Sérgio Moro recua e exclui de processo nome de fonte de blogueiro Eduardo Guimarães

Magistrado havia determinado a condução coercitiva e a quebra do sigilo de uma das fontes do blogueiro

O juiz Sérgio Moro.
O juiz Sérgio Moro.Lula Marques/ Ag. PT

Após protagonizar nova polêmica na terça-feira ao determinar a condução coercitiva do blogueiro Eduardo Guimarães e a quebra do sigilo de uma de suas fontes, o juiz Sérgio Moro recuou. O magistrado, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, solicitou nesta quinta-feira que fosse excluído do processo qualquer menção à pessoa que repassou a Guimarães as informações privilegiadas. Em março do ano passado o blogueiro, que já foi candidato pelo PC do B e é crítico do Governo de Michel Temer, noticiou com uma semana de antecedência que o ex-presidente Lula seria conduzido coercitivamente – o que de fato ocorreu. O pedido do juiz, no entanto, causou estranheza uma vez que os vazamentos de informação têm sido uma constante na operação desde seu início.

A ação do início da semana foi duramente criticada, primeiro porque o Código de Processo Penal permite a condução forçada apenas caso a pessoa se recuse a depor. E também porque o sigilo das fontes jornalísticas é garantido pela Constituição. Sindicatos e associações de classe de jornalistas divulgaram notas de repúdio ao juiz e ao que consideraram como sendo uma decisão autoritária e antidemocrática. Para a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), ao agir desta maneira a "Polícia Federal ataca a liberdade de imprensa e de expressão". Até alguns blogueiros considerados defensores da operação criticaram a condução de Guimarães. Inicialmente Moro justificou o pedido alegando que o blogueiro não é jornalista, e que seu blog contém “propaganda política” - no Brasil não é necessário ter diploma para exercer este ofício.

Mais informações
Caso de blogueiro reacende debate sobre métodos de Moro na Lava Jato
Juristas questionam legalidade de coerção para depoimento de Lula
Lula mira 2018 no sertão da Paraíba: “Eles vão brigar comigo nas ruas”
Condução coercitiva de Silas Malafaia atrai holofotes para nova ação da Polícia Federal

Em seu despacho desta quinta, Moro diz que “deve ser excluído do processo e do resultado das quebras de sigilo de dados, sigilo telemático e de busca e apreensão, (...) nos endereços de Carlos Eduardo Cairo Guimarães, qualquer elemento probatório relativo à identificação da fonte da informação”. Mais adiante no texto, o juiz faz um mea culpa, e afirma que “nesse contexto e considerando o valor da imprensa livre em uma democracia e não sendo a intenção deste julgador ou das demais autoridades envolvidas na investigação colocar em risco essa liberdade e o sigilo de fonte, é o caso de rever o posicionamento anterior e melhor delimitar o objeto do processo”.

Fernando Hideo, que representa o blogueiro, afirmou que no despacho “o magistrado voltou atrás e reconheceu a tese alegada pela defesa desde o início dessa investigação, admitindo ter tomado medidas ilegais”. O advogado também disse que é mentira que Guimarães tenha “dito de pronto” a Moro qual o nome de sua fonte, conforme consta no despacho do magistrado, e que tal informação foi obtida “mediante a quebra de sigilo telefônico”. Segundo Hideo, a defesa irá pedir a nulidade completa do depoimento tomado na terça-feira, bem como “a restituição dos equipamentos eletrônicos confiscados”.

 

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS