Seleccione Edição
Login

“Ciro é o único que defende escola em tempo integral, que afasta adolescentes do crime”

A teimosia em buscar um presidente com projeto para a educação leva Adalberto Cesar Pereira Filho a dar seu voto de estreia em eleições ao pedetista, renegando a chapa Haddad/Manuela, que tem os partidos preferidos da mãe e do pai

Adalberto Filho, de 18 anos, em frente ao colégio Paula Soares, em Porto Alegre.
Adalberto Filho, de 18 anos, em frente ao colégio Paula Soares, em Porto Alegre.

Das janelas das salas de aula do colégio Paula Soares, em Porto Alegre, é possível enxergar o pátio e a área residencial do Palácio Piratini, uma construção centenária inspirada no Petit Palais de Versailles, que sedia o governo do Rio Grande do Sul. Em 1961, o então governador gaúcho Leonel Brizola comandou a Cadeia da Legalidade dos porões do edifício, promovendo pronunciamentos pela rádio que levaram uma multidão armada para as ruas, disposta a resistir e assegurar a posse de João Goulart como presidente da República. No telhado, o líder trabalhista mandou instalar baterias antiaéreas para abater aviões da Força Aérea Brasileira que pudessem se insurgir contra a campanha —ele acabou ganhando o apoio público do III Exército e Jango assumiu a cadeira—, apesar da contrariedade dos ministros militares de seu antecessor, Jânio Quadros, que chegaram a formar uma Junta Militar para governar. Em 1964, Jango não resistiria e se consumaria o golpe de Estado.

Adalberto Cesar Pereira Filho, 18 anos, cursa o primeiro ano do Ensino Médio no colégio Paula Soares e quando olha sobre os muros que separam o pátio da sua escola do Piratini, pensa em outra batalha, casualmente também enfrentada pelo governador legalista Brizola: a da educação.

“Eu particularmente penso em educação em primeiro lugar. Eu sei que a gente tem que pensar em saúde e segurança, mas se a gente não educar não vai ter médicos, nem policiais, nem professores”, sintetiza o estudante.

O jovem não está muito familiarizado com o legado de Brizola, apesar da proximidade com o edifício onde parte da história do líder trabalhista está contada (o prédio abriga o museu da Legalidade). “Conheço a neta dele”, diz, um pouco envergonhado, em referência a Juliana Brizola (PDT), que nesta eleição busca o terceiro mandato como deputada estadual na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.

Entretanto, é a herança brizolista que o seu candidato à presidência da República, Ciro Gomes (PDT), invoca no projeto de educação em tempo integral que propõe instituir no Brasil caso vença a eleição. Governador de dois estados diferentes, o Rio Grande do Sul (1959-1963) e o Rio de Janeiro (1983-1987 e 1991-1994), Brizola teve seus mandatos marcados pela abertura de escolas: as brizoletas no sul e os Cieps no Rio.

Ciro também tem realizações na área educacional, que não passaram batido por Adalberto Cesar Pereira Filho. Ele acompanhou a propaganda eleitoral em rádio e televisão para decidir seu voto, mas também foi averiguar se o que os programas diziam era fato: “Eu vi na TV e pesquisei que (escola em tempo integral) já acontece lá no Estado onde o Ciro Gomes governou, que não lembro o nome agora…”, revela o garoto.

De fato, o Ideb (Índice de Educação Básica) de 2015 aponta que 77 das 100 melhores escolas de educação básica do país estão no Ceará, se levados em conta apenas os anos iniciais do Ensino Fundamental (até o 5º ano). Na avaliação para os anos finais, o Ceará tem 35 escolas entre as 100 com maiores notas, mantendo o primeiro lugar em ambos os rankings. “Eu gostaria muito que o Brasil tivesse uma oportunidade como essa”, afirma Adalberto.

Pragmatismo e sonho

A razão para Adalberto ter decidido entregar seu primeiro voto para Ciro Gomes e seu projeto educacional, com escolas de tempo integral, é pragmática. “Tem muitas crianças e jovens da periferia, assim como eu, que estudam somente no turno da tarde e de manhã ficam sem nada para fazer, dando brecha para o crime. Eu convivo com muitas pessoas assim”, revela o adolescente.

O estudante mora na Glória, um bairro em que se misturam áreas de classe média/alta e grandes bolsões de pobreza na zona sul de Porto Alegre. Defronte a casa que divide com a mãe, uma auxiliar de serviços gerais, há uma boca de tráfico onde muitos de seus amigos decidiram trocar os livros pelas armas. “O crime pode te oferecer muitas coisas, a gente até acha que é legal, mas isso só traz atraso. Já vi muitas pessoas que conviveram comigo tomarem esse rumo errado, abandonarem a escola e às vezes até perderem a própria vida”, lamenta Adalberto.

Ele confessa que não é fácil resistir aos apelos que o mundo da criminalidade oferece a um jovem de periferia. Recentemente ele conseguiu uma vaga em um clube de futebol na cidade de São Leopoldo, na região metropolitana. Precisa atravessar Porto Alegre em um ônibus e depois tomar um trem para ir aos treinos que acontecem duas ou três vezes por semana. Ainda assim, sobram dias em que é preciso força para resistir à sedução da “boca”: “quando não tenho nada para fazer, eu fico mais em casa, procuro ler e ocupar a mente para não ser contaminado por coisas ruins”, admite.

Tudo muito diferente se pudesse Adalberto estar no colégio o dia inteiro, ele acha. “Com programas legais, modernos, aprendendo informática, jogos e esporte. Isso chama bastante atenção do jovem da periferia, como eu, que procurei uma saída no esporte e está dando certo, estou realizando meu sonho. Conheço muitos jovens que queriam e não têm essa oportunidade, não podem”, se ressente.

“Educação, esporte, música, arte. Tudo tem que andar associado para levar nosso Brasil para frente, para melhorar. Não só porque é legal, mas porque é o que a gente precisa, é o necessário”, assevera.

Além de cultura, para Adalberto, a escola também deveria ser o lugar onde acontece o debate político: não o partidário, que para ele não tem muito sentido —ele sequer sabe qual a sigla de seus candidatos. Se refere a um ambiente formativo de discussão, confronto e escuta de quem pensa diferente. “Tinha que ter uma comissão de dentro do próprio colégio, dos próprios alunos, que mostrasse o que é política, como e o que a gente pode fazer para melhorar. Tinha que incentivar mais o grêmio estudantil, isso seria bem legal”, opina.

Confrontado com as propostas do projeto Escola sem Partido, que tenta impor um rígido regramento para o debate político em estabelecimentos de ensino, ele reage: “Isso é super errado, política é educação e cultura acima de tudo, e isso a gente tem que encontrar dentro da escola porque ninguém vai nos ensinar lá fora. Eu tive minha mãe, meus pais, que conversaram sempre muito comigo, mas há pessoas que não têm famílias instruídas nesse tema e só se defrontam com ele nas escolas”.

Na família, divergências à esquerda

Quando se fala sobre sua família, Adalberto está se referindo prioritariamente à mãe. “Não moro com meu pai, eles são divorciados. Não vejo ele há muito tempo”, esclarece.

Mesmo assim, guarda a lembrança de quando o genitor concorreu a vereador em Porto Alegre, filiado ao PCdoB. “A candidata a prefeita era a Manuela. Eu acho tri, acho bacana as pessoas que lutam para a gente melhorar nosso estado, nosso país, nossa cidade. Falo estado (também para significar) o nosso estado mesmo, de viver, o nosso cotidiano. Essas pessoas marcam bastante e ajudam outros ao redor”, elogia.

Mesmo tendo vivido a campanha eleitoral de dentro, pertinho da atual candidata à vice-presidência na chapa de Fernando Haddad (PT), ele insiste no projeto de Ciro Gomes. “Tô sabendo que ela está concorrendo, mas isso não me fez mudar de ideia. Ciro é o único que defende escola em tempo integral”, reforça.

A defesa é tanta que Adalberto tentou até virar o voto da mãe, petista de carteirinha: “Ela não curtiu muito, acho até que é filiada ao PT. Mas a gente conversa bastante para deixar bem claro o que cada candidato quer fazer e por que a gente vai votar naquela pessoa, no que ela vai nos ajudar”.

Ex-ministro da Educação, Haddad conta também com a simpatia do garoto: “Ele fez bastante coisa na época do Lula”. O problema, avalia Adalberto —seguindo uma tendência que faz com que a rejeição ao candidato petista aumente na medida em que ele é associado ao ex-presidente Lula e à sigla de ambos— é que “o partido já deu errado e a gente não precisa apostar no que já deu errado de novo”, conclui.

Embora os pais tenham histórico de militância à esquerda, para Adalberto o campo ideológico em si não é definidor. Para governador do Rio Grande do Sul, por exemplo, ele vai votar no tucano Eduardo Leite (PSDB), em quem identificou o mesmo vigor na luta pela educação que em Ciro Gomes. “Parece que onde ele exerceu o mandato dele da última vez (Leite foi prefeito de Pelotas entre 2013 e 2016), ele reformou 15 escolas”, contabiliza o rapaz. Aliás, Adalberto não relaciona nenhum dos dois candidatos com ideologias: “Pelo que eu vi, não tem muito direita e esquerda, não partem para nenhum lado, não levantam uma bandeira”.

Durante estas eleições, o EL PAÍS apresenta a seção "Primeiro Voto", que traz o perfil de um jovem que está prestes a estrear no processo eleitoral. Leia outras histórias de eleitores que votam pela primeira vez neste ano.

MAIS INFORMAÇÕES