Desaceleração econômica da América Latina põe em risco a redução da desigualdade salarial

Estudo do Banco Mundial observa que a educação e os avanços tecnológicos são cruciais para conter as desigualdades

Comuna 13, uma das áreas mais pobres de Medellín, Colômbia.
Comuna 13, uma das áreas mais pobres de Medellín, Colômbia.Ul Arboleda (AFP)

Mais informações

A desigualdade salarial na América Latina, minimizada durante a primeira década do século XXI, poderia aumentar em consequência da parada no crescimento econômico na região, segundo constata um relatório do Banco Mundial publicado nesta terça-feira. O estudo, intitulado Desigualdade de Renda na América Latina. Compreendendo o Passado para Preparar o Futuro, confirma a liderança dos países sul-americanos na redução da desigualdade em nível mundial e estabelece que as melhoras na educação e os avanços tecnológicos serão cruciais para manter a trajetória.

Durante os primeiros dez anos deste século, 16 dos 17 países latino-americanos – todos, exceto a Costa Rica – reduziram o fosso salarial entre empregados de diferentes setores e níveis profissionais. “A cifra caiu dramaticamente e continua baixando nos dias de hoje. A América do Sul reduziu as desigualdades mais que a América Central, mas foi uma tendência regional e única no mundo”, afirmou Joana Silva, economista principal da agência para a América latina e o Caribe no Banco Mundial, e uma das autoras do relatório.

“Entre ouros fatores, diminui a diferença entre os salários de pessoas com maior e menor nível educacional, a educação melhorou e foram equiparados os salários entre empresas para funcionários do mesmo nível”, afirma Silva. Nenhum país em específico liderou a tendência. Trata-se de um avanço em conjunto.

O crescimento econômico mundial da época também foi um importante fator. Mas a maioria das nações no mundo se expandiu à custa de maiores desigualdades. Nos países da OCDE, o fosso salarial aumentou progressivamente, com nações tradicionalmente equitativas, como Suécia e Dinamarca, liderando os indicadores, segundo uma análise da organização.

A desaceleração atual põe em dúvida se o êxito dos Governos latino-americanos pode ser mantido. “A desigualdade continua se reduzindo, mas a um ritmo mais lento desde 2011. Um menor crescimento poderia tornar mais lenta a redução do fosso salarial”, diz Silva. O estancamento das economias, afirma, vai requerer que os Governos empreguem mais recursos na expansão da educação e geração de empregos para evitar perder o progresso dos últimos anos.