Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

“O ‘Brexit’ não teria acontecido sem a Cambridge Analytica”

Principal fonte do escândalo que pôs o Facebook contra a parede explica em uma entrevista como desenhou o arsenal da ciberguerra da nova direita populista

Christopher Wylie é um personagem fascinante. Um jovem canadense vegano e gay, como ele mesmo se define, que projetou o arsenal de ciberguerra da nova extrema direita norte-americana. Cérebro da Cambridge Analytica (CA), atribui a si mesmo um papel decisivo nas vitórias de Donald Trump e do Brexit. Pôs em marcha a mais eficiente maquinaria de cultivo de dados pessoais a serviço da política. Tirou o gênio da lâmpada e agora volta a trancá-lo. Este arrependido de cabelo cor de rosa e inteligência feroz, com apenas 28 anos, decidiu enfrentar duas entidades que ninguém queria ter como inimigos: a sinistra empresa que contribuiu para criar e o todo-poderoso Facebook. É a fonte principal das informações, publicadas nos últimos dias por The Guardian e The New York Times, que puseram contra as cordas a gigante da tecnologia. No domingo concedeu uma longa entrevista a um pequeno grupo de jornalistas europeus, no escritório de advogados londrinos que o ajudam nesta delicadíssima guerra contra seu próprio passado.

Christopher Wylie posa para EL PAÍS depois da entrevista.
Christopher Wylie posa para EL PAÍS depois da entrevista.

Pergunta. Qual foi sua motivação para falar?

Resposta. Minha intenção original era expor o trabalho da Cambridge Analytica, em parte porque ajudei a criá-la e tenho uma responsabilidade. Se não for para corrigir o que já foi feito, pois há coisas que não podem ser desfeitas, pelo menos para informar as autoridades e as pessoas.

P. De tudo o que foi revelado, o que é mais grave?

R. Primeiro, o fato de que exista uma empresa que presta serviços para o setor militar e também é conselheira do presidente dos Estados Unidos. Nas democracias modernas proibimos os militares de participarem de eleições, por que permitimos que empreiteiras militares participem e atuem como conselheiras de alguns dos políticos mais importantes do mundo? Que uma empresa que tem clientes militares crie uma enorme base de dados de cidadãos, alguns deles coletados ilegalmente, gera um grave risco de apagar as fronteiras entre vigilância doméstica e pesquisa convencional de mercado. As pessoas e os legisladores precisar ficar em dia com a tecnologia e compreender o que significam de verdade essas empresas, o Facebook e outras, que ganham dinheiro com os dados pessoais. É importante que as pessoas vejam que não é algo abstrato, mas que tem impactos tangíveis.

P. Quando se deu conta de que era o momento de parar?

R. Foi se acumulando. O problema é que me perdi em minha própria curiosidade. Não é uma desculpa, mas tinha orçamentos milionários, podia fazer toda a pesquisa que quisesse. Isso era realmente atraente. Entrei em junho de 2013 como diretor de pesquisa do grupo SLC [matriz da CA] e comecei a compreender, com o passar dos meses, o que na realidade faziam. Mas você se adapta a uma cultura empresarial. Não é uma desculpa, mas é assim. Você faz mais e mais, cada passo não é muito maior que o anterior, até que, bang!, você criou uma NSA [ a Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos] privada.

P. Então saiu.

R. Saí no final de 2014. Foi um ano e meio crucial, antes não havia empresa. Foi ficando mais e mais tóxico, sobretudo porque Alexander Nix [executivo-chefe da CA] e Steve Bannon [ex-vice-presidente da CA e ex-estrategista-chefe de Donald Trump] eram difíceis. Essa liberdade para pesquisar me atraiu no começo, quando Bannon chegou se transformou em pesquisar para o que agora chamamos de direita alternativa. Bannon vinha o tempo todo a Londres, pelo menos uma vez por mês, e tínhamos uma conference call toda segunda-feira de manhã. Não houve um despertar ético repentino. Foi um entorno de trabalho tóxico.

P. Qual foi seu papel no Brexit? As últimas revelações sugerem que uma empresa de dados vinculada à CA desempenhou um papel crucial no resultado e ajudou a manipular as normas sobre gastos eleitorais.

R. Não trabalhei na campanha pelo Brexit, mas fui uma presença fantasma porque conhecia muita gente e ajudei a montar a empresa que foi posta a serviço da companha. Sabia tudo o que se passava. Eu os coloquei em contato e acompanhei o que faziam.

P. O Brexit não teria ocorrido sem a CA?

R. De modo algum. É importante porque o referendo foi ganho com menos de 2% dos votos e muito dinheiro foi gasto em publicidade na medida certa, com base em dados pessoais. Essa quantidade de dinheiro compraria milhões e milhões de impressões. Se você se dirige a um grupo pequeno, pode ser definitivo. Se você soma todos os grupos que fizeram campanha pelo Brexit, era um terço de todo o gasto. E estamos diante de algo fundamental para o modelo constitucional deste país e para o futuro da Europa. Por isso é preciso haver uma investigação sobre os indícios de que gastaram mais do que o permitido legalmente. Quem diz é alguém moderadamente eurocético. Mas as pessoas têm de poder confiar em suas instituições democráticas. Fazer trapaças é fazer trapaças. Se alguém recorre ao doping e chega em primeiro, pode ser que tivesse ganhado sem se dopar, mas a medalha é tirada dele porque enganou. A medalha é retirada porque questionou a integridade de todo o processo. Falamos da integridade de todo o processo democrático, e se trata do futuro deste país e da Europa em geral.

P. Em que outros países europeus a CA trabalhou?

R. Sei que a Itália era um projeto quando eu estava lá, mas não tenho detalhes. Não tenho referências de outros.

Christopher Wylie
Christopher Wylie, durante a entrevista

P. A ciência dos dados é perigosa para nossa sociedade?

R. Os dados são nossa nova eletricidade. São uma ferramenta. Se há uma faca na mesa, você pode fazer uma comida com estrelas Michelin ou usá-la como arma para um assassinato. Mas é o mesmo objeto. Os dados em si não são o problema, há um incrível potencial e coisas incríveis que podemos fazer com eles. mas o que a CA expôs é o fracasso, não só de nossos legisladores, mas de nós mesmos como sociedade, de impor os limites a isso.

P. A influência deles é assim tão grande? Funciona tão bem a previsão com base em dados?

R. Se você olha os últimos cinco anos de pesquisa científica de perfis psicológicos usando dados sociais, comprova que pode fazer perfis de atributos psicológicos. Não há dúvida de que pode traçar o perfil das pessoas e explorar essa informação. Que isso seja adequado em um processo democrático é algo em que as pessoas deveriam pensar. Nós estamos nos digitalizando como sociedade, e quanto mais o fazemos mais importância os dados adquirem. Temos que aceitar que os dados pessoais estão se transformando em uma parte integral da digitalização da sociedade. A questão não é evitar que dados pessoais sejam usados. A pergunta é quais são os riscos dos dados pessoais e como podemos garantir que sejam processados e administrados de um modo seguro para as pessoas.

P. Que uma campanha política seja direcionada a grupos específicos indecisos não é algo novo...

R. A diferença é quando você engana, quando cria uma realidade na medida certa para alguém, quando você se dirige a uma pessoa porque sabe que é mais suscetível de cair em teorias conspiratórias porque você obteve esse perfil dela, e a conduz a uma espiral de notícias falsas. É diferente de bater numa porta indeterminada se identificando como parte de uma campanha. Uma das coisas que fazíamos nos Estados Unidos era pesquisar essa noção de deep state e a paranoia com o Governo. Coisas como o que acontece se chegarem e levarem as suas armas. Você pode traçar o perfil de um grupo de pessoas muito receptivas a essas teorias conspiratórias, do tipo de que Obama mandou tropas para o Texas porque não está disposto a sair. Então você fabrica blogs ou sites que parecem notícias e os mostra o tempo todo às pessoas mais receptivas a esse pensamento conspiratório. Depois elas assistem à CNN e lá não há nada do que eles veem o tempo todo na Internet, e pensam que a CNN esconde alguma coisa. Começamos a pesquisa com métodos qualitativos, focus groups. Um focus group não é generalizável, mas permite reconhecer pequenos pedaços de coisas que depois você pode testar quantitativamente.

P. Qual foi a falha do Facebook em tudo isso?

R. No começo diziam que não havia infração porque os usuários consentiram que seus dados fossem usados: em algum lugar das condições de uso se dizia que os seus dados podem ser explorados por aplicativos, embora você não os estivesse usando. Uma das grandes falhas do Facebook é legalizar excessivamente suas condições de uso e se esquecer de algo tão importante: a expectativa razoável do usuário.

P. As pessoas não veem o Facebook como algo público?

R. Não há uma dicotomia entre público e privado, é um espectro. O problema é que se você diz que só é privada a comunicação de um com um outro, e tudo o mais é livre para todos, se estendermos essa lógica poderiam pôr câmeras de vigilância na sala da sua casa. Isso é o equivalente digital da sua sala. As pessoas se relacionam no Facebook como se falassem com amigos. Não estão publicando para que o mundo veja. O fato de que você não vá comprovar as condições padronizadas de privacidade não é motivo para não respeitar essa expectativa razoável de que há certo grau de privacidade no que você publica.

P. Como avalia a reação do Facebook às suas revelações?

R. Olham isto como uma questão de relações públicas. Se se importassem, teriam se sentado comigo em vez de me apagar da rede.

P. As pessoas não têm sido descuidadas demais?

R. Não é justo acusar a população de um país, isso é lavar as mãos. Se 50 milhões de pessoas fizeram isso, acho que mostra que não havia uma expectativa razoável de que isso poderia acontecer.

P. Mas a coleta de dados que foi feita não seria impossível hoje, porque o Facebook mudou?

R. Continua havendo muitas maneiras de explorá-los. Eu não especularia sobre como romper a segurança do Facebook, mas não existe essa coisa de sistema perfeito.

P. Dada a fluidez da circulação de dados, há um modo de regulá-la?

R. Deveria ser regulada do mesmo modo que um serviço público. Da mesma maneira que é impossível viver em uma sociedade moderna sem eletricidade ou água corrente, é muito difícil viver a sua vida hoje sem acesso à Internet, sem celular. Se essas plataformas são cada vez mais essenciais para o dia a dia, deveríamos olhar para elas de outro modo.

P. Não apoia o #deleteFacebook, a campanha recente para sair da rede social?

R. Não sou anti-Facebook, nem antidados nem antitecnologia. Também não sou contra as armas se forem para que os soldados protejam as pessoas. Mas uma pessoa não pode negociar individualmente uma série de condições de uso. Não é justo pedir às pessoas que entreguem absolutamente tudo a essas plataformas para se conectarem à vida moderna. Você não consegue encontrar trabalho se não tiver LinkedIn. Não pode graduar-se se não usar o Google. Não pode avançar na vida sem eles. Como a vida moderna requer o uso dessas plataformas, deveriam ter uma responsabilidade proativa de cuidado com os seus usuários.

Christopher Wylie
Christopher Wylie, ex-diretor de pesquisa da Cambridge Analytica.

P. Trump teria ganhado sem a CA?

R. Teve um papel, obviamente. Mas o enfoque do que a empresa faz para clientes não é necessariamente o correto. Não é somente o que fizeram para Trump, é o que fizeram para os Estados Unidos. Não é uma campanha, é um desenvolvimento gradual.

P. Vocês fabricaram a chamada direita alternativa?

R. Exato. Muitas das coisas que a CA faz não são para um cliente. Para Robert Mercer [coproprietário da CA e mecenas da nova direita norte-americana] não importa se é rendável ou não. Ele é bilionário, não precisa de dinheiro. Colocar 15 milhões de dólares [cerca de 50 milhões de reais] por ano em uma empresa não é nada para ele. Boa parte do trabalho era moldar narrativas que as pessoas comprariam e que tornariam mais fácil a conexão com candidatos da direita alternativa. A vantagem disso é que você pode contornar as regulamentações: você é um investidor e coloca dinheiro na sua empresa, não é uma doação política. Steve Bannon tinha uma visão para a direita alternativa. Precisava que os republicanos fossem do tradicional “não gosto dos impostos” para “Obama vai roubar minhas armas com um exército secreto”. Para dar início a uma tendência cultural primeiro você precisa dos pioneiros. Você não vai começar uma revolução da direita alternativa em San Francisco.

P. Sua especialidade era a previsão de tendências de moda. Como acabou metido até o pescoço em política?

R. É exatamente o mesmo. A política e a moda são a mesma coisa. São a expressão da identidade e do seu papel na sociedade. Você pode pensar em Trump em termos de moda. Eu o vejo como as sandálias Crocs. Sabe o que são? É uma coisa objetivamente feia. Antes de serem populares eram feias, e depois voltaram a ser. Mas quando eram populares todo mundo as usava. Para mim, Donald Trump é o mesmo que sandálias Crocs. É uma estética objetivamente horrorosa, mas as pessoas sucumbem às modas. As pessoas adotam uma estética da qual depois, quando virem as fotos no futuro, se arrependem profundamente.

MAIS INFORMAÇÕES