JOGOS OLÍMPICOS

Segunda vaia brasileira ao francês Lavillenie doeu tanto quanto a perda do ouro

Público repetiu o comportamento da véspera, depois que o atleta comparou o ambiente da final à Berlim nazista

O francês Renaud Lavillenie viveu um momento amargo na entrega de medalhas do salto com vara, nesta terça-feira no Engenhão. Primeiro porque viu o brasileiro Thiago Braz Da Silva ficar com o ouro olímpico que pertenceu a Levillenie nos últimos quatro anos, numa prova em que Braz bateu o recorde olímpico. Mas principalmente porque o francês foi vaiado pelo segundo dia consecutivo e acabou chorando sobre o pódio ao receber a prata.

Os jornalistas esportivos descreveram o ambiente do estádio durante a competição da véspera como “típico de um estádio de futebol” (como relata Carlos Arribas), onde uma torcida apaixonada vaiava o rival na mesma medida em que incentivava o seu ídolo. O próprio Braz admitiu: “O público tão entusiasmado me prejudicava, me obriguei a me concentrar na minha técnica, a me esquecer do público”.

O francês também comentou o comportamento das arquibancadas depois da disputa da segunda-feira, comparando as vaias dos brasileiros à situação na Alemanha nazista: “Em 1936, a multidão de Berlim ficou contra Jesse Owens. Desde então na víamos nada parecido. É algo que precisamos encarar, mas o público não deixa uma boa imagem. Eu não fiz nada de mal para os brasileiros”.

As lágrimas de Lavillenie no pódio.
As lágrimas de Lavillenie no pódio.AFP/Franck Fife

Mais tarde, Lavillenie percebeu que sua comparação foi ofensiva e se desculpou. No Twitter escreveu:

Sim, lamento a má comparação que fiz. Foi uma reação no calor do momento, e percebi que foi mal. Peço desculpas a todos.

No dia seguinte, terça-feira, o público voltou a vaiar intensamente o francês durante a cerimônia de premiação. O próprio Braz, junto ao pódio, pediu calma aos seus compatriotas. Depois da cerimônia, consolou Lavillenie na companhia do lendário saltador Sergei Bubka.

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, também recriminou a atitude do público: "É chocante que a multidão vaie Renaud Lavillenie no pódio. Isso é inaceitável nos Jogos Olímpicos”, declarou.

O francês reproduziu, na sua conta do Twitter, as mensagens de apoio que recebeu, com críticas às vaias e estímulos para que se orgulhe da sua atuação.

“Tenha orgulho e mantenha dignidade. Vocês sempre terá o respeito que essa turba não conhece.”

Vaiado, derrotado... Renaud Lavillenie sofre e chora!

“Se você usou drogas ou demonstrou falta de espírito esportivo e foi vaiado, problema seu. Mas jamais vaie um atleta com o pedigree de Lavillenie.

As pessoas são tão malvadas. A conta do Instagram de Lavillenie se tornou um lugar de ódio.

O próprio Lavillenie tuitou as imagens da noite. “Sem palavras”, limitou-se a escrever.

Em sua conta do Instagram, acrescentou mais comentários. “Obrigado Thiago! Nunca pensei que chegaria a me sentir humilhado sobre um pódio olímpico. Porque na pista há respeito esportivo, a despeito do que digam as pessoas. Obrigado, Thiago e Sergei, por terem me mostrado a parte bonita e real do nosso fabuloso esporte. Sam, Thiago e todos os demais, a competição foi incrível! Obrigado a todos os que me apoiam, muito obrigado”.