“Este prêmio é para os jornalistas sem glória que não recebem tapinhas nas costas”

Xosé Hermida, diretor do EL PAÍS no Brasil, recebe o Prêmio José Couso à Liberdade de Expressão

Xosé Hermida recebe em Ferrol o Prêmio José Couso à Liberdade de Expressão. Óscar Corral

Enquanto procurava entender por que os jornalistas galegos lhe concederam o XIII Prêmio José Couso à Liberdade de Expressão, uma honraria que em anos anteriores coube a repórteres que estiveram na prisão e protagonizaram “feitos audaciosos em guerras longínquas”, Xosé Hermida (Boiro, 1963) obteve a resposta de sua tia Primitiva. “Então, você ganhou o prêmio por trabalhar, não?”, ela esclareceu ao jornalista do EL PAÍS, que na quinta-feira recebeu a distinção do Colexio Oficial de Xornalistas de Galicia no teatro Jofre de Ferrol, na Espanha. “Esse é um prêmio aos jornalistas comuns, que não têm fama, que não aparecem nas conversas, que não conhecem a glória e que não recebem tapinhas nas costas de pessoas importantes”, resumiu Hermida em seu discurso.

Mais informações

Rodeado de familiares, amigos e colegas de profissão, o diretor do EL PAÍS no Brasil e ex-diretor do jornal na Galícia comemorou o fato do segundo prêmio recebido em seus 30 anos de carreira ser o “mais anti-institucional do mundo”, dedicado ao câmera de televisão que morreu em 2003 no Iraque pelo ataque do exército norte-americano ao hotel onde estava hospedado. “Couso só pretendia informar sobre o que acontecia naquela guerra que foi uma vergonhosa mentira, enfrentando os que não queriam testemunhas incômodas de seus abusos”.

Hermida admitiu a “má fama” que a profissão ganhou entre as pessoas por culpa “das ervas daninhas que se valem do jornalismo para fazer carreira social”. Mas reivindicou o trabalho “duro” de “centenas e centenas de jornalistas” que, mal pagos e com poucos recursos, continuam “arriscando o pescoço para publicar uma informação mesmo recebendo uma bronca de seus chefes”. Dos que, insistiu, continuam “fazendo perguntas incômodas” sabendo que entrarão de cabeça na “lista negra” de algum poderoso.

Na presença do responsável de Política Social, José Manuel Rey Varela, e da secretária geral de imprensa do Governo regional da Galícia, Mar Sánchez, o jornalista Nicolás Vidal leu um manifesto do Clube de Imprensa de Ferrol em que destacou a pessoa de Hermida como um “jornalista que prestigia a profissão e de quem os que o conhecem só falam bem, como profissional e como chefe”. “Humilde na excelência”, destacou a jornalista Lorena Bustabad, apresentadora do evento e ex-funcionária da redação do EL PAÍS na Galícia, fechada em 2015.

A difícil situação que vivem os veículos de comunicação também foi citada no teatro Jofre. Vidal criticou “o papel lamentável das empresas jornalísticas na gestão dessa crise”, “mais dispostas a captar a subvenção da vez do que contar o que interessa às pessoas”, e lembrou dos 8.000 jornalistas desempregados da Espanha, 400 deles na Galícia.

O agraciado com o Prêmio Couso não acredita que a liberdade de expressão esteja em perigo nesses tempos de redes sociais e inúmeras demissões de jornalistas. O que está realmente ameaçado, afirma, é o direito das pessoas de estarem bem informadas, pela situação econômica ruim dos veículos de imprensa e sua suscetibilidade diante das pressões dos governantes, e também porque se comete o erro de “dar o mesmo valor a um boato de Twitter e uma informação comprovada”. Evitar esse grave “prejuízo à sociedade e à democracia” depende, diz Hermida, da população e dos jornalistas. A primeira deve “diferenciar a informação e a intoxicação” e os segundos “não podem esquecer que o único compromisso é com o público”. A menção mais emotiva e especial da noite foi dedicada por Hermida à jornalista Ana Viqueira, recentemente falecida: “Ela foi minha colega durante 30 anos e minha mentora. A melhor repórter do mundo”.