Fitch reduz nota do Brasil após fracasso da reforma da Previdência

Em janeiro, a Standard & Poor's já havia rebaixado a nota de "bom pagador" do país

Michel Temer durante evento em Itaguaí, Rio.
Michel Temer durante evento em Itaguaí, Rio.MAURO PIMENTEL (AFP)
Mais informações

A agência de classificação de risco financeiro Fitch reduziu nesta sexta-feira a nota de risco soberano do Brasil, de BB a BB- com perspectiva estável, depois do fracasso das negociações para a reforma da Previdência, considerada essencial para sanar os déficits públicos. A nota serve como uma baliza para grandes investidores: quanto mais baixa, mais longe o país fica de conseguir o selo de "bom pagador", o que ajuda o fluxo de investimentos e impacta em outras taxas da economia.

"A redução [da nota] do Brasil se deve a seus persistentes e amplos déficits, ao elevado e crescente peso da dívida do governo e ao fracasso para legislar com reformas que melhorem os resultados das finanças públicas", explicou a agência em um comunicado.

A Fitch questiona a viabilidade da reforma, a poucos meses das eleições presidenciais e legislativas de outubro, que ainda não têm nenhum candidato do agrado do mercado. Esse calendário "significa que a reforma da Previdência será abandonada até depois das eleições e há incerteza sobre a capacidade do próximo governo de garantir sua aprovação de forma oportuna", acrescenta. A Bovespa, que estava em alta, mudou de direção após o anúncio, e caía 0,5% no começo da tarde.

O presidente Michel Temer conseguiu impor medidas de ajuste econômico que agradaram os mercados, como o congelamento dos gastos públicos durante 20 anos e a flexibilização da legislação trabalhista, mas fracassou ao negociar a reforma Previdência. E com a decisão do Governo Federal de decretar uma intervenção federal inédita na segurança pública do Rio de Janeiro até o fim de 2018, a chance de que a votação da reforma avance ainda neste ano caiu por terra. Isso porque, enquanto a intervenção vigorar, nenhuma alteração na Constituição poderá ser feita, inclusive as propostas de emenda constitucional (PEC) como a da mudança da aposentadoria.

Em janeiro, a Standard & Poor's rebaixou a nota de crédito da dívida do Brasil de "BB" para "BB-". A agência elogiou os esforços do Governo Temer, considerado uma administração pró-receituário básico do mercado, mas disse que os resultados não são suficientes. Para a agência, não há apoio suficiente na classe política para avançar as reformas liberais que interessam ao mercado financeiro.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: