedade”. É o caso do projeto Medi-cine, da psicoterapeuta e criminologista Mercedes Martínez, que inclui certos filmes em suas terapias para ajudar seus pacientes.

Os amantes dos filmes de terror devem saber também que, exceto para as pessoas que sofreram episódios traumáticos, assistir essas histórias traz benefícios pessoais e sociais. Os especialistas observaram que com os filmes de medo reforçamos o vínculo com os outros e a autoestima.

- Dê-se de presente um passeio pela praia ou pelo bosque: Passear entre árvores, por exemplo, nos acalma e reduz os níveis de ansiedade e estresse. Foi o que concluiu uma equipe de pesquisadores, dirigida pelo psicólogo da Universidade de Chicago Marc Berman, quando realizaram um estudo na cidade canadense de Toronto para estudar a associação que os espaços verdes tinham com a saúde de seus habitantes. Os dados mostraram que nos bairros com mais árvores —dez ou mais— os cidadãos tinham melhor percepção da saúde. Uma percepção, veja você, equiparável a dispor de 10.000 dólares extras.

Além disso, a Organização Mundial de Saúde recomenda no mínimo 150 minutos de atividade física aeróbica de intensidade moderada. Caminhar a passo ligeiro estaria incluído e por que não aproveitar para fazê-lo durante uma escapada de fim de semana a algum lugar da costa ou do interior? Neste hotel-fazenda de Castelladral, por exemplo, você é convidado a passar um fim de semana em meio à natureza, em um lugar tranquilo e tradicional que permita desfrutar da calma que não encontramos na voragem do dia a dia.

A solidão e a introspecção nos ajudarão, como defendem autores como Susan Cain, a deixar aflorar nossa criatividade e engenhosidade.

- Amplie sua biblioteca: Ler ficção por puro prazer estimula nosso cérebro a ponto de permitir-lhe, com o passar dos anos, tolerar melhor as mudanças que ocorrem com a idade sem apresentar sintomas de demência.

Como explicamos antes no Dia do Livro, a leitura faz com que se ativem em nosso cérebro as áreas responsáveis pelas ações sobre as quais o texto discorre, como se estivessem acontecendo no mundo real. E, por último, “simula situações que nos permitem entender os outros (e a nós mesmos), algo que aumenta nossa capacidade de empatia”, dizem os psicólogos cognitivos Raymond Mar e Keith Oatley.

Arquivado Em: