Música

Eduard Khil, o barítono da URSS que conquistou o YouTube como ‘Mr. Trololó’

Gravação de 1976 da melodia sem letra ‘Estou feliz porque finalmente voltei para casa’ lhe deu fama mundial ao viralizar em 2010

Eduard Khil, conhecido como ‘Mr. Trololó', homenageado com um 'doodle' nesta segunda.
Eduard Khil, conhecido como ‘Mr. Trololó', homenageado com um 'doodle' nesta segunda.

MAIS INFORMAÇÕES

Eduard Anatolyevich Jil, mais conhecido como Eduard Khil, viveu nos últimos anos de sua vida uma segunda juventude graças à Internet. Um tema musical escrito em 1966 pelo compositor Arkadi Ostrovski e chamado Estou Feliz Porque Finalmente Voltei Para Casa lhe deu fama mundial que só havia conseguido pontualmente como barítono da antiga União Soviética.

Mas a letra da já famosa melodia no YouTube existia, como o próprio Khil explicou uma vez ao jornal russo AiF; fala de um vaqueiro que volta para casa enquanto sua mulher o espera no Kentucky tricotando meias de lã. Esses dados são suficientes para entender que uma canção sobre um alegre vaqueiro norte-americano não poderia fazer sucesso na URSS, de modo que os autores preferiram deixar o tema musical sem letra.

E assim, simplesmente vocalizando duas sílabas, o artista russo transformou a melodia no famoso e parodiado vídeo do Trololo que também batizou Eduard Khil com esse mesmo nome, ‘senhor Trololó’. Por razões desconhecidas, uma atuação com essa canção de 1976 se tornou viral na Internet em 2010.

No dia em que completaria 83 anos, Mr. Trololó ganhou um Doodle com uma animação do vídeo. Eduardo Khil sobe ao palco com um terno escuro e uma gravata mostarda dançando ao ritmo da letra que ele tornou mundialmente famosa sem querer.

Mas nem mesmo Eduard Khil ficou sabendo de seu sucesso nesse momento, 34 anos depois. Foi seu neto, de 13 anos, que lhe descobriu sua nova vida musical ao cantarolar a canção. “Eu lhe perguntei: Por que você está cantando essa música? Ele disse: Vovô, enquanto você toma chá aqui, todo mundo está cantando sua canção na Internet”. A partir desse momento chegaram as demonstrações de carinho de milhões de seguidores, que até mesmo pediram ao Mr. Trololó uma turnê mundial.

Nessa época Khil já estava aposentado de uma vida como cantor que também permitiu que ele viajasse por seu reconhecimento dentro da União Soviética. Nascido em 4 de setembro de 1934 na cidade russa de Smolensk, se formou no Conservatório de São Petersburgo, onde estudou sob a direção de Yevgeny Oljovkski e Zoya Lodyi e começou sua carreira artística como solista.

Eduard Khil foi o primeiro artista a cantar canções tradicionais soviéticas como Lenhadores, Pedra Lunar, Canção sobre um Amigo, Cidades Azuis, E as Pessoas vão ao Mar, Onde Começa a Pátria?, Inverno, Seiva de Bétula e Só Precisamos da Vitória, entre outras, que lhe deram seu primeiro reconhecimento como barítono com letras que destacavam a ideologia e o caráter dos soviéticos junto às conquistas do regime.

A carreira de Khil se desenvolveu com grande sucesso na década de 60 e alcançou o auge em 1973, quando venceu o Festival Internacional da Juventude em Berlim, o que lhe deu a possibilidade de conhecer o mundo, já que o cantor realizou uma turnê por mais de 80 países.

Entre 1977 e 1979 Khil foi professor na Academia de Arte Teatral de São Petersburgo e dividiu a função com turnês pela Europa nos anos mais duros da Guerra Fria. O Governo soviético reconheceu seus méritos e também sua fidelidade ao regime e o nomeou Artista Meritório e lhe concedeu a Ordem da Bandeira Vermelha do Trabalho. Outros reconhecimentos ao longo de sua vida foram: segundo lugar no Festival Internacional da Canção de Sopot; Artista do Povo da URSS; Ordem da Amizade dos Povos; Ordem do Mérito da Pátria e Prêmio Utyosov.

No começo da década de 90 Eduard Khil trabalhou em Paris no café Rasputin, e a partir de 1997 o fez ao lado de seu filho em um projeto chamado Prepinaki. Após o sucesso do Trololó voltou rapidamente aos palcos antes de sofrer um derrame cerebral em 2012 e morrer em 4 de junho em São Petersburgo, aos 77 anos, após ficar vários dias em coma.

Arquivado Em: