mercosul

Presidência da Venezuela no Mercosul aprofunda a crise do bloco

Macri negocia para que Maduro não lidere grupo enquanto Brasil propõe pospor decisão

O chanceler brasileiro em Montevideo.
O chanceler brasileiro em Montevideo.Juan Ignacio Mazzoni

O Mercosul entrou em uma profunda crise. Desta vez o motivo não são os de costume, como a estagnação de novas negociações com a União Europeia entre outros problemas crônicos. Agora é algo mais fundamental que pode implodir o grupo. Vários dos sócios contestam a presidência iminente da Venezuela no bloco, a quem corresponderia, pela regra de rotatividade, assumir nos próximos seis meses um papel de destaque em meio a uma profunda crise interna e denúncias sobre a perseguição da oposição. O Paraguai rejeitava abertamente a possibilidade, enquanto Argentina e Uruguai, inicialmente, pareciam dispostos a ceder a cadeira a Nicolás Maduro. Agora, o presidente argentino, Mauricio Macri, deu uma guinada de posição e aposta abertamente por bloquear o caminho do país do Caribe. Já o Brasil, fragilizado pelo Governo interino de Michel Temer, fez sua proposta intermediária nesta terça: quer ganhar tempo e adiar o veredito, previsto para o dia 12 de julho, para meados de agosto. 

Mais informações

O ministro interino das Relações Exteriores do Brasil, José Serra, viajou inesperadamente a Montevidéu nesta terça-feira e pediu que a transferência da presidência rotativa do Mercosul para a Venezuela seja adiada, sob o argumento de que o país caribenho não cumpre certas condições “em matéria de normas e questões cambiais”. O adiamento seria até agosto, e, daqui até lá, seria realizada uma reunião do Mercosul com a pauta focada na Venezuela, disse o ministro. Fontes próximas de Macri dizem que ele está negociando com vários países para evitar a presidência do país de Maduro, ainda que não haja nada fechado. É uma mudança em relação a dias atrás, quando a chanceler argentina, Suzana Malcorra, exibia uma posição mais suave, atribuída por alguns na Argentina à sua campanha para se tornar secretária-geral da ONU, uma disputa para a qual precisa dos votos da Venezuela e seus satélites.

O pedido feito pelo Brasil e o posicionamento da Argentina colocam o Governo uruguaio em posição difícil, já que este havia anunciado que fará a passagem de seu atual poder para Nicolas Maduro daqui a uma semana, no dia 12 de julho. O Paraguai, por sua vez, havia pedido a realização de uma reunião para avaliar a situação da Venezuela, a qual foi agendada para um dia antes, na segunda-feira 11 de julho, também em Montevidéu e com a presença apenas dos chanceleres de cada país.

“Pedimos mais tempo para o Uruguai”, disse o ministro brasileiro depois de se reunir em Montevidéu com o presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, e o ministro das Relações Exteriores do país, Rodolfo Nin Novoa. Este último havia recusado a adoção de qualquer medida contrária à Venezuela, e, nesta segunda-feira, havia afirmado aos meios de comunicação locais que não houve na Venezuela nenhuma “interrupção da ordem democrática” e que, por isso, não há razões jurídicas para suspender a transferência de poder.

Declarações “amorais” do Brasil

Questionado pelos jornalistas, Serra evitou falar sobre a situação política interna da Venezuela e atribuiu o seu pedido exclusivamente a questões burocráticas relacionadas à adesão do país à organização regional. É improvável que os assuntos legais e normativos da Venezuela sejam resolvidos até agosto, mas, ao longo desse mês, Serra espera ser confirmado como chanceler e ter uma posição mais forte para a negociação. “Estou convencido, e não sou apenas eu, mas toda a classe política do Brasil, que o Senado irá aprovar por dois terços o impeachment”, disse Serra, acrescentando que tanto os partidários do PT quanto a própria presidenta afastada têm a mesma avaliação. A votação decisiva está prevista para ocorrer depois dos Jogos Olímpicos do Rio.

O atual chanceler brasileiro sempre foi contrário à participação da Venezuela no bloco e já criticou Caracas publicamente por não cumprir as regras alfandegárias. O país do Caribe integra o Mercosul desde junho de 2012 e já assumiu uma vez a presidência rotativa do organismo, de julho de 2013 a julho de 2014. Já como ministro Serra também defendeu a realização, o quanto antes, do referendo revogatório de Maduro, no centro da crise política venezuelana.

A proposta brasileira azedou ainda mais as relações entre Brasília e Caracas. Enquanto Serra estava em Montevidéu, a chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, usou o Twitter para contestar seu colega: “A República Bolivariana da Venezuela rechaça as insolentes e amorais declarações do chanceler interino do Brasil”. Ela acusou o brasileiro de se unir à “ala direita” contra o seu país. A tensão não para de crescer e a reunião de cúpula do dia 12, que precisamente foi pensada sem os mandatários para tentar acalmar os ânimos, se desenha muito complicada.

Correção

IM

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50