Economia brasileira

PIB do Brasil já acumula queda de 4% neste ano com menos investimentos

Economia brasileira recua 0,8% entre julho e setembro, o sétimo trimestre de queda

Marcos Santos (USP Imagens)

A já frágil economia brasileira continuou em queda no terceiro trimestres deste ano. O Produto Interno Bruto (PIB) encolheu 0,8% em comparação ao trimestre anterior. Este é o sétimo trimestre seguido em que a economia brasileira recua. Entre abril e junho, a queda da atividade havia sido de 0,6%, o que mostra que nos três meses seguintes a economia padeceu ainda mais da paralisia que começou no ano passado.

No resultado acumulado do ano, ou seja, de janeiro até o mês de setembro, o PIB apresentou uma queda de 4% em relação a igual período de 2015, a maior para este período desde o início da série em 1996, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em valores correntes, o PIB, que é a soma de todos os bens e serviços feitos no país, alcançou 1,580 trilhão de reais. Os três setores da economia analisados registraram queda em relação ao trimestre anterior: agropecuária (-1,4%), indústria (-1,3%) e serviços (-0,6%).

Com uma demanda fraca, fruto de um desemprego que já soma 12 milhões de pessoas sem trabalho, a oferta também se mostra cambaleante. No terceiro trimestre deste ano os investimentos também caíram. A Formação Bruta de Capital Fixo, medida utilizada para mensurar o capital investido pelo setor privado na economia, registrou uma queda de 3,1%, depois de uma leve reação de 0,5% no trimestre anterior. O impeachment da presidenta Dilma Rousseff entre abril e maio chegou a gerar uma certa euforia nas expectativas, e houve uma melhora no humor dos empresários que viram com bons olhos a chegada do Governo interino de Michel Temer e da nova equipe econômica.

Segundo o economista Juan Jensen, professor do Insper, a melhora do nível de confiança dos investidores após a mudança de Governo não se transformou em atividade econômica porque o ambiente político voltou a ser incerto nos últimos meses. “A queda de seis ministros mais a agenda de possíveis delações dos executivos da Odebrecht e também de Eduardo Cunha criam incertezas e podem desestabilizar o Governo Temer, limitando o ajuste econômico”, explica Jensen.

Na economia real com o desemprego em alta e a renda média em queda, o consumo das famílias voltou a retrair e caiu 0,6, a sétima queda consecutiva. No setor externo, as exportações caíram 2,8%, enquanto que as importações recuaram 3,1% em relação ao segundo trimestre de 2016.

O resultado negativo já era esperado por economistas e analistas do mercado financeiro. Para o acumulado do ano, os economistas do mercado financeiro preveem que a atividade econômica feche em queda de 3,5%, segundo o último boletim Focus. Na semana passada, o próprio governo reviu as projeções anteriores e também estimou um tombo de 3,5% para o PIB deste ano. Se as previsões forem confirmadas, esta será a primeira vez que o Brasil registrará dois anos seguidos de retração.

Arquivado Em: