Promotoria alemã investiga presidente do Conselho da Volkswagen

Hans Dieter Pötsch é acusado de ocultar manipulação dos veículos da empresa

Hans Dieter Pötsch, presidente do Conselho de Administração da Volkswagen, em imagem de arquivo.Foto: reuters_live | Vídeo: TOBIAS SCHWARZ (AFP)

O escândalo das emissões de poluentes que estourou há 14 meses nos Estados Unidos continua a fazer vítimas na Alemanha. Em breve nota divulgada neste domingo, a Volkswagen confirmou que a Promotoria (Ministério Público) de Braunschweig, na Baixa Saxônia, começou uma investigação sobre o presidente do Conselho de Administração do grupo, Hans Dieter Pötsch, por suspeitar que o executivo tenha tido papel ativo na manipulação do mercado ao não revelar o que sabia a respeito da fraude nas emissões de gases dos veículos da empresa.

Hans Dieter Pötsch era diretor financeiro da Volkswagen quando estourou o escândalo e já estava na mira da Justiça desde março, quando uma notícia do jornal Bild am Sonntag denunciou que o executivo tentara manter em segredo o grave escândalo, com a esperança de chegar a um acordo amigável com as autoridades ambientais norte-americanas por meio de uma multa administrável.

Mais informações
O estudo de 275.000 reais que pode arruinar a Volkswagen
Volkswagen perde 7,2 bilhões de reais pelo caso das emissões
Acionistas exigem 29,7 bilhões de reais da Volkswagen pelo escândalo das emissões
Volks anuncia cancelamento de seus investimentos não essenciais

A Promotoria de Braunschweig já investigava o ex-presidente do comitê executivo do grupo, Martin Winterkorn, e o atual diretor da marca, Herbert Diess. O curto comunicado divulgado neste domingo pelo grupo informa que a Promotoria mantém as investigações sobre ambos dirigentes e acrescenta ao trabalho Pötsch, escolhido para o lugar de Winterkorn. “Com base no exame cuidadoso realizado por especialistas legais internos e externos, a companhia reitera sua confiança em que os membros da Junta Executiva da Volkswagen tenham cumprido seu dever de informar sobre a situação, de acordo com a lei que regula o mercado de capitais”, destaca a nota da Volkswagen. “A investigação tem relação com o período que Hans Dieter Pötsch foi diretor financeiro do grupo. A companhia e Hans Dieter Pötsch apoiarão totalmente os promotores em sua investigação”, conclui o comunicado.

Em relação ao ex-chefe da Volkswagen e aos dois atuais executivos do grupo existe a suspeita de que não tenha informado de maneira adequada e no devido tempo os investidores sobre as consequências que o escândalo poderia provocar. As ações da Volkswagen perderam mais de 30% do valor que tinham antes de 18 de setembro do ano passado, quando explodiu o escândalo, mas chegaram a valer ainda menos nos dias mais duros da crise.

Embora a Promotoria de Braunschweig tenha evitado fazer comentários sobre os motivos que a levaram a abrir a investigação em relação a Pötsch, vários meios de comunicação alemães sugerem que ela tenha sido desencadeada por uma denúncia apresentada pelo Escritório Federal de Supervisão de Serviços Financeiros (BaFin). Não é a única investigação feita pela Justiça da Alemanha. O Estado da Bavária anunciou há não muito tempo que abrirá disputa com a Volkswagen devido a uma perda multibilionária em seu fundo de pensão, e outros dois länder (Estados Federados), Baden Württemberg e Hesse, anunciaram que estudam exigir uma indenização da Volkswagen. Até agora, o Tribunal Territorial de Braunschweig recebeu mais de 290 demandas contra a empresa de Wolfsburgo, que somam quase 4 bilhões de euros (cerca de R$ 14,5 bilhões).

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS