Seleccione Edição
Login

A ‘síndrome do imperador’, quando seu filho é um tirano

Dedicar pouco tempo a sua atenção e conceder caprichos são a garantia para a “síndrome do imperador”

A ‘síndrome do imperador’, quando seu filho é um tirano

O número de casos só aumenta. Em idades cada vez menores: se chama “síndrome do imperador”, e define as crianças e adolescentes que abusam de seus pais sem a menor consciência. A mãe costuma ser a primeira e principal vítima do pequeno tirano, que depois estenderá os maus-tratos a outros membros da família, a não ser que isso seja tratado, como explica o psicólogo José Antonio Ramadán. Causou alvoroço a sentença emitida no ano passado pelo Tribunal Penal número 2 de La Coruña que absolveu uma mãe acusada por seu próprio filho de 11 anos de maus-tratos por uma bofetada. Mas quais são as causas desse mal que transforma a vida familiar em um inferno?

De acordo com os especialistas, existem diferentes fatores que podem coroar um imperador em casa:

Pouca dedicação dos pais. O problema tem sua origem muitas vezes em progenitores ausentes que, para diminuir seu sentimento de culpa pelo tempo que não passam com a criança, lhe concedem todos os caprichos. Com isso transmitem à criança a mensagem de que, apesar de sua solidão afetiva, é o centro do universo e os adultos estão ali para satisfazer todas as suas exigências.

Falta de limites. Derivada frequentemente da primeira causa, se os pais não dedicam tempo suficiente à criança delegando a terceiros, também não terão tempo para educar seu filho em normas de conduta, de modo que o rei da casa sentirá que tem total impunidade. O psicólogo Javier Urra afirma que nenhuma criança nasce sendo um tirano, mas que existem pais que não agem como adultos educadores, já que “fazem todo o tipo de concessões para não ter problemas e no final o que causam é um problema”. O juiz de menores Emilio Calatayud, muito conhecido por suas sentenças educadoras a jovens conflitivos, resumiu assim essa complicada situação em uma entrevista publicada no EL PAÍS em 2006: “Demos a eles muitos direitos, mas não lhes confiamos deveres. Perdemos o princípio da autoridade. Quisemos ser amigos de nossos filhos!”.

Ser filho único. Não ter irmãos não leva necessariamente a se transformar em um mini-ditador se os pais são conscientes de sua função educativa, mas pode contribuir para que a criança se sinta um monarca solitário. É muito interessante analisar os efeitos que a política chinesa de um só filho teve na psicologia de toda uma geração. Em um artigo para o jornal britânico The Independent, o jornalista Steve Connor fala de um “exército chinês de pequenos imperadores”, fruto da superproteção do único rebento por parte de pais e avós, que querem dar-lhe os luxos e privilégios que a eles foram negados. Isso, somado ao aumento da renda per capita das famílias, multiplicou os “pequenos tiranos” até limites imprevistos. Connor afirma que as crianças chinesas atuais são “menos altruístas e confiantes, mais tímidas, menos competitivas, mais pessimistas e menos atenciosas com os demais”.

A ‘síndrome do imperador’, quando seu filho é um tirano

Com exceção dos transtornos psiquiátricos, a síndrome do imperador é produto de uma disfunção educativa que pode ser corrigida. O psicólogo Vicente Garrido, autor do livro Os Filhos Tiranos, propõe três caminhos de atuação:

Fomentar o desenvolvimento da inteligência emocional e a consciência. Para isso, os pais devem ajudar seus filhos a reconhecer suas emoções e as dos demais, incidindo na empatia e convidando-os a praticar ações altruístas para que vejam seu efeito nos demais.

Ensiná-las a cultivar habilidades não violentas. Em uma casa em que os adultos gritam e ameaçam, dificilmente conseguiremos que as crianças se comuniquem de maneira sossegada. Os progenitores devem dar o exemplo e praticar com elas o diálogo respeitoso e a escuta.

Muitas vezes os pais hesitam por medo de que a bronca nos seus filhos seja exagerada. A solução passa por fixar limites

Colocar barreiras claras. Os pais não devem tolerar a violência e a mentira. Essas são linhas vermelhas que a criança deve saber que não pode cruzar, por mais estratégias que use para nos testar.

A pedagoga Montse Domènech declara sobre isso: “Os limites conferem segurança às crianças, que sentem-se perdidas se não existem pautas de conduta em casa. Os pais precisam tomar a autoridade e não ceder nas tentativas da criança de conseguir o que quer”. Domènech, autora de numerosos livros sobre crianças e adolescentes, afiram que muitas vezes os pais hesitam por medo de que a bronca seja exagerada. A solução, segundo ela, passa por explicar os limites e reforçar os aspectos positivos da criança. A clareza nessas barreiras, o reforço positivo e, principalmente, dedicar-lhes nosso tempo lhes dará a segurança para desenvolverem-se como pessoas autônomas e felizes.

A chegada do ‘poderoso chefinho’

— O estúdio de animação DreamWorks lançou no ano passado o filme O Poderoso Chefinho. A história narra como um garoto de sete anos é destronado por seu irmão mais novo, o novo rei da casa. Tim Templeton goza o fato de ser o centro da atenção de seus pais até a chegada do bebê, que se dedicará a impor sua lei.

— Esse filme mostra muito bem como se sente uma criança diante da chegada de um irmão. O mais velho pode acreditar que lhe roubaram o amor e o tempo dos progenitores. Perde parte da autonomia conseguida e se “torna mais novo” para tentar chamar a atenção, mesmo sendo através da repreensão.

MAIS INFORMAÇÕES