Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Os quatro truques para melhorar a sua memória

Repita, associe, vincule emoções e brinque com a novidade

Os quatro truques para melhorar a sua memória

Imagine que você pode memorizar as cartas de um baralho colocadas aleatoriamente em noventa segundos, ou uma sequência de mais de cem dígitos em menos de cinco minutos. Impossível? Não. Chester Santos foi capaz de fazer isso, o que fez com que, com outras provas, ele se transformasse no campeão de memória nos Estados Unidos há alguns anos. E o que tornou isso possível foi o treinamento, algo que todos em maior ou menor medida podemos fazer para lembrar melhor das coisas, segundo Wendy Suzuki, diretora do laboratório de pesquisa de Nova York. Vejamos como conseguir isso em quatro passos fáceis.

O primeiro passo simples para melhorar a memória é a repetição. É certo que você tem a experiência de lembrar facilmente um movimento de dança, de um esporte ou de direção quando o repetiu uma infinidade de vezes. O motivo é químico. Criamos um novo hábito, ou seja, um novo cabeamento neuronal, que atua inconscientemente. Por isso não é de estranhar que sem que você se dê conta tenha ido para o trabalho de carro quando realmente queria ir para outro lugar. Não é que você esteja obcecado, mas que a repetição provoca um novo sulco na memória que te arma pegadinhas. Por isso, se você quer aprender algo novo o primeiro ponto é repetir, repetir e ter muita paciência.

Outro passo para recordar coisas novas é a associação. Segundo a palestra TED de Chester Santos, este é seu truque quando memoriza uma lista de nomes como, por exemplo, macaco, pesos, casas... em vez de se fixar na palavra, crie uma história que ajude a lembrar dela, como "o macaco está levantando pesos em uma casa....". A associação pode ser usada no seu dia a dia de muitas outras maneiras, como na hora de se lembrar dos nomes de pessoas que você acaba de conhecer, algo que, aliás, costumamos esquecer com facilidade, segundo demonstrou a ciência (uma boa explicação para não nos sentirmos mal com nós mesmos). Por isso, o truque é associar cada nome a uma pessoa que você já conhece. Desse modo, quando for apresentado a Juan, por exemplo, evoque um amigo que também tenha esse nome. Se você aplicar esse pequeno truque, muito possivelmente será mais simples recordar o nome dele.

A ressonância emocional é outra das aderências da memória. É certo que você se lembrará do que estava fazendo quando soube do 11 de Setembro ou quando recebeu uma notícia surpreendente, ou um momento que foi muitíssimo prazeroso. O motivo é a amígdala, a zona emocional do cérebro que tem a qualidade de registrar sensações intensas. Por isso, tudo aquilo que você viveu com intensidade emocional será mais fácil de memorizar, como uma matéria de que você gostava muito na escola ou a visita feita a algum lugar que te fascinou. Assim, na medida em que algo te agrade, incluirás emoções e será mais fácil memorizar.

E, por fim, o quarto truque é a novidade. O novo atrai nosso cérebro e o faz recordar. Isto se deve também à ressonância emocional que nos desperta. Por isso, é mais fácil lembrar os nomes anteriores do exemplo do macaco, pesos, casas, etc, se a história que você construir for surpreendente ou sem pé nem cabeça. Um macaco levantando pesos não é muito comum, sem dúvida. Poderíamos dizer que nosso cérebro gosta de se divertir um pouco. Por isso, se você utiliza também a imaginação e a criatividade na hora de escrever as coisas que não quer que sejam esquecidas, será mais fácil para a sua memória. É mais fácil para a memória recordar palavras decoradas ou pintadas artisticamente do que recolhidas em um documento de Excel.

Definitivamente, a maior parte dos mortais deseja ter uma memória melhor. Como dizem os especialistas e os cientistas, ela pode ser treinada se formos capazes de repetir o que é novo, de associá-lo a conceitos que já conhecemos, de vinculá-la a emoções e de brincar com a novidade.

MAIS INFORMAÇÕES