Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
ANÁLISE

Ataque de Trump parece estudado para reduzir risco de represália russa

A ação, em si, não tem nenhum valor estratégico, não muda a dinâmica bélica na região, não danifica o crescente controle do regime e seus aliados russos e iranianos. Seu valor está na mensagem

Defesas antiaéreas em Damsco.
Defesas antiaéreas em Damsco. AP

O ataque dos Estados Unidos, França e Reino Unido contra o regime sírio foi superior em intensidade em relação ao lançado pelo Pentágono em abril de 2017, mas ainda assim muito limitado em objetivos e potência de fogo. Naquela ocasião, Washington disparou 59 mísseis de cruzeiro Tomahawk. Agora, os aliados lançaram pouco mais de 100 mísseis dirigidos contra três objetivos, todos eles supostamente relacionados à fabricação de armas químicas: um centro de pesquisa científica na periferia de Damasco e duas instalações a oeste de Homs.

O ataque, em si, não tem nenhum valor estratégico, não muda a dinâmica bélica na região, não danifica o crescente controle do regime e seus aliados russos e iranianos. Seu valor está na mensagem. Os aliados ocidentais querem mostrar ao mundo que mantêm sua palavra. Que se estabelecem uma linha vermelha – o uso de armas químicas –, a defendem. Tanto Trump como Macron se manifestaram nesse sentido e agora agiram de acordo com isso, ao contrário de Barack Obama em seu mandato.

Dessa forma, o ataque parece estudado para manter essa palavra, mas reduzir o risco de represália da Rússia, em primeiro lugar, e do Irã em segundo. As autoridades russas avisaram inúmeras vezes ao longo da semana passada que uma ação militar ocidental teria consequências. Também disseram que utilizariam nesse caso suas defesas antiaéreas e que até levariam em consideração atacar as fontes do ataque. Não fizeram nenhuma das duas coisas. Afirmaram que a defesa síria interceptou 71 de 103 mísseis ocidentais – dado que os atacantes obviamente desmentem –, mas que não ativaram seus próprios sistemas. A Rússia possui avançados sistemas S-400 em território sírio. Talvez tenha ficado com medo de que não funcionassem tão bem contra o armamento ocidental?

Em seu comunicado após o ataque, Putin condenou a ofensiva, mas evitou alusões a reações russas. Isso não significa que ele não esteja estudando algum tipo de resposta. Sua liderança se apoia na imagem de um chefe sem medo que enfrenta as potências mundiais. É difícil para ele aceitar essa ofensiva sem nenhuma reação. Mas também será difícil para ele divisar um ângulo adequado de resposta. Demonstrou no passado ser um homem de notável brilho tático e é possível que encontre alguma via. O ataque ocidental, tão circunscrito, foi planejado justamente para que essa reação também seja circunscrita e o comunicado de sábado faz pensar que assim será.

A contenção ocidental, além disso, tem a virtude estratégica de abrir uma clara brecha na frágil tríplice aliança da Rússia e Irã com a Turquia. Significativamente, Ancara deu sua aprovação à ofensiva, ao contrário da condenação de Moscou e Teerã.

Além das grandes palavras, da retórica áulica, e de que sem dúvida um ataque químico é uma violação da lei internacional e um ato desumano, tudo responde principalmente a uma disputa entre potências, a uma guerra de imagem no tabuleiro geopolítico mundial. A superioridade ocidental sobre a Rússia é enorme, mas a disposição a agir e sofrer dos russos – uma constante histórica renovada com Putin – redefine o equilíbrio de forças. A Rússia continuará sendo a principal referência na Síria.

MAIS INFORMAÇÕES