Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Ambulância-bomba explode no Afeganistão e deixa ao menos 63 mortos e 151 feridos

O coordenador da ONG italiana Emergency, que atende 50 feridos em seu hospital, fala em "massacre"

Dois homens ajudam um ferido após o atentado.

Uma potente bomba, instalada em uma ambulância, explodiu nesta manhã em uma zona povoada do centro de Cabul, nas proximidades de um posto policial situado nas imediações do bairro diplomático da capital afegã. O balanço de vítimas não para de aumentar e já está, de acordo com o Ministério da Saúde afegão, em pelo menos 63 mortos e 151 feridos. Este ataque acontece uma semana depois do brutal atentado contra o Hotel Intercontinental, no qual morreram 40 pessoas.

O Talibã, responsável pelo atentado no hotel, também reivindicou a autoria deste ataque. Seu porta-voz disse, na rede social Telegram, que "um mártir com um carro-bomba alcançou o primeiro ponto de controle próximo ao Ministério do Interior", e acrescentou que, no momento da explosão, havia uma grande concentração de policiais na região.

Em um primeiro momento, o Ministério da Saúde informou que o atentado, ouvido em grande parte da capital, havia deixado ao menos 18 feridos. "Até agora, 18 civis feridos foram transportados para os hospitais de Cabul", disse um porta-voz do ministério, Waheed Majroh, à agência de notícias AFP.

Posteriormente, outro porta-voz do mesmo ministério, Ismail Kawosi, indicou à Efe que "até agora 31 feridos" foram levados ao Hospital de Emergências de Cabul, embora se espere que o número de vítimas aumente. Por outro lado, a ONG italiana Emergency informou que atendia 50 feridos em seu hospital, e o coordenador da entidade, Dejan Panic, caracterizou o atentado como um "massacre". Depois, disseram que sete mortos e 70 feridos foram transportados para o seu hospital.

A emissora Tolo News, citando o Ministério da Saúde afegão, elevou a contagem para 75 feridos, enquanto as agências Efe e Reuters, com dados de funcionários desse mesmo departamento, informavam que o balanço era de 17 mortos e 110 feridos, embora houvesse o medo de que o número total poderia aumentar porque continuavam chegando vítimas aos hospitais. E foi o que aconteceu. As agências internacionais já falam de 40 mortos e 140 feridos. Uma hora depois, voltou a subir para 63 mortos e 151 feridos. Este balanço continua sendo "provisório".

A explosão aconteceu por volta das 12h45 horário local (6h15 em Brasília). O porta-voz do Ministério do Interior, Nasrat Rahimi, confirmou à AFP que a explosão foi causada por uma ambulância-bomba. Mirwais Yasini, um deputado que estava próximo do local do ataque, explicou que a ambulância se aproximou do posto de controle, situado na praça de Sadarat, e explodiu. O deputado disse que viu várias pessoas deitadas no chão.

O veículo explodiu em frente às portas da antiga sede do Ministério do Interior, perto de instalações do Diretório Nacional de Segurança (NDS), a principal agência de inteligência do Afeganistão, e nas imediações do bairro diplomático da capital afegã, onde ficam embaixadas estrangeiras, assim como diversas sedes de instituições do Governo.

Trata-se de uma área muito povoada, rodeada de escolas, lojas e restaurantes. Além disso, sábado é dia útil no Afeganistão, e as ruas estavam lotadas.

MAIS INFORMAÇÕES