Carpinteiro idoso dos EUA é identificado como nazista que comandou massacres

O carpinteiro aposentado Michael Karkoc, de 98 anos, foi um oficial das SS que devastou povoados Sua identidade foi revelada após uma investigação da AP, mas a família dele nega

Michael Karkoc em seu jardim em Minneapolis.
Michael Karkoc em seu jardim em Minneapolis.Richard Sennott (AP)

Portava a caveira e as runas com orgulho. Matou homens, mulheres e crianças. Arrasou povoados inteiros. Era a fera de Chlaniów (Polônia). Durante décadas, se ocultou nos Estados Unidos, procurou um lar e teve família. Agora, depois de uma longa peripécia jornalística e judicial, sua identidade foi confirmada. O carpinteiro Michael Karkoc, um pacato ancião de Minneapolis, foi o comandante da Legião de Autodefesa Ucrânia, subordinada às letais SS de Hitler.

Mais informações
O testemunho da perseguição nazista encontrado em um sebo francês
As fotos dos SS que refletem o horror cotidiano de Auschwitz
Encontrado um pingente igual ao de Anne Frank no campo de concentração de Sobibor
Por que depois da vitória de Trump este artigo dos anos 30 sobre Hitler viralizou

Aos 98 anos, o passado se voltou contra ele. A promotoria polonesa se diz “100% convencida” de quem é o antigo nazista e anunciou que vai pedir a sua extradição devido aos massacres cometidos durante a Segunda Guerra Mundial na região de Lublin.

Não será a primeira vez que ele enfrentará a Justiça. Há quatro anos, depois que uma investigação realizada pela agência AP trouxe seu caso à tona, o ministério público alemão quis levá-lo a julgamento. A família de Karkoc conseguiu barrar a iniciativa apresentando documentação médica que supostamente demonstrava sua incapacidade de ser processado. “Não existe nenhuma prova que mostre que meu pai tenha tido alguma coisa a ver com atividades criminosas”, diz o filho de Karkoc.

Esses argumentos não detiveram os promotores poloneses. Como seu país não permite julgamentos em ausência do réu, querem reexaminar o caso em seu território. Ao mesmo tempo, o “caça-nazistas” Efraim Zuroff, do Centro Simon Wiesenthal, adiantou que solicitará uma análise por médicos independentes.

A reconstituição da AP, baseada em testemunhos oculares e documentos, defende que Karkoc ingressou no Exército alemão em 1941. Brutal e determinado, logo recebeu uma Cruz de Ferro e pediu sua entrada na Legião de Autodefesa Ucrânia. Quando esse corpo de exterminadores foi absorvido pelas SS, as unidades de elite hitlerianas, Karkoc brilhou com luz própria e alcançou o posto de comandante.

As atrocidades cometidas por essa brutal manada de nazistas foram inúmeras, mas o acusado é perseguido por ter dirigido uma operação de castigo contra o povoado de Chlaniów – a única para a qual há testemunhas oculares.

Mandou queimar casas e matar a tiros 44 homens, mulheres e crianças

Ocorreu em 23 de julho de 1944. Após a morte do comandante oficial, a corpo decidiu fazer uma represália à população civil. Com a ordem de “liquidar Chlanów”, os homens de Karkoc se lançaram à barbárie: queimaram casas e mataram a tiros 44 homens, mulheres e crianças. Outras localidades menores também foram arrasadas.

Depois da matança, a pista de Karkoc começa a se dissipar, como muitas outras coisas nos dias finais da guerra. Suspeita-se que ele esteve em outras unidades das SS e que, como parte de uma delas, pode se dedicar à repressão de membros da resistência eslovena. Não há certezas. Acabado o conflito, seu rastro desaparece até que, em 1949, solicita entrada nos Estados Unidos. Nos documentos, ele alega que não fez o serviço militar e que durante a guerra trabalhou com seu pai. Dez anos depois, recebeu a nacionalidade norte-americana. Meio século mais tarde, foi descoberto. O passado o espera.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS