Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Caso de blogueiro reacende debate sobre métodos de Moro na Lava Jato

Defesa diz que ação viola sigilo da fonte garantido por lei a jornalistas e juiz rebate

Coação para depor sem convocação prévia é criticada e OAB pede que STF analise prática

Ao longo de três anos de Operação Lava Jato, o juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos que correm na primeira instância em Curitiba, e os procuradores da investigação colecionaram tanto trunfos como decisões polêmicas. Nesta terça-feira foi a vez de um instrumento usado várias vezes no período voltar aos holofotes, com a condução coercitiva do blogueiro Eduardo Guimarães, responsável pelo Blog da Cidadania, crítico do Governo de Michel Temer. Ele foi levado pela Polícia Federal para depor sobre o suposto vazamento da também controversa condução coercitiva do ex-presidente Lula, em março do ano passado. Guimarães divulgou detalhes da ação uma semana antes do fato e Moro queria confirmar a identidade de quem lhe repassou as informações. Em sua casa foram apreendidos celulares, um notebook e um pendrive. Além da volta do debate sobre o uso da condução coercitiva pela Lava Jato, o episódio trouxe à tona outra polêmica: a defesa diz que foi violado o direito ao sigilo de fonte garantido aos jornalistas pela Constituição. Já a assessoria do juiz rebateu dizendo que Guimarães faz "propaganda política": "Não é necessário diploma para ser jornalista, mas também não é suficiente ter um blog para sê-lo".

Eduardo Guimarães, entre Lula, Haddad e Chalita.

O blogueiro afirmou após o depoimento que, apesar de não ser formado em jornalismo, edita seu blog há 12 anos, e que o Supremo Tribunal Federal já deu um parecer com relação ao diploma ser dispensável para o exercício da profissão. A ausência do diploma foi, segundo ele, uma das justificativas de Moro para exigir que ele revelasse quem lhe passou a informação sobre Lula. As declarações motivaram uma manifestação da assessoria de Moro. "A proteção constitucional ao sigilo de fonte protege apenas quem exerce a profissão de jornalista, com ou sem diploma", diz a nota da Justiça do Paraná. "As diligências foram autorizadas com base em requerimento da autoridade policial e do MPF de que Carlos Eduardo Cairo Guimarães não é jornalista, independentemente da questão do diploma, e que seu blog destina-se apenas a permitir o exercício de sua própria liberdade de expressão e a veicular propaganda político-partidária", afirma ainda o texto. A defesa rebateu: "A nota, de maneira autoritária e contrariando o STF, pretende definir quem é e quem não é jornalista de acordo com juízos de valor sobre as informações e opiniões veiculadas em determinado meio de comunicação".

Os procuradores da força-tarefa, que fizeram o pedido de condução coercitiva acatado, também se pronunciaram. Tentaram não entrar na controvérsia sobre definição de quem é jornalista no mundo digital e sobre o direito ao sigilo de fonte. "Esse vazamento para os investigados ocorreu antes mesmo da publicação das informações no blog, portanto a diligência não foi motivada pela divulgação das informações à sociedade. Além disso, as providências desta data não tiveram por objetivo identificar quem é a fonte do blogueiro, que já era conhecida, mas sim colher provas adicionais em relação a todos os envolvidos no prévio fornecimento das informações sigilosas aos investigados", diz a nota enviada à imprensa.

Ao mirar a informação obtida pelo blogueiro, a Lava Jato põe mais elementos em um terreno já nebuloso: os frequentes vazamentos à imprensa de material da operação ainda não tornado público oficialmente pela Justiça. O tema está quente depois que a ombudsman da Folha de S. Paulo, Paula Cesarino, questionou no domingo o vazamento coordenado a grandes veículos brasileiros de nomes de políticos alvo de pedidos de inquéritos feitos pela Procuradoria-Geral da República, com base nas delações da Odebrecht. Nesta terça, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes defendeu até a nulidade como prova de informações previamente vazadas e acusou diretamente a PGR de quebrar o sigilo dos processos.

Condução coercitiva no Supremo

“Arbitrariedades estão bem claras neste caso: a condução sem intimação prévia e a violação do sigilo da fonte”, afirmou em nota Fernando Hideo, advogado que representa Guimarães. Para o defensor trata-se de “uma perseguição política”. Guimarães afirma que não havia sido convocado para depor antes de ser coagido – um pré-requisito legal da condução coercitiva. Segundo o Código de Processo Penal, este dispositivo deve ser usado apenas em situações nas quais alguém foi convocado a prestar depoimento e se recusou sem apresentar uma justificativa válida.

Fabrício Medeiros, professor de Direito Constitucional do Centro Universitário de Brasília, acredita que estas conduções podem prejudicar a Lava Jato no futuro. “Se as instâncias superiores deferirem essa tese que consta na lei [de que é preciso intimar primeiro], isso pode configurar a nulidade dessas informações que foram colhidas”, afirma. Para o advogado isso retiraria a validade das provas “em um efeito dominó: um erro na origem do procedimento compromete o resto”. Outras operações da Polícia Federal já foram anuladas por supostos erros em procedimentos de coleta de provas e informações, como no caso da Castelo de Areia, em 2011, e da Satiagraha, em 2008. Medeiros também critica o uso desse expediente sem a notificação. “Isso se tornou uma constante na Lava Jato, não me recordo de uma jurisprudência anterior: foi uma inovação da operação”.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Claudio Lamachia, já havia afirmado anteriormente que “sem a negativa [em prestar depoimento], a condução à força é desnecessária”, e que “não se combate o crime cometendo um outro crime”. Além da aparente ilegalidade no uso do expediente antes da intimação, juristas alegam que a condução coercitiva dificulta o acesso do advogado ao seu cliente, e impede que ele receba orientações técnicas e uma defesa adequada. A OAB acionou o STF para que a Corte reforce o entendimento da lei com relação a este ponto, e declare irregular o modus operandi da Lava Jato com relação a isso. O ministro Mendes cobrou, na semana passada, que o tribunal avalie a questão com urgência.

Fachin toma primeiras decisões com base em delação da Odebrecht

A condução do blogueiro não foi o único desdobramento envolvendo a Lava Jato nesta terça. A Polícia Federal cumpriu 14 mandados em Brasília, Maceió, Recife, Rio de Janeiro e Maceió, contra pessoas e empresas ligadas aos senadores Renan Calheiros (PMDB-AL), Eunicio de Oliveira (PMDB-CE), que é presidente do Senado, Valdir Raupp (PMDB-RO) e Humberto Costa (PT-PE). Raupp já é réu na Lava Jato, e os outros são alvos de inquéritos e foram citados por delatores. Esta foi a primeira etapa da operação feita com base nas delações da Odebrecht. A empresa de transporte de valores Confederal, na qual Oliveira já ocupou cargo administrativo, foi um dos alvos. Os parlamentares negaram qualquer irregularidade.

E o dia também foi marcado por novidades da operação no STF. Chegou nesta terça ao gabinete do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato na Corte, a lista do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com os pedidos de investigação referentes a pessoas com direito a foto privilegiado. A relação com 83 pedidos de abertura de inquérito havia sido encaminhada à Corte na semana passada, mas foram precisos vários dias para cadastrar todo o material no sistema do tribunal. A lista continua sob sigilo, apesar do nome de alguns investigados terem sido vazados pela imprensa, e Fachin já afirmou que irá fazer uma análise criteriosa do material antes de determinar a suspensão do segredo.

MAIS INFORMAÇÕES