Nazismo

Carpinteiro idoso dos EUA é identificado como nazista que comandou massacres

O carpinteiro aposentado Michael Karkoc, de 98 anos, foi um oficial das SS que devastou povoados Sua identidade foi revelada após uma investigação da AP, mas a família dele nega

Michael Karkoc em seu jardim em Minneapolis.
Michael Karkoc em seu jardim em Minneapolis.Richard Sennott (AP)

Portava a caveira e as runas com orgulho. Matou homens, mulheres e crianças. Arrasou povoados inteiros. Era a fera de Chlaniów (Polônia). Durante décadas, se ocultou nos Estados Unidos, procurou um lar e teve família. Agora, depois de uma longa peripécia jornalística e judicial, sua identidade foi confirmada. O carpinteiro Michael Karkoc, um pacato ancião de Minneapolis, foi o comandante da Legião de Autodefesa Ucrânia, subordinada às letais SS de Hitler.

Mais informações

Aos 98 anos, o passado se voltou contra ele. A promotoria polonesa se diz “100% convencida” de quem é o antigo nazista e anunciou que vai pedir a sua extradição devido aos massacres cometidos durante a Segunda Guerra Mundial na região de Lublin.

Não será a primeira vez que ele enfrentará a Justiça. Há quatro anos, depois que uma investigação realizada pela agência AP trouxe seu caso à tona, o ministério público alemão quis levá-lo a julgamento. A família de Karkoc conseguiu barrar a iniciativa apresentando documentação médica que supostamente demonstrava sua incapacidade de ser processado. “Não existe nenhuma prova que mostre que meu pai tenha tido alguma coisa a ver com atividades criminosas”, diz o filho de Karkoc.

Esses argumentos não detiveram os promotores poloneses. Como seu país não permite julgamentos em ausência do réu, querem reexaminar o caso em seu território. Ao mesmo tempo, o “caça-nazistas” Efraim Zuroff, do Centro Simon Wiesenthal, adiantou que solicitará uma análise por médicos independentes.

A reconstituição da AP, baseada em testemunhos oculares e documentos, defende que Karkoc ingressou no Exército alemão em 1941. Brutal e determinado, logo recebeu uma Cruz de Ferro e pediu sua entrada na Legião de Autodefesa Ucrânia. Quando esse corpo de exterminadores foi absorvido pelas SS, as unidades de elite hitlerianas, Karkoc brilhou com luz própria e alcançou o posto de comandante.

As atrocidades cometidas por essa brutal manada de nazistas foram inúmeras, mas o acusado é perseguido por ter dirigido uma operação de castigo contra o povoado de Chlaniów – a única para a qual há testemunhas oculares.

Mandou queimar casas e matar a tiros 44 homens, mulheres e crianças

Ocorreu em 23 de julho de 1944. Após a morte do comandante oficial, a corpo decidiu fazer uma represália à população civil. Com a ordem de “liquidar Chlanów”, os homens de Karkoc se lançaram à barbárie: queimaram casas e mataram a tiros 44 homens, mulheres e crianças. Outras localidades menores também foram arrasadas.

Depois da matança, a pista de Karkoc começa a se dissipar, como muitas outras coisas nos dias finais da guerra. Suspeita-se que ele esteve em outras unidades das SS e que, como parte de uma delas, pode se dedicar à repressão de membros da resistência eslovena. Não há certezas. Acabado o conflito, seu rastro desaparece até que, em 1949, solicita entrada nos Estados Unidos. Nos documentos, ele alega que não fez o serviço militar e que durante a guerra trabalhou com seu pai. Dez anos depois, recebeu a nacionalidade norte-americana. Meio século mais tarde, foi descoberto. O passado o espera.