Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
MET

Metropolitan de Nova York se recusa a remover quadro com jovem em posição sugestiva

Petição contava com 8.700 assinaturas para retirar obra 'Teresa sonhando', de Balthus.

MET defendeu permanência da obra: “Acreditamos no respeito pela expressão criativa”

'Teresa sonhando', de Balthus.
'Teresa sonhando' (1938), de Balthus.

O museu Metropolitan de Nova York (Met) resiste. Explica que sua missão é colecionar, estudar, preservar e apresentar obras que conectam as pessoas com a criatividade, o conhecimento e as ideias. E com esse argumento rejeita veementemente uma petição para que remova de suas galerias uma pintura de Balthus (Balthasar Klossowski - Paris, 1908 – Rossinière, Suíça, 2001) na qual uma menina aparece em uma pose sugestiva. As artes visuais, segundo o museu, são um meio para a reflexão.

A obra do artista franco-polonês se chama Teresa Sonhando e data de 1938. A protagonista está recostada em uma cadeira, com uma perna levantada e mostrando sua calcinha. É um quadro que irradia luz própria e pureza. Ao observá-lo, é possível sentir a placidez da jovem em seu sono. A pintura é conhecida justamente pela maneira como capta a inocência da pré-adolescência.

A petição contava com 8.700 assinaturas até o momento em que o Met se pronunciou para contê-la. Aqueles que deram origem ao documento querem aproveitar a polêmica gerada pela onda de denúncias de assédio sexual contra personalidades relevantes da cultura para se fazer escutar. Mia Merrill, em uma carta dirigida ao museu, descreveu como “perturbador” o fato de se exibir uma pintura que romantiza a sexualização infantil. “O Met, talvez sem intenção, está apoiando o voyeurismo e a objetificação das crianças”, denuncia a autora da petição. A diretoria do museu responde que sua coleção reúne obras importantes que representam todas as culturas e todas as eras. Além disso, entende que momentos como o que se vive agora nos Estados Unidos oferecem uma oportunidade para que se abra um diálogo.

A petição foi lançada em 30 de novembro por essa moradora de Nova York e tinha como objetivo recolher 9.000 assinaturas. O Met não só se nega a retirar o quadro como, por enquanto, se recusa a modificar sua descrição para fazer uma ressalva solicitada pelo abaixo-assinado. A própria explicação da obra destaca que a protagonista, Thérèse Blanchard, tinha 12 ou 13 anos quando o quadro foi pintado.

As artes visuais são um dos meios mais importantes que temos para refletir ao mesmo tempo sobre o passado e o presente, e esperamos motivar a contínua evolução da cultura atual através de uma discussão informada e que respeite a expressão criativa”, afirma o comunicado exibido pelo museu. A pintura já foi exposta há quatro anos pelo Met em uma retrospectiva da obra de Balthus.

Na época, o museu alertou os visitantes de que alguns quadros poderiam causar ofensa ao público. A autora da petição esclarece que não pede a destruição do quadro. “Só peço que eles sejam mais conscientes da maneira como têm de contextualizar as obras”, explicou ela, em um comentário nas redes sociais. “Considerarei essa petição um êxito se o museu incluir uma pequena mensagem dizendo que o quadro pode ser considerado ofensivo”.

A pintura pertencia à coleção particular de Jacques e Natasha Gelman, doada ao Met em 1998. A obra original foi comprada pelo casal da galeria Pierre Matisse, em Nova York, em 1979. O quadro já foi exibido em galerias e museus dos Estados Unidos, da Europa, da América Latina e da Ásia. Críticos de arte destacam nele o caráter místico da obra de Balthus.

MAIS INFORMAÇÕES