Coisas que confundem os espanhóis que vêm morar no Brasil

‘Borracharia’ e ‘drogaria’, por exemplo, são palavras que podem gerar situações bem cômicas

MAIS INFORMAÇÕES

Quando nós, espanhóis, pensamos no Brasil, nossa cabeça se enche de clichês, mas quem vem morar no país descobre coisas que não imaginava. Em 2017, publicamos uma lista de coisas que confundem os espanhóis quando chegam ao México para viver, e agora fizemos a mesma pergunta em vários grupos do Facebook de espanhóis no Brasil.

Trata-se do sexto país do mundo com mais emigrantes espanhóis: 130.635, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística da Espanha (INE) correspondentes a 2017. A cifra aumentou 11% nos últimos quatro anos.

O número real de espanhóis no Brasil é ainda maior: o dado do INE é elaborado, conforme explica em sua metodologia, através dos dados do Cadastro de Espanhóis Residentes no Exterior (PERE). Ele não inclui os migrantes não residentes, ou seja, que têm uma estadia prevista inferior a um ano, nem os que não regularizaram sua situação no exterior.

Reproduzimos algumas das dezenas de respostas que recebemos.

Língua

1. [Em espanhol, borracho quer dizer bêbado.] Quando vi um cartaz dizendo “borracharia”, soou mal para mim. Pensei: “Por que não chamam de bar?” Depois entendi que era um troço de pneus...

2. É incrível a quantidade de palavras que eles têm para dizer 'ok': beleza, demorô, ótimo...

3. Eu, quando vi “drogaria”, pensei: “caramba, o esquema aqui é bem fácil...”

4. Chamam a tudo de “essa coisa”. Quando comecei a aprender português, ficava louca com isso de “a coisa” para cá, “a coisa” para lá!

5. Que tenha nomes diferentes um mamão grande e um pequeno.

6. A palavra “infelizmente” para dizer desgraciadamente. Além disso, quando a dizem, sempre estão te enrolando.

Costumes

7. Eles não gostam muito de fila... Sempre tentam “furar a fila”, como se diz no Brasil.

8. Mas aí, em alguns lugares, precisa fazer fila duas vezes: a primeira para pagar, e a segunda para pedir.

9. Tomam banho “mil vezes” por dia.

Criando “a marquinha” com fita isolante no Rio
Criando “a marquinha” com fita isolante no Rio

10. A fixação que têm com a famosa “marquinha” do biquíni. Sempre achei muito curioso que a associem à beleza.

11. Que tenha um entregador de gás ou de água, e que andem de bicicleta.

12. Adoro a distância com que cumprimentam na primeira vez que conhecem alguém, e aí no segundo dia já te cravam um abraço.

13. Que tudo abra a quase toda hora, sobretudo as farmácias (que têm até bolachas).

14. Que mesmo fazendo muito calor tomam banho com água morna ou quente.

15. O ano novo começa realmente com o Carnaval, em fevereiro.

Comida e bebida

16. O pastel. Na Espanha, significa “bolo”, então certamente é algo doce, mas aí quando fui experimentar me deparei com uma empanada frita, salgada, cheia de coisas maravilhosas.

17. Que acabam de almoçar e já estão preparando o jantar.

18. A pamonha está em toda parte. Os distribuidores a levam até você de moto, bicicleta, carro ou no que for.

Pamonhas, pamonhas, pamonhas
Pamonhas, pamonhas, pamonhas

19. Continua me surpreendendo que almocem e jantem arroz com feijão quase todos os dias. Não sei como não se cansam...

20. Pois eu voltei de férias para casa e já sentia falta da feijoada da sogra.

21. No sul do Brasil toma-se chimarrão, um tipo um chá que se bebe em grupo. Adoro o costume de que todo mundo se sente para tomá-lo.

22. Há pizzas de todos os sabores e cores, incluindo doces e de sorvetes. Algumas levam leite condensado.

23. É incrível a quantidade de doce que comem... São insaciáveis!! Comem muito e depois têm que fazer muito esporte para queimar.

24. O azeite de oliva picante que às vezes usam.

25. Comer um salgadinho com ketchup no café da manhã.

26. O café é muito bom, mas a ideia de café com leite é muito diferente da espanhola. Colocam muito leite, e além do mais frio...

27. Nos bares e restaurantes, a comanda fica na mesa, para o caso de você querer continuar pedindo coisas. E ai de você se perdê-la antes de pagar...

Personalidade

28. Fala-se muito de horóscopo. É praticamente uma forma de quebrar o gelo nas conversas coloquiais: “De que signo você é?”.

29. Quando você vai a uma loja para comprar alguma coisa e lhe respondem: “Tenho, mas está em falta”.

30. O que eu gostei foi do caráter aberto das pessoas. Falam com você como se lhe conhecessem de toda a vida, e sempre com um sorriso.

31. São incapazes de dizer “não”, por exemplo:

– Quer uma fatia de bolo?

– Talvez depois

– Você vem à festa?

– Talvez, com certeza, vamos ver (e depois não vêm).

32. Dizem “pode ser” em vez de sim ou não.

33. E, como não sabem dizer “não”, dizem muitas mentiras piedosas. Para eles, os espanhóis são um pouco grosseiros por dizerem diretamente “não”.

34. Não gostam dos pontos intermediários: ou frio ou quente, nunca morno.

35. Seu conceito de pontualidade é ainda mais estranho que o espanhol. Dizem: “Tô chegando”. E ainda nem saíram de casa, ou não vêm.

36. Quando cheguei ao aeroporto de Porto Alegre estava com duas malas grandes e uma de mão, e pesavam tanto que eu não conseguia colocá-las no carrinho. Quando vi, tinha duas pessoas me ajudando... Isso sim que você não encontra na Espanha.

Natureza e clima

37. Achei que poderia tirar um cochilo numa rede entre dois coqueiros. Nada mais longe da realidade: os mosquitos se alvoroçam e você não aguenta nem cinco minutos.

38. As paisagens tropicais, a grande fauna silvestre e que convivam com essas aranhas enormes.

39. Quando faz frio e está chovendo, e se vestem de casaco, bermuda e chinelo. Ainda não entendo...