Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Por trás da vitória feminista na Argentina, a conveniência de Macri

A lei do aborto na Argentina tem seu motivo: promover um debate de dimensões épicas capaz de ofuscar temas igualmente graves

Milhares de pessoas festejam a aprovação da despenalização do aborto nas imediações da praça do Congresso, em Buenos Aires.
Milhares de pessoas festejam a aprovação da despenalização do aborto nas imediações da praça do Congresso, em Buenos Aires.David Fernández (EFE)
Mais informações

A Copa começou na quinta-feira, e nem percebei. Naquele mesmo dia, houve na Argentina acontecimentos sérios (uma greve de caminhoneiros e professores; uma forte alta do dólar; a substituição do presidente do Banco Central) aos quais tampouco prestei atenção. Estava em casa, gripada, servindo chá ao encanador que consertava um cano e acompanhando ao vivo a tramitação da legalização do aborto na Câmara de Deputados. Em frente ao Congresso, milhares de pessoas a favor e contra faziam vigílias sob um frio soberano. O encanador me disse: “Agora, em vez de se cuidarem, vão todas abortar. Enfim, vai ser grátis”. Eu lhe disse, seca: “Eu quero que a lei saia”. Assim, em meio a um rígido silêncio, vi como, depois de uma votação agônica– 129 a favor, 125 contra –, a lei foi aprovada e passou ao Senado. Esta lei é uma antiga reivindicação de feministas e partidos de esquerda. Todos os Governos democráticos se recusaram a debatê-la no Congresso: radicais, peronistas, kirchneristas. Também o de Macri. Até que neste ano o presidente abriu o caminho para sua tramitação por razões que, presumivelmente, não se relacionam com sua ideologia (diz que não a usa), e sim com motivos complexos: promover um debate de dimensões épicas capaz de ofuscar temas igualmente graves (inflação, pobreza) e se apropriar de uma agenda ainda ignorada por Governos que se disseram progressistas. Muitos dos deputados que votaram a favor se negaram repetidamente a discutir a lei quando seu partido estava no poder e lapidaram com sua indiferença quem insistia na necessidade de fazê-lo. Quando o resultado foi conhecido, apesar do gosto amargo pela presunção de que alguém havia ganhado uma aposta muito alta, eu disse, diante do meu televisor e do encanador: “Obrigado”. Repito agora. Mas não esqueço que quem tornou isto possível não foram eles.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: