Terremotos

Terremoto de magnitude 7,3 na fronteira entre Iraque e Irã deixa mais de 300 mortos

O epicentro foi a 32 quilômetros da cidade de Halabjah, administrada pelo Governo regional do Curdistão

Edifício em escombros após o terremoto em Sarpol-e Zahab (Irã).
Edifício em escombros após o terremoto em Sarpol-e Zahab (Irã).Pouria Pakizeh / AP
Agências|A.M.
Iraque / Istambul - 13 nov 2017 - 17:29 UTC

Mais informações

Um terremoto de magnitude 7,3 na escala Richter sacudiu no domingo a montanhosa fronteira entre Irã e Iraque, na região autônoma do Curdistão, segundo informou o Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS). O sismo, ocorrido às 21h18 hora local (15h18 em Brasília), deixou mais de 300 mortos e 2.800 feridos, a grande maioria do lado iraniano. As equipes de resgate estão trabalhando para retirar sobreviventes dos escombros. Segundo a imprensa iraniana, uma mulher e um bebê foram resgatados com vida na manhã de segunda-feira.

O tremor deixou pelo menos 328 mortos e mais de 2.500 feridos na província de Kermanshah, no oeste do Irã, de acordo com o último balanço oficial divulgado pela televisão estatal. No lado iraquiano, as autoridades da região semiautônoma do Curdistão contaram oito mortos e 321 feridos, informou a rede de televisão curda Rudaw.

Na tarde de segunda-feira, a USGS e a agência homóloga iraniana determinaram o epicentro a 50 quilômetros ao norte de Sarpol-e Zahab, a cidade mais afetada pelo sismo, onde morreram 236 pessoas. A televisão estatal mostrou imagens de edifícios de cinco ou seis andares sem fachadas, mas cujas estruturas e pisos resistiram ao tremor.

O aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã, pediu que o Governo e as forças de segurança mobilizem “todos os seus recursos” para ajudar a população. O terremoto foi sentido em todas as províncias do Iraque e no Qatar. A capital, Bagdá, tremeu por 20 segundos. Imagens publicadas em redes sociais mostram danos materiais consideráveis em alguns estabelecimentos, como um supermercado em Halajba, com vidros quebrados e várias prateleiras no chão.

No Irã, pelo menos oito aldeias foram afetadas. “O terremoto foi sentido em várias províncias iranianas próximas à fronteira com o Iraque. Oito aldeias foram danificadas. Algumas ficaram sem eletricidade. Equipes de resgate foram enviadas a essas áreas”, informou a televisão iraniana. Os danos às linhas de fornecimento de água e eletricidade cortaram o abastecimento em aldeias e cidades de Kermanshah. Muitas casas na zona rural dessa província iraniana são feitas de adobe e desmoronam facilmente quando há catástrofes naturais desse tipo.

Depois do terremoto, a população se aglomerou nas ruas devido ao risco de réplicas, segundo um funcionário local do Crescente Vermelho. O site do Instituto de Geofísica da Universidade de Teerã informa que o terremoto foi seguido de centenas de tremores, os mais fortes de magnitude 4,7.

Irã e Iraque estão situados em uma região com várias falhas geológicas, onde os terremotos são relativamente frequentes. O sismo mais grave dos últimos anos foi o de 2003 em Bam, no sudeste do Irã, que provocou 31.000 mortes.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50