Seleccione Edição
Login

Por que o Spotify não ganha dinheiro? Futuro do serviço musical estará em jogo em 2018

Empresa estreará na Bolsa de NY com a esperança de ter usuários suficientes para compensar o alto custos dos direitos autorais

Por que o Spotify não ganha dinheiro? Futuro do serviço musical estará em jogo em 2018

Lançado em 2008 pelos suecos Daniel Ek e Martin Lorentzon, o Spotify se transformou no serviço de conteúdo por streaming mais popular do mundo. Através de seus aplicativos para celular e computador, a empresa oferece um extenso catálogo de músicas a seus assinantes, de forma paga ou gratuita com a presença de anúncios. A companhia está perto de ingressar na Bolsa de Nova York, aparentemente mediante uma listagem direta de ações, após assegurar acordos de licença com as três principais gravadoras. Mas o custo dos direitos que paga pelas músicas continua sendo muito elevado, e a capacidade da empresa para começar a ganhar dinheiro segue em dúvida.

O serviço, que já conta com mais de 140 milhões de usuários, dos quais 60 milhões são assinantes pagos, opera em mais de 60 países e foi peça fundamental para que as receitas da indústria musical voltassem a crescer após décadas de prejuízos devido à pirataria e à sua incapacidade de renovar-se ante o novo panorama apresentado pela Internet.

Thom Yorke, vocalista do grupo britânico Radiohead, disse que o Spotify é “o último suspiro da velha indústria musical”. Mas o mercado cresceu 5,9% em 2016, algo inédito desde 1997, graças a um crescimento de 60% no faturamento oriundo das plataformas de streaming. Nos Estados Unidos, o faturamento por streaming superou pela primeira vez a venda de discos, e se espera um crescimento de 48% em 2017 em comparação com 2016. O futuro da indústria musical está ligado, sem qualquer sombra de dúvida, ao Spotify.

Mas o próprio futuro da startup sueca é incerto. Em 2016 a empresa faturou 2,9 bilhões de euros. Mas 2,5 bilhões se foram em pagamentos a gravadoras, deixando muito pouca margem para investir em desenvolvimento de produto e marketing. Após descontar os gastos, o Spotify teve prejuízo de 350 milhões de euros.

Seu impacto na indústria e suas receitas crescem, mas seu modelo de negócio ainda não evoluiu, e desde sua origem oferece uma versão gratuita e uma paga, que é a que sustenta principalmente o serviço. As gravadoras e os artistas não gostam que o público tenha acesso a suas músicas de forma gratuita, e as disputas do passado ressurgiram por esse motivo. Para a indústria da música é uma forma de desvalorizar seu trabalho, mas para Ek é uma peça vital. “Nosso serviço gratuito fomenta nosso serviço pago”, escreveu o fundador do Spotify em resposta à cantora Taylor Swift, que disse não querer deixar seu trabalho nas mãos de pessoas que estão fazendo “experiências”. Apesar de ser sueco, o Spotify tem DNA do Vale do Silício, e sempre defendeu a expansão através de seu serviço gratuito.

Os serviços de streaming são responsáveis por entre 70% e 72,5% das receitas das gravadoras, segundo a Billboard. Por esse motivo as contas do Spotify continuam sem fechar apesar de seu crescimento vertiginoso. Mas a fórmula pode funcionar no futuro, uma vez que os ganhos das gravadoras aumentam no mesmo ritmo que os dos serviços de distribuição por streaming.

A companhia ainda goza de uma grande margem de crescimento graças à expansão dos smartphones nos mercados emergentes, à oferta em conexões sem fio e a seu intercâmbio de ações com a Tencent Music. Chegará um momento em que sua base de usuários pagos será uma fatia grande demais do bolo para as três grandes gravadoras que dominam a indústria, e o Spotify poderá renegociar o custo das licenças. Algo que já fez em 2017 ante a esperada entrada na Bolsa, ao reduzir o custo dos direitos em troca de oferecer maior flexibilidade aos selos discográficos para limitar a oferta de certos trabalhos apenas aos usuários do serviço pago durante um curto prazo de tempo.

Rivais como o Apple Music não impactaram em seu crescimento, pelo contrário. O número de assinantes disparou, e ambos os serviços crescem rapidamente apesar de seus catálogos e ofertas serem parecidos.

Os investidores não avaliam o Spotify como um simples serviço de distribuição. A companhia conta com dados muito valiosos que podem ser rentabilizados no futuro, como os gostos musicais por geografia e idade, quando for planejar mudanças ou se transformar em uma via voltada à divulgação de novos trabalhos ou artistas emergentes para as grandes gravadoras. Os usuários não apenas valorizam o catálogo e o preço. Cada vez dão mais importância a funções como a descoberta da música semanal ou a criação de listas personalizadas.

O Spotify pode se transformar em uma plataforma crucial na indústria que harmonize e melhore a relação entre artistas, gravadoras e fãs. Ainda que seja lógico duvidar de sua rentabilidade a curto prazo, suas possibilidades de crescimento são enormes, e com uma maior base de usuários pagos poderá renegociar os custos de direitos autorais.

MAIS INFORMAÇÕES