_
_
_
_
_
Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Outro passo à frente na Colômbia

A transformação das FARC em partido político mostra o sucesso do processo de paz

O ex-comandante das FARC Rodrigo Londoño, conhecido como ‘Timochenko’, no lançamento oficial do partido
O ex-comandante das FARC Rodrigo Londoño, conhecido como ‘Timochenko’, no lançamento oficial do partidoLeonardo Muñoz (EFE)

A transformação definitiva das guerrilhas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia em um partido político conhecido como Força Alternativa Revolucionaria do Comum é uma nova constatação do sucesso indiscutível do processo de paz na Colômbia. Trata-se de um passo de fundamental importância previsto nos acordos e que põe fim no papel à mais antiga guerrilha da América Latina, que protagonizou uma sangrenta guerra civil que durou meio século.

Mais informações
Força Alternativa Revolucionária do Comum, novo nome das FARC
As FARC prometem fidelidade ao ideário revolucionário em novo projeto político
Colômbia já anistiou mais de 7.000 membros das FARC
Colômbia tenta acabar com violência depois do desarmamento das FARC

Os militantes do novo partido decidiram manter a sigla FARC diante do eleitorado, mas, em uma confirmação de que as formas na política não têm nada a ver com as que utilizaram na guerrilha, mostraram divisões públicas que emergiram no voto final. Neste, 264 delegados de um total de 892 decidiram enterrar o nome das FARC e substituí-lo por Nova Colômbia.

É necessário destacar como, apesar das dificuldades, reticências e oposição que o processo de paz na Colômbia provocou, os passos estipulados nas negociações entre a guerrilha – agora ex-guerrilha – e o Governo foram cumpridos. É um sinal claro de que mesmo os conflitos aparentemente mais insolúveis podem terminar sempre que houver vontade de fazê-lo. O processo de paz colombiano continua a ser feito passo a passo como um exemplo não apenas para a América Latina, mas para outras regiões do mundo com conflitos semelhantes.

A FARC – nunca mais as FARC – tem agora que se preparar para o teste mais importante em uma democracia: a prova das urnas, em março de 2018. É lá que, sem restrições ou coações, seus líderes deverão obter o apoio dos eleitores. Com os votos, obterá uma legitimidade de que jamais desfrutou e poderá demonstrar sua vontade de trabalhar para o bem da Colômbia.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_