TSE suspende sessão e pode estender julgamento da chapa Dilma-Temer até o fim de semana

Troca de farpas entre Gilmar Mendes e Herman Benjamin marcam primeiras sessões do juízo

julgamento TSE chapa dilma e temer Ver galeria de fotos
Gilmar Mendes, presidente do TSE, nesta quarta-feira: troca de farpas entre ministros marca sessão. EFE

As duas primeiras sessões do julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) da ação que pede a cassação da chapa que elegeu Dilma Rousseff e Michel Temer em 2014 foram dedicadas à análise das questões preliminares, ou seja, dos pedidos feitos pela defesa para tentar arquivar ou postergar o processo de investigação, entre elas, a que dizia respeito ao vazamentos de informações sobre os depoimentos de executivos da Odebrecht. Assim, a leitura dos votos do ministro Herman Benjamin (relator do caso) e dos outros seis ministros da Corte, parte mais esperada do juízo e que podem culminar na perda de mandato do presidente da República, ainda não ocorreu.

O presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, marcou três novas sessões para continuar o julgamento nesta quinta-feira, 8 de junho (às 9h, 14h e 19h), e considera realizar sessões no fim de semana, caso avalie como necessário. Trata-se do julgamento mais importante da história do Tribunal Superior Eleitoral.

No primeiro dia de sessões, na terça-feira, Herman Benjamin leu seu relatório em plenário e os ministros ouviram a argumentação dos advogados de defesas de Dilma e Temer, que pediram a anulação do processo movido pelo PSDB por abuso de poder econômico e político. Também ouviram a argumentação do Ministério Público Eleitoral, que recomendou a cassação do mandato do presidente Temer e que a ex-presidenta fique inelegível. Já a segunda sessão, realizada nesta quarta, foi marcada pela troca de farpas entre os ministros Gilmar Mendes e o relator do processo, que em vários momentos discordaram. Do lado de fora do TSE, em Brasília, manifestantes pediam a destituição do peemedebista. 

Siga a cobertura em tempo real do julgamento de Dilma e Temer no TSE.

MAIS INFORMAÇÕES