Marcha das mulheres contra Trump

“Toma cuidado Trump, minha geração vota na próxima eleição”

Estes são alguns dos cartazes exibidos em manifestações contra Trump em todo o planeta

Dezenas de milhares de pessoas se manifestaram este 21 de janeiro em Washington – e em cidades de todo o mundo – na Marcha da Mulher, em apoio aos direitos das mulheres, imigrantes e minorias que poderiam ser violados com chegada à presidência de Donald Trump.

Para a marcha, o criador do icônico cartaz de Hope de Obama criou novos cartazes que muitas manifestantes carregaram, mas não foram as únicas: os fotógrafos de vários jornais e agências de notícias imortalizaram as mensagens que pessoas do mundo todo dedicaram a Trump e ao machismo. Aqui estão algumas delas:

“O ódio não fará a América grande” (referindo-se ao slogan de Trump “Fazer a América grande outra vez”). Tirada em Paris.
“O ódio não fará a América grande” (referindo-se ao slogan de Trump “Fazer a América grande outra vez”). Tirada em Paris.Aurelien Meunier (Getty)
"Nossos corpos, nossas mentes, nosso poder". Tomada em Berlim
"Nossos corpos, nossas mentes, nosso poder". Tomada em BerlimSteffi Loos
"Este gatito de classe operária contraataca". É um jogo de palavras: "pussy" significa tanto "gatito" como "coño". Tomada em Lisboa
"Este gatito de classe operária contraataca". É um jogo de palavras: "pussy" significa tanto "gatito" como "coño". Tomada em LisboaTIAGO PETINGA (EFE)
No patín esquerdo: "As garotas só querem direitos fundamentais". É um jogo de palavras com a canção "Girls wanna have fun" de Cindy Lauper. No patín direito "Rendo-me pelo que amamos". No terceiro cartaz: "Amamos o que Trump Odeia. Mulheres ao Poder". Tomada em Cidade do Cabo, África do Sul
No patín esquerdo: "As garotas só querem direitos fundamentais". É um jogo de palavras com a canção "Girls wanna have fun" de Cindy Lauper. No patín direito "Rendo-me pelo que amamos". No terceiro cartaz: "Amamos o que Trump Odeia. Mulheres ao Poder". Tomada em Cidade do Cabo, África do SulEFE (NIC BOTHMA)
No cartaz da esquerda: "Direitos das mulheres. Todo o dia, a cada dia, em todos sítios!". Na da direita: As mulheres não serão trumpeadas!
No cartaz da esquerda: "Direitos das mulheres. Todo o dia, a cada dia, em todos sítios!". Na da direita: As mulheres não serão trumpeadas!NIC BOTHMA (EFE)
“Tome cuidado Trump, minha geração vota na próxima eleição.” Tirada na marcha de Washington.
“Tome cuidado Trump, minha geração vota na próxima eleição.” Tirada na marcha de Washington.SHANNON STAPLETON (REUTERS)
“1968 está ligando, não atenda”. Tirada em Washington.
“1968 está ligando, não atenda”. Tirada em Washington.AFP (Jessica Kourkounis)
“Lute como uma menina”. Tirada na manifestação de Washington.
“Lute como uma menina”. Tirada na manifestação de Washington.LUCY NICHOLSON (REUTERS)
No cartaz branco: “Vamos lutar para proteger os direitos reprodutivos que nossas mães ganharam # Eu apoio a paternidade e maternidade programada”. No amarelo: “Vamos construir o muro... ao redor de Trump”.
No cartaz branco: “Vamos lutar para proteger os direitos reprodutivos que nossas mães ganharam # Eu apoio a paternidade e maternidade programada”. No amarelo: “Vamos construir o muro... ao redor de Trump”.Jose Luis Magana (AP)
“Pense antes de tuitar”. Tirada em Washington.
“Pense antes de tuitar”. Tirada em Washington.ANDREW CABALLERO-REYNOLDS (AFP)
“Este é o aspecto que tem uma feminista”. Tirada em Nova York.
“Este é o aspecto que tem uma feminista”. Tirada em Nova York.Mary Altaffer (AP)
“Sou uma mulher, ouça meu rugido”. Tirada em Londres.
“Sou uma mulher, ouça meu rugido”. Tirada em Londres.NEIL HALL (Reuters)
Esquerda: “Mantenha suas leis fora do meu corpo.” Direita: “Cale a boca, Trump, e me faça um sanduíche”.
Esquerda: “Mantenha suas leis fora do meu corpo.” Direita: “Cale a boca, Trump, e me faça um sanduíche”.FACUNDO ARRIZABALAGA (EFE)
“Os direitos das mulheres são direitos humanos”. Tirada em Paris.
“Os direitos das mulheres são direitos humanos”. Tirada em Paris.Aurelien Meunier (Getty)

 

"As garotas só querem direitos fundamentais". É um jogo de palavras com a canção "Girls wanna have fun" de Cindy Lauper. Tomada em Washington.

"Respeita minha existência ou espera minha resistência". Tomada em Washington.

"Não sou tua mulher, irmã ou mãe. Sou uma mulher, um ser humano, e é deveria ser suficiente". Tomada em Washington.

Esquerda: "As garotas só querem direitos fundamentais". É um jogo de palavras com a canção "Girls wanna have fun" de Cindy Lauper. Centro: "Os direitos das mulheres são direitos humanos". Direita: "Não posso achar que tenha que seguir protestando por esta merda". Tomada em Washington.

Os doutores advertem: os idiotas são maus para a saúde das mulheres". Tomada em Denver.

"Somos a resistência". Tomada em Londres.

View this post on Instagram

Speak truth to power little sister. #womensmarch

A post shared by Jeannie (@jl_dixie) on

"As garotas só querem direitos fundamentais". É um jogo de palavras com a canção "Girls wanna have fun" de Cindy Lauper. Tomada em Washington.

"Respeita minha existência ou espera minha resistência". Tomada em Washington.

View this post on Instagram

#womensmarch

A post shared by Shauna Pollock (@shauna_pollock) on

"Não sou tua mulher, irmã ou mãe. Sou uma mulher, um ser humano, e é deveria ser suficiente". Tomada em Washington.

Esquerda: "As garotas só querem direitos fundamentais". É um jogo de palavras com a canção "Girls wanna have fun" de Cindy Lauper. Centro: "Os direitos das mulheres são direitos humanos". Direita: "Não posso achar que tenha que seguir protestando por esta merda". Tomada em Washington.

View this post on Instagram

#womensmarch #istandwithplannedparenthood #denver

A post shared by Meg Grace Larcom (@meggracelarcom) on

Os doutores advertem: os idiotas são maus para a saúde das mulheres". Tomada em Denver.

"Somos a resistência". Tomada em Londres.