_
_
_
_

Chavismo confirma reuniões com a oposição para iniciar um diálogo

Prefeito de Caracas informa que o Governo da Venezuela e a coalizão oposicionista MUD mantiveram dois encontros em segredo

O secretário-geral da oposicionista Mesa de Unidade Democrática, Jesús Torrealba, em entrevista coletiva.
O secretário-geral da oposicionista Mesa de Unidade Democrática, Jesús Torrealba, em entrevista coletiva.EFE

O chavismo revelou um segredo da oposição. Jorge Rodríguez, prefeito de Caracas, disse nesta terça-feira que o Governo da Venezuela se reuniu sigilosamente em duas ocasiões com dirigentes da coalizão oposicionista Mesa da Unidade Democrática (MUD) para iniciar um diálogo. Segundo Rodríguez, a oposição tinha solicitado que os encontros fossem mantidos em segredo. Horas mais tarde, Jesús Torrealba, secretário-geral da MUD, admitiu as reuniões. “O país entrou numa crise de governabilidade muito grave”, argumentou.

Mais informações
Mercosul veta presidência da Venezuela e ameaça suspender o país do bloco
Exército assume o controle da distribuição de alimentos na Venezuela
Desaparece o jornalista venezuelano que informou sobre protestos contra Maduro

As conversas são questionadas por alguns opositores. Henrique Capriles, governador do Estado de Miranda e ex-candidato presidencial, afirmou ter “ressalvas” às últimas decisões da aliança oposicionista, mas que as apoia por pertencer ao partido. “Se houver um milímetro de negociação turva que comprometa o país eu vou dizer”, acrescentou.

O presidente Nicolás Maduro se aferra ao diálogo como um antídoto contra a ameaça de um referendo revogatório do seu mandato. As infrutíferas negociações já tiveram como mediadores o ex-premiê espanhol José Luis Rodríguez Zapatero e os ex-presidentes Leonel Fernández (República Dominicana) e Martín Torrijos (Panamá), entre outros representantes da comunidade internacional.

Em outras ocasiões, o diálogo se viu frustrado pela crise econômica, pelos obstáculos impostos pelo Conselho Nacional Eleitoral – controlado pelo chavismo – à realização do referendo revogatório neste ano e pela prisão de opositores do chavismo.

Há dois meses, a tensão entre governismo e oposição cresceu. O Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin) iniciou uma onda repressiva contra militantes do partido Vontade Popular (VP), do detido dirigente Leopoldo López, e outros adversários de Maduro. A polícia política acusou os políticos presos de conspirarem para desestabilizar o Governo.

O prefeito de Caracas, a chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, o parlamentar Elías Jaua e o diplomata Roy Chaderton foram designados por Maduro para se reunir com os opositores Freddy Guevara, Carlos Ocariz, Enrique Márquez e Luis Aquiles.

Condição para o diálogo

Torrealba esclareceu que as reuniões com o Governo não significam o início de um diálogo, pois a oposição ainda espera a convocação do referendo revogatório. “Não faz sentido ‘dialogar’ para dar mais tempo a quem desperdiçou 17 anos [o Governo], nem para dar mais dinheiro a quem já esbanjou um bilhão de dólares”, afirmou ele em nota emitida pela aliança oposicionista.

Mas o Conselho Eleitoral ainda não determinou um prazo para que sejam reunidas as assinaturas de 20% do eleitorado, necessárias para a convocação do referendo. O chavismo se opõe ao processo revogatório alegando que a oposição fraudou etapas prévias à convocação do referendo. “Consideramos que não se deve autorizar a MUD a realizar o referendo, porque ainda há denúncias graves de delitos neste processo”, afirma o governista Rodríguez.

Se o referendo ocorrer depois de 10 de janeiro e a oposição conseguir mais votos do que Maduro obteve na eleição presidencial de abril de 2013, o vice-presidente da República, o chavista Aristóbulo Istúriz, assumiria o cargo até o final do mandato. Por isso a oposição pressionou o Poder Eleitoral com manifestações nas ruas para acelerar uma resposta. Enquanto isso, a oposição fará outro protesto na sexta-feira.

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_