A Hungria ultraconservadora elege George Soros como inimigo

O primeiro-ministro Viktor Orbán promove campanhas contra o magnata, que financia organizações de valores liberais e progressistas pelo mundo

Cartaz da consulta contra George Soros do Governo húngaro próximo a Budapeste
Cartaz da consulta contra George Soros do Governo húngaro próximo a BudapesteSaúl Ruiz

Tibor Kovacs viveu ao lado de um conspirador. Era somente uma criança quando morava em um apartamento de pé direito alto, vizinho à residência da família Soros. Lá, no bairro de Lipotvaros, em Budapeste, também cresceu Gyorgy Schwartz, que mais tarde mudaria seu sobrenome para Soros para esconder suas raízes judaicas durante a ocupação nazista, e que hoje é considerado pelo Governo húngaro como inimigo numero um do Estado. O “responsável”, afirmam, por colocar o país sob o foco das instituições da União Europeia e de tentar “minar” sua estabilidade. O “culpado” pela crise migratória que balançou a Europa, resume Kovacs, de 75 anos, um homem de rosto afilado e língua ainda mais afilada. “George Soros não é húngaro, nasceu aqui como poderia ter nascido em outro lugar; se o fosse não colocaria em risco nossa herança e nossas tradições mandando para cá milhares de refugiados muçulmanos”, diz esse funcionário público aposentado.

Mais informações

Kovacs não tem nenhuma imagem nítida do Soros criança e adolescente. Também não quer procurá-las. Talvez o fizesse na época em que George Soros, multimilionário e filantropo, era um herói para o partido com o qual simpatiza, o Fidesz, e para seu líder, o primeiro-ministro nacionalista Viktor Orbán. Mas hoje é considerado um vilão. O magnata dedica uma enorme parte de sua imensa fortuna promovendo, através da Open Society Foundations, os valores liberais e progressistas, respaldando projetos educacionais e de fortalecimento da sociedade civil em todo o planeta – também na Hungria. Uma doutrina radicalmente diferente da do ultraconservador e cada vez mais eurófobo Orbán, que defende a ideia de uma “democracia liberal” semelhante à da Rússia, China e Turquia e acusa Soros de usar essa rede para o que chamou de Plano Soros para “inundar” a Europa com um milhão de imigrantes por ano e destruir a “cultura cristã” do continente.

Mas o político, de 54 anos, e o milionário, de 86, nem sempre foram antagonistas. Em 1990, quando Orbán era um jovem de cabelo comprido e passional discurso anticomunista, recebeu uma das bolsas do fundo de Soros para estudar em Oxford. Naquela época, a Open Society Foundations, além das ajudas de estudo, alimentava organizações civis e grupos da imprensa em uma Hungria que acabava de derrubar a ditadura comunista e tentava cimentar a recém-inaugurada democracia em que Orbán debutava.

As coisas mudam. E apesar do multimilionário viver nos Estados Unidos há décadas, o primeiro-ministro parece considerar Soros, que ficou rico graças à especulação, seu verdadeiro opositor. O populista Orbán transformou em alvos o magnata e seus projetos na Hungria. Primeiro aprovou uma lei que procura diminuir a influência das ONGs financiadas com capital estrangeiro, muitas delas e muito importantes alimentadas com fundos de Soros. Depois, tentou forçar o fechamento da Central European University de Budapeste, uma prestigiosa instituição educacional liberal que também bebe do capital do filantropo.

Agora, em mais um capítulo do embate, o primeiro-ministro húngaro mobilizou as agências de inteligência para desmascarar o magnata. “A rede Soros, que luta para influenciar na vida europeia, deve ser exposta”, frisou o mandatário, que recebeu vários alertas de atenção da Comissão Europeia por seu viés autoritário.

A última ladainha não ficou sem resposta do filantropo, que acusou o Governo húngaro de ser um “Estado mafioso”. Soros, que denunciou que a campanha contra ele exala um “inconfundível fedor antissemita”, afirma que Orbán procura assinalá-lo como inimigo exterior para distrair a população sobre as eleições de março, em que o ultraconservador concorre a um terceiro mandato consecutivo.

Há alguns anos o milionário é parte central do discurso político de Orbán. O carismático político cresce no confronto e costuma procurar um inimigo. Primeiro foi a oposição húngara. Depois o FMI. Mais tarde a burocracia de Bruxelas e a política migratória comum, que exalta os ânimos nacionalistas do país, que blindou suas fronteiras e se transformou no estandarte contra o plano de cotas da UE.

Agora esse contendedor é George Soros. “É um inimigo confortável, e não o é somente para Orbán, países do Leste lançam cada vez mais ataques. Putin começou na Rússia, mas foi seguido pela Macedônia, Sérvia, Eslováquia, Bulgária e até mesmo a Romênia. Afirmam que a influência de Soros pode destruir seu poder político”, diz a especialista Alina Raileanu. “Não podemos esquecer que fez grande parte de sua riqueza com a especulação monetária, de modo que o primeiro-ministro húngaro, como o restante, explora o discurso sobre uma conspiração das elites financeiras”, ressalta.

Campanha contra o magnata

Na Hungria, além de medidas legislativas para tentar diminuir sua influência, o Governo e o Fidesz (membro do Partido Popular Europeu) construíram uma campanha publicitária contra o magnata. “Distribuíram centenas de exemplares de um polêmico livro sobre ele e espalharam cartazes com sua imagem pelo país”, diz com desgosto Mercedes Zcako, uma jovem loira e alta que acaba de se formar em Sociologia em Budapeste e que afirma sentir “vergonha” pelo caminho tomado por seu país.

“A população, especialmente fora das principais cidades, está mais preocupada com essa suposta conspiração e por refugiados que não chegarão do que com o fato de que o Governo tomou o controle da imprensa; reformulou a Constituição para amealhar mais poder; e instaurou o fisiologismo e a corrupção. O país não está mal economicamente, de modo que as pessoas pensam que todo o resto não importa”, é a opinião corrente em uma cafeteria vintage do centro de Budapeste cheia de jovens com barba hipster e cachecóis de lã.

O Governo deu mais um passo e há meses convocou uma consulta pública contra o que chama de Plano Soros. Convidou a população a participar e pronunciar-se contra Soros. O recebimento de respostas terminou em dezembro. O Governo afirma que mais de dois milhões de húngaros participaram (o país tem mais de nove milhões de habitantes). Mas ainda não publicou o resultado. Também não esclareceu o que fará com ele.

No quartel-general da Open Society Foundations em Budapeste, Goran Buldioski, diretor da instituição para a Europa, critica as manobras de Orbán para demolir qualquer organização que se oponha a sua narrativa. “Está atacando alguém que não é um inimigo do Estado, que não está fazendo campanha política, que não está na oposição”, indigna-se Buldioski em seu escritório, um ambiente simples que possui uma pequena cesta de basquete. Buldioski, alto e com óculos sofisticados, lamenta que a “perseguição” do Governo cause danos graves no setor do ativismo e das organizações de direitos civis da Hungria.

A fundação de Soros dedicou em 2016 3,6 milhões de euros (14 milhões de reais) a projetos e apoios a ONGs. “Agora, qualquer entidade independente contrária à ideologia de Orbán é alvo de seus ataques. Eles estão nos estigmatizando e pintando como traidores da nação. Estamos em um Estado autoritário, um Estado autoritário dentro da UE", lamenta.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50