Tentativa de Golpe Militar na Turquia

Turquia fecha mais de 130 meios de comunicação após tentativa de golpe

Autoridades continuam com o expurgo e pelo menos 45 jornais e 16 canais de TV foram afetados

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, no dia 22 de julho em Ancara.
O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, no dia 22 de julho em Ancara. (AP)

MAIS INFORMAÇÕES

Numa nova reviravolta após a tentativa de golpe de Estado de 15 de julho, o Governo turco anunciou na quarta-feira o fechamento de mais de 130 meios de comunicação, de acordo com a agência de notícias oficial Anadolu. A lista foi publicada no Diário Oficial da República da Turquia, onde também aparecem os nomes dos 1.700 membros do Exército que foram demitidos oficialmente. Pelo menos 45 jornais e 16 canais de televisão, supostamente ligados ao clérigo Fethulllah Gülen, foram atingidos pela medida. Isso se junta aos mais de 60.000 profissionais — funcionários públicos, militares, intelectuais, professores, juízes ou advogados — que foram presos ou afastados de seus postos de trabalho no expurgo que se seguiu ao golpe.

O Governo do presidente turco Recep Tayyip Erdogan acusou seu ex-parceiro político, o clérigo Fethulllah Gülen, autoexilado na Pensilvânia (Estados Unidos), de orquestrar o golpe de Estado infiltrando seus acólitos no Exército e em boa parte da elite país. Uma fonte do Executivo relatou que “114 empresas ligadas a Gülen, incluindo jornais regionais e nacionais, editoras, emissoras de rádio e televisão, foram fechados como parte do mesmo decreto”. Entre os meios de comunicação atingidos pelo fechamento estão vários de nível nacional, como os diários Zaman e Today’s Zaman, assim como a agência de notícias Cihan ou o diário de oposição anarquista Meydan.

Na quarta-feira, a promotoria de Istambul ordenou a prisão de 47 executivos e jornalistas do Zaman por supostas ligações com a seita de Gülen, negadas pelas pessoas afetadas. De fato, entre os repórteres desse jornal outrora gülenista há alguns, como Sahin Alpay — preso na madrugada da quarta-feira em Istambul —, que não compartilham a visão religiosa do clérigo.

Outro dado notável é que na lista de veículos de comunicação fechados também figuram canais de televisão em áreas de maioria curda, assim como o Yumurcat TV, um canal infantil com conotações religiosas.

Críticos do Governo do Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), islamista, acreditam que o presidente está fazendo uma caça às bruxas depois do fracassado golpe de Estado, que deixou 290 mortos entre a noite de 15 de julho e a madrugada de 16.

O estado de emergência em vigor há uma semana por um prazo de 90 dias dá cobertura legal a essas prisões, que vêm acontecendo às centenas no último ano, especialmente desde que o AKP recuperou a maioria eleitoral nas eleições de novembro.

Segundo a organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF), a Turquia é o país onde mais profissionais de informação foram presos, com 61, e a liberdade de imprensa perdeu muito terreno.

Em virtude do estado de emergência, o Executivo pode decretar o fechamento de entidades sem necessidade de apresentar acusações, e estender de quatro a 30 dias o período máximo de detenção policial nas mesmas condições. O artigo 25 também permite penalizar jornalistas e analistas que “exagerem” as notícias.

Dos mais de 16.000 presos no expurgo pós-golpe, a metade deles (8.113) foi formalmente presa enquanto aguarda julgamento, conforme informou na quarta-feira o ministro do Interior turco, Efkana Ala.

Analistas e opositores acreditam que Erdogan está aproveitando o fracassado golpe de Estado para restringir ainda mais as liberdades democráticas dessa república oficialmente secular.

A maioria dos Executivos ocidentais pediu ao partido governista turco que mantenha os padrões democráticos após o golpe de Estado — a União Europeia voltou a insistir nisso na quarta-feira —, especialmente depois de que Erdogan sugeriu a possibilidade de restaurar a pena de morte contra os golpistas, o que acabaria por completo com a possibilidade de o país euroasiático aderir à UE.

Arquivado Em: