Regime sírio toma o controle de enclave rebelde alvo de ataque químico

Tropas russas ocupam Duma depois da retirada negociada dos insurgentes

Soldados sírios fazem o símbolo da vitória em frente a um ônibus que evacua rebeldes em Duma, nos arredores de Damasco.
Soldados sírios fazem o símbolo da vitória em frente a um ônibus que evacua rebeldes em Duma, nos arredores de Damasco.YOUSSEF BADAWI (EFE)
Mais informações

As forças do regime da Síria assumiram, nesta quinta-feira, o controle do enclave de Duma, o último reduto rebelde na periferia de Damasco. No sábado, organizações vinculadas à oposição denunciaram um ataque com armas químicas que deixou dezenas de mortos e centenas de intoxicados na localidade. O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, ONG que coleta informações na região, confirmou que as milícias do Jaish al Islam tinham entregado suas armas pesadas e que seus líderes haviam abandonado a cidade.

Membros da polícia militar russa entraram em Duma no início da madrugada cumprindo o “acordo de reconciliação” negociado com os insurgentes, que permite que sejam evacuados junto com suas famílias até os feudos da oposição no norte do país. A Rússia mantém na Síria batalhões de polícia militar integrados, em sua maioria, por soldados procedentes de repúblicas muçulmanas do Cáucaso. Essas forças foram essenciais para garantir o cumprimento dos pactos de rendição dos grupos rebeldes, como o negociado na zona leste de Aleppo em dezembro de 2016.

Os principais comandantes do Jaish al Islam em Duma, como o chefe, Isam Buwaydani, já estão no norte da província de Aleppo, área controlada pela oposição. De acordo com a informação do Observatório, milhares de combatentes e civis ainda devem ser levados em caravanas de ônibus para o norte do país.

O Ministério de Defesa russo comunicou, na primeira hora da manhã, que a bandeira síria já havia sido hasteada no centro da principal cidade da região de Ghouta Oriental, informaram agências de notícias russas citadas pela France Presse. A ofensiva das forças leais ao regime do presidente Bashar al-Assad termina após dois meses de intensos ataques e bombardeios aéreos que deixaram 1.700 mortos nas antigas zonas rebeldes.

Ghouta Oriental permaneceu quase cinco anos sob o cerco do regime. A escassez de alimentos e remédios durante esse período chegou provocar casos de morte por inanição. Em 2013, um ataque com armas químicas perto de Duma, atribuído às forças governamentais, deixou centenas de mortos. A comunidade internacional forçou o regime a entregar, para uma destruição fiscalizada, as mil toneladas de produtos tóxicos que mantinha em seu arsenal químico.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou fazer Assad pagar “um alto preço” pelo último ataque químico em Duma. Assad não demorou a responder e disse que qualquer intervenção ocidental no Oriente Médio desestabilizaria ainda mais a região. Há um ano, os EUA bombardearam com mísseis de cruzeiro uma base aérea do norte da Síria em represália contra a morte de mais de 80 civis em um ataque com gás tóxico na cidade rebelde de Khan Shaykhun.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: