Segunda vaia brasileira ao francês Lavillenie doeu tanto quanto a perda do ouro

Público repetiu o comportamento da véspera, depois que o atleta comparou o ambiente da final à Berlim nazista

O francês Renaud Lavillenie viveu um momento amargo na entrega de medalhas do salto com vara, nesta terça-feira no Engenhão. Primeiro porque viu o brasileiro Thiago Braz Da Silva ficar com o ouro olímpico que pertenceu a Levillenie nos últimos quatro anos, numa prova em que Braz bateu o recorde olímpico. Mas principalmente porque o francês foi vaiado pelo segundo dia consecutivo e acabou chorando sobre o pódio ao receber a prata.

Os jornalistas esportivos descreveram o ambiente do estádio durante a competição da véspera como “típico de um estádio de futebol” (como relata Carlos Arribas), onde uma torcida apaixonada vaiava o rival na mesma medida em que incentivava o seu ídolo. O próprio Braz admitiu: “O público tão entusiasmado me prejudicava, me obriguei a me concentrar na minha técnica, a me esquecer do público”.

O francês também comentou o comportamento das arquibancadas depois da disputa da segunda-feira, comparando as vaias dos brasileiros à situação na Alemanha nazista: “Em 1936, a multidão de Berlim ficou contra Jesse Owens. Desde então na víamos nada parecido. É algo que precisamos encarar, mas o público não deixa uma boa imagem. Eu não fiz nada de mal para os brasileiros”.

As lágrimas de Lavillenie no pódio.
As lágrimas de Lavillenie no pódio.AFP/Franck Fife

Mais tarde, Lavillenie percebeu que sua comparação foi ofensiva e se desculpou. No Twitter escreveu:

Sim, lamento a má comparação que fiz. Foi uma reação no calor do momento, e percebi que foi mal. Peço desculpas a todos.

No dia seguinte, terça-feira, o público voltou a vaiar intensamente o francês durante a cerimônia de premiação. O próprio Braz, junto ao pódio, pediu calma aos seus compatriotas. Depois da cerimônia, consolou Lavillenie na companhia do lendário saltador Sergei Bubka.

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, também recriminou a atitude do público: "É chocante que a multidão vaie Renaud Lavillenie no pódio. Isso é inaceitável nos Jogos Olímpicos”, declarou.

O francês reproduziu, na sua conta do Twitter, as mensagens de apoio que recebeu, com críticas às vaias e estímulos para que se orgulhe da sua atuação.

“Tenha orgulho e mantenha dignidade. Vocês sempre terá o respeito que essa turba não conhece.”

Vaiado, derrotado... Renaud Lavillenie sofre e chora!

“Se você usou drogas ou demonstrou falta de espírito esportivo e foi vaiado, problema seu. Mas jamais vaie um atleta com o pedigree de Lavillenie.

As pessoas são tão malvadas. A conta do Instagram de Lavillenie se tornou um lugar de ódio.

O próprio Lavillenie tuitou as imagens da noite. “Sem palavras”, limitou-se a escrever.

Em sua conta do Instagram, acrescentou mais comentários. “Obrigado Thiago! Nunca pensei que chegaria a me sentir humilhado sobre um pódio olímpico. Porque na pista há respeito esportivo, a despeito do que digam as pessoas. Obrigado, Thiago e Sergei, por terem me mostrado a parte bonita e real do nosso fabuloso esporte. Sam, Thiago e todos os demais, a competição foi incrível! Obrigado a todos os que me apoiam, muito obrigado”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: