Argentina

Detido por corrupção Amado Boudou, ex-vice-presidente de Cristina Kirchner

Juiz entende que se o político estiver livre pode obstruir uma investigação por enriquecimento ilícito

Ex-vice-presidente Amado Boudou
Ex-vice-presidente Amado BoudouTelam

Mais informações

O triunfo eleitoral há apenas 12 dias dos candidatos de Mauricio Macri ao Congresso precipitou o calvário judicial do kirchnerismo. Três dias depois das eleições, um juiz ordenou a prisão sem fiança do ex-ministro Julio De Vido, o homem que durante 12 anos manejou o orçamento das obras públicas no ministério do Planejamento. No dia seguinte, outro juiz convocou para declarações a ex-presidenta Cristina Fernández de Kirchner em outra causa. Hoje foi a vez de Amado Boudou, vice-presidente durante o segundo mandato presidencial de Kirchner. A polícia deteve Boudou em sua casa de Puerto Madero, um bairro de classe alta de Buenos Aires, por ordem do juiz Ariel Lijo, que o investiga por suposto enriquecimento ilícito. Com ele também acabou preso José Nuñez Carmona, um homem acusado de agir como testa de ferro do ex-vice-presidente na compra da gráfica Ciccone, dedicada à impressão de papel-moeda.

O juiz Lijo deteve Boudou sem direito a fiança porque suspeita que possa usar seus contatos políticos para obstruir a investigação. O mesmo magistrado já o havia processado em 2014, quando Boudou era vice-presidente em exercício, no chamado caso Ciccone. Mas seu cargo lhe dava direito a foro privilegiado e a causa não prosperou o suficiente. Tudo mudou com a chegada de Macri à presidência. A investigação foi acelerada e Boudou acabou preso.

Boudou é acusado de se enriquecer com a compra da Ciccone Calcográfica por meio de uma operação que supostamente fez figurar como responsabilidade de terceiros. No momento da operação, Boudou era ministro da Economia de Cristina Kirchner e a Ciccone tinha contratos milionários para a impressão de dinheiro. Nessa época, a Casa da Moeda não dava conta do serviço e o Governo apelou a empresas privadas de impressão, inclusive fora do país.

“A associação [entre Boudou e seus supostos testas de ferro] levou a cabo seus desígnios criminosos pelo menos desde o início de agosto de 2009, momento em que Amado Boudou assumiu o cargo de ministro da Economia da Nação, até o mês de dezembro de 2015, quando encerrou seu mandato como vice-presidente”, diz a resolução do juiz. O advogado do ex-vice-presidente, Eduardo Durañona, disse estar “surpreso” com a prisão. “Sempre estivemos à disposição”, declarou ao canal de notícias C5N.

As suspeitas da Justiça começaram quando Boudou não pôde justificar um empréstimo de 80.000 dólares (265.000 reais) que fez à sua companheira na época, a jornalista Agustina Kämpfer, para a compra de um apartamento. O promotor Jorge Di Lello, encarregado do caso, disse que o vice-presidente não pôde justificar a origem do dinheiro. “Existem elementos de acusação suficientes que permitem presumir em princípio que Amado Boudou se enriqueceu patrimonialmente de modo injustificado durante o exercício de função pública”, escreve ao juiz Lijo. Para justificar a figura da associação ilícita, que é a que permitiu a detenção de Boudou, Di Lello disse que “se observam indícios de uma engenharia orientada a obscurecer a origem dos fundos com os quais se realizavam compras, se adquiriam bens e ações, procurando mostrar uma capacidade econômica prévia que justificasse as operações realizadas posteriormente”.

Boudou não é um político nascido das bases do peronismo, mas conseguiu uma ascensão vertiginosa na estrutura de poder kirchnerista. Iniciou sua carreira na ANSES, a agência que administra o dinheiro do sistema de aposentadorias, e depois de uma passagem por um cargo menor em um município de Buenos Aires, saltou ao ministério da Economia. A seu cargo esteve a nacionalização do sistema de aposentadoria privada (AFJP) que Carlos Menem tinha criado nos anos 90. Em 2009, e com 47 anos, se tornou o companheiro de chapa de Cristina Kirchner para a reeleição. A dupla alcançou 54% dos votos, o maior ganho eleitoral alcançado pelo kirchnerismo.

O vice-presidente na Argentina se limita a presidir o Senado. Sem peso político algum, a estrela de Boudou foi se apagando enquanto as causas judiciais aumentavam. A mais grave é o processo da Ciccone, o mesmo que nesta sexta-feira o levou à prisão, mas em algum momento chegou a somar 54, desde acumulação de infrações de trânsito (110 por excesso de velocidade) até o uso indevido de um helicóptero do Estado para viagens com fins políticos.

Nas revistas

Amante das motos Harley Davidson e do rock (era comum vê-lo num palco atrás de uma guitarra), seu estilo de vida o encontrou mais propenso aparecer nas páginas de revistas de celebridades do que nas de política. Seu romance mais divulgado foi com Kämpfer, a mulher a quem Boudou emprestou dinheiro que não pôde justificar. Agora, espera gêmeos da ex-deputada mexicana Mónica de la Fuente, do partido Verde Ecologista, um romance que o levou várias vezes a viajar para fora do país, pelo menos enquanto o juiz lhe permitiu.

Os problemas judiciais distanciaram pouco a pouco Boudou da primeira linha da política. E rapidamente, também, o afastaram de Cristina Kirchner. A relação se rompeu a ponto de a senadora eleita ainda não ter dito nada sobre a detenção daquele que foi, certa vez, seu sucessor político.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50