72ª Assembleia Geral da ONU

Trump critica ONU um dia antes de seu primeiro discurso na Assembleia Geral

Presidente dos EUA enfatiza que a entidade não produz resultados compatíveis com recursos que recebe

Donald Trump na chegada às Nações Unidas.
Donald Trump na chegada às Nações Unidas.BRENDAN MCDERMID (REUTERS)

Donald Trump chegou e já atacou. Em sua estreia diante da ONU, na antessala que recebe a partir desta terça-feira a 72ª Assembleia Geral das Nações Unidas, o presidente norte-americano criticou sem compaixão a organização multilateral. Na reunião que presidiu, dedicada a melhorar a eficiência das Nações Unidas, o republicano defendeu que o trabalho da ONU “se concentre mais nas pessoas”, para atingir seu "grade potencial".  Consciente, porém, do papel chave que a ONU desempenha nos planos da EUA em pressionar a Coreia do Norte, Trump tentou se apresentar como mais que um líder, mas como um empresário cansado do desperdício, preocupado em centrar-se nos resultados, não nos procedimentos. Aumentando assim a expectativa do mundo pelo primeiro discurso de Trump no evento que reúne líderes de 193 países.

MAIS INFORMAÇÕES

Os Estados Unidos são os principais contribuintes da ONU. Donald Trump ameaçou submeter o orçamento da instituição a sérios cortes, que começam a tomar forma com uma primeira redução de 600 milhões de dólares (1,9 bilhão de reais) nos recursos para as missões de paz. Em sua intervenção o presidente reconheceu que o órgão está fundado sobre os “princípios nobres” da paz, da segurança e do desenvolvimento.

Consciente, porém, do papel chave que a ONU desempenha nos planos da EUA em pressionar a Coreia do Norte, Trump tentou se apresentar como mais que um líder, mas como um empresário cansado do desperdício. Trump considera que a ONU não está alcançando seu pleno potencial por culpa da burocracia e da má gestão. “Não vemos resultados compatíveis com seus investimentos”, lamentou, por isso considerou que a entidade tem de dar passos rápidos para “ganhar a confiança das pessoas”. “Precisa centrar-se nos resultados mais do que nos procedimentos”, reiterou.

António Guterres, que também debuta, como secretário-geral, já advertira no passado que essas reduções poderiam criar “problemas insuperáveis”. Donald Trump tratou, porém, de apresentá-lo como sócio em sua empreitada para fazer da ONU uma instituição mais eficaz e robusta, ao incentivá-lo “a que use plenamente sua autoridade para cortar a burocracia e reformar um sistema bizantino”.

Até o momento, 128 países subscreveram uma declaração não vinculante na qual se apoia a reforma liderada por Guterres. A Espanha se encontra entre os signatários. No entanto, Rússia e França têm dúvidas sobre o texto proposto pelos EUA. Temem que se concentre demais na redução de custos em lugar da adoção de melhorias para aperfeiçoar o rendimento da entidade.

A declaração, de uma página e resumida em dez pontos, apoia uma reforma robusta, eficaz e ampla da organização para que possa exercer seu mandato. O texto destaca, por exemplo, a necessidade de elevar a transparência e a previsibilidade do orçamento, cita o compromisso de reduzir duplicidades, redundâncias e sobreposições, e defende a paridade de gênero e a diversidade geográfica do pessoal.

Guterres admitiu que a burocracia também lhe tira o sono. Falou de uma estrutura fragmentada e de procedimentos que às vezes se tornam “intermináveis”. “Às vezes me pergunto se houve uma conspiração quando foram elaboradas as regras, para nos tornar ineficientes”, reconheceu. Mas reiterou que a ONU tem de seguir contando com recursos para servir os mais vulneráveis.

Prévia

O ato serviu de prévia ao discurso diante do plenário da Assembleia. A expectativa é grande para ver como Donald Trump articula a doutrina da América em primeiro lugar e seu ceticismo passado em relação à instituição, que qualificou como “um clube” no qual “as pessoas se juntam para conversar e passar um bom momento”. A esperança é que opte por se apresentar como um líder legítimo para forjar consensos.

O ministro espanhol de Relações Exteriores, Alfonso Dastis, que este ano encabeça a delegação, confia em que o presidente dos EUA exponha uma mensagem “construtiva” sobre a relação com a ONU. “Estamos todos na expectativa, mas também esperançosos”, comentou. Também recordou que a necessidade de reformar a instituição não é nova nem tampouco uma vontade exclusiva dos EUA.

A assembleia em Nova York reúne 126 mandatários. Os da Rússia, China e Alemanha não comparecerão. Além dos discursos, a atividade diplomática é frenética. Donald Trump tinha em sua agenda para esta segunda-feira uma reunião com o presidente francês, Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. Jantará com líderes da América Latina para tratar da crise da Venezuela.

Na quinta-feira uma reunião do Conselho de Segurança em nível de ministros de Relações Exteriores que será dedicada à não proliferação nuclear, com a discussão sobre como aplicar as sanções contra a Coreia do Norte. Trump manterá em paralelo conversações com os líderes do Japão e da Coreia do Sul para analisar como elevar a pressão sobre Pyongyang.