Flamenco para millennials: a música de um duo espanhol agrada a jovens e puristas

'Los Ángeles', o primeiro disco da cantora Rosalía e do musicista e produtor Raül Refree, tem conexões com trap e o underground

Rosalía e Raül Refree posam num hotel no centro de Madri, onde apresentaram seu disco de flamenco
Rosalía e Raül Refree posam num hotel no centro de Madri, onde apresentaram seu disco de flamencoLUPE DE LA VALLINA (Los Ángeles)

Refree descobriu Rosalía há dois anos, quando assistiu a uma homenagem à artista Maruja Garrido no Mercat de les Flors, centro de Barcelona. "Ela apareceu com suas madeixas no rosto e seu canto escuro. Fiquei alucinado. Não sabia quem era", recorda Refree. Mas essa jovem promessa do flamenco, que se apresentou várias vezes no festival indie do Primavera Sound e que ano passado esteve nos primeiros lugares das paradas de sucesso com uma música que cantou com o rapper C. Tangana, já subia nos palcos de meio mundo havia quase uma década, acompanhando estrelas como Juan Gómez Chicuelo e Rocío Márquez.

Mais informações

"Logo ficamos muito amigos. Ela me mostrou muita música trap, estava superconectada com o underground", diz Refree, que na verdade se chama Raül Fernández. ("O apelido vem do colégio. É uma contração do meu nome e do meu sobrenome. Torneio-o mais anglo-saxão com o 'e' final"). "Adoramos escutar Kanye West; é que sou muito fã da cultura mainstream americana", diz ela, vestida toda de preto, com seu longo cabelo solto e suas unhas compridas pintadas com esmalte glitter que não a impedem de tocar na tela do celular e acompanhar o Instagram. "Através desse aparelho recebemos todas as influências", diz a artista, que herdou o nome da avó e escutou Camarón aos 13 anos, quando "passava a tarde num parque" do Baix Llobregat com amigos que "colocavam música nos seus carros". A ideia de fazer um disco juntos surgiu depois que tocaram uma malagueña.

Salvar

Salvar

"Você não sabe como esse processo é intenso", diz Refree. Passaram quase dois anos gravando no estúdio do produtor em Barcelona. "Você fica dependente da outra pessoa, mas também acaba saturado", afirma. Passavam o dia todo juntos. Inclusive na hora de comer. De vez em quando, Rosalía comprava peixe num mercado do caminho e cozinhava ali mesmo. "Outras vezes, almoçávamos no La Panza de Luis, meu restaurante favorito", diz ele. "Sim, é verdade, eles têm canelones deliciosos", ela completa. "Mas você nem é muito de comer, Rosalía". "E você também não."

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: