Seleccione Edição
Login

Ex-marine armado mata 12 em bar country da Califórnia

O agressor, um homem de 28 anos que também morreu, invadiu uma festa universitária e atirou indiscriminadamente

Tiroteo en California
Testemunha conversa com uma agente do FBI AP

O novo cenário do horror das armas de fogo nos Estados Unidos é um bar de música country nos subúrbios de Los Angeles, cheio de universitários numa quarta-feira à noite. Aqui, um homem de 28 anos, segundo os primeiros dados fornecidos pela polícia, alto e vestido completamente de preto, descarregou a sangue frio pelo menos três carregadores de uma pistola sobre uma centena de pessoas. Não foi uma briga, nem um assalto. Ele simplesmente entrou no bar, lançou uma bomba de fumaça e começou a atirar.

O fato ocorreu por volta de 23h20 desta quarta-feira (hora local; 5h20 de quinta em Brasília). O estabelecimento, chamado Borderline Bar&Grill, fica na localidade de Thousand Oaks, um povoado dos subúrbios prósperos a noroeste de Los Angeles. O escritório do xerife do condado de Ventura informou logo depois que havia 12 mortos, incluindo o primeiro policial que chegou ao local. A 13ª vítima fatal é o assassino, abatido em confronto com a polícia.

Por volta das 7h (hora local), a polícia identificou o assassino como David Ian Long, de 28 anos. Era um ex-marine, veterano de guerra, que sofria de estresse pós-traumático. Sua motivação ainda não foi esclarecida.

O policial morto integrava a primeira patrulha que chegou ao local e “tentou neutralizar a ameaça”, nas palavras do chefe da polícia do condado de Ventura, Garo Kuredjian.

Antes de morrer, Long disparou indiscriminadamente 30 vezes. Às televisões locais, várias testemunhas descreveram o assassino como um homem, com o rosto coberto segundo algumas versões, perfeitamente decidido e metódico na execução maciça de inocentes. Utilizou apenas uma pistola calibre 45, segundo a polícia. Os primeiros disparos foram ouvidos junto à porta. Uma testemunha descreveu ao canal local da ABC que o viu se irritar com a jovem recepcionista.

A partir daí, os relatos das testemunhas descrevem o caos. Uma delas saiu ao pátio traseiro gritando para que todos fugissem. Ao sair, viu o sargento Ron Helus lavrando uma multa e lhe contou o que estava ocorrendo. Helus entrou no bar para enfrentar o suspeito e morreu baleado. Tinha 29 anos e deixa esposa e um filho. Outra testemunha se referia assim ao agressor: “Eu o vi entrar (...) e começou a disparar”, relatou Mitchell Hunter, de 19 anos, que descreveu o atirador como um homem de pele clara e cabelo escuro.

Outro cliente do bar, chamado Matt, contou ao mesmo canal que as pessoas se esconderam sob as mesas de bilhar. Quando as 12 balas do primeiro carregador acabaram, dezenas de pessoas conseguiram escapar nos segundos que o assassino levou até substituí-lo. Matt lançou uma banqueta do bar contra a janela que dá para a rua, e cerca de 30 pessoas saíram por lá, segundo relatou. Depois, uma segunda rodada de execuções, e de novo alguns poucos segundos para escapar. Quando estava no terceiro carregador, contaram as testemunhas, a polícia já havia chegado. Eram 23h26. Os agentes assumiram o controle da situação e entraram no bar, onde “encontraram a pessoas escondidas em banheiros, em mezaninos”, segundo o xerife Dean. “É uma cena horrível. Há sangue por todos os lados.”

O Borderline Bar&Grill é um lugar popular entre os alunos de pelo menos três campi universitários da região, a universidade de Malibu, a universidade de Pepperdine e a Cal Lutheran. Os estudantes compunham a maioria do público desta quarta-feira à noite. A Universidade Luterana da Califórnia suspendeu as aulas, segundo uma mensagem em seu site, no qual convida a população a se reunir em sua capela.

A matança de Thousand Oaks é a mais grave no sul da Califórnia desde o ataque jihadista de dezembro de 2015 em San Bernardino, onde 14 pessoas morreram baleadas. É também o segundo tiroteio maciço das últimas duas semanas nos Estados Unidos, depois que um radical matou 11 pessoas numa sinagoga de Pittsburgh (Pensilvânia) enquanto rezavam, em 27 de outubro, no que foi o maior crime antissemita individual já perpetrado no país norte-americano, segundo os dados citados pela imprensa dos EUA. Antes do episódio de Thousand Oaks, os sete massacres a tiros mais graves registrados nos Estados Unidos em 2018 somavam 53 vítimas fatais.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, referiu-se em sua conta no Twitter ao “terrível” massacre, elogiou a coragem da polícia na Califórnia e lamentou as mortes. “Grande coragem mostrada pela polícia. A Patrulha Rodoviária da Califórnia estava no local dos fatos em três minutos, e o primeiro agente a entrar disparou várias vezes. Esse sargento do xerife morreu no hospital. Deus abençoe todas as vítimas e familiares das vítimas”, disse o presidente em sua conta do Twitter.

MAIS INFORMAÇÕES