Cinema

Steven Spielberg: “Jamais dirigirei um filme de super-heróis”

Diretor lança ‘O bom gigante amigo’, adaptação do romance de Roald Dahl que ele vê como seu “primeiro conto de fadas no cinema” e a vez em que chegou mais próximo de filmar “uma história de amor”

Festival de Cannes. No último andar de um dos hotéis de luxo –e aqui luxo é luxo e esplendor real, nada de imitações—da Côte d’Azur, Steven Spielberg (Cincinnati, 1946) caminha entre um quarto e outro apresentando o seu último filme, O bom gigante amigo, adaptação do romance de Roald Dahl, com estreia no Brasil prevista para este mês. “Desta vez decidi dar poucas entrevistas, estou levando as coisas com mais calma”, afirma o diretor, diante de sua xícara de chá. Exibindo um aspecto bem melhor do que a da última vez em que esteve na Espanha, para a divulgação de Lincoln –“Obrigado por perguntar, pois, sim, no fim das contas aquilo era bem mais do que um resfriado”--, o cineasta dá um sorriso (uma arma de destruição maciça que, juntamente com os números da bilheteria de seus filmes, deve ter nocauteado muitos executivos de Hollywood) para agradecer que a segunda pergunta tenha sido sobre Melissa Mathison. A roteirista de E.T., o extraterrestre foi também quem adaptou a obra de Rahl. Além disso, O bom gigante amigo nasceu a partir do estímulo de duas amigas de Spielberg: Mathison e a produtora Kathleen Kennedy.

MAIS INFORMAÇÕES

O diretor se juntou mais tarde nessa mistura de animação motion capture com atores de carne e osso. Infelizmentre, Mathison morreu em novembro do ano passado, quando a filmagem recém terminara. “Com o passar do tempo, aprendi que os meus melhores filmes surgem porque o projeto me escolhe. Com exceção dos filmes que eu mesmo escrevi. Meu critério, quando recebo esses roteiros, é se posso relacionar a história com alguma parte de minha vida. Se a resposta é positiva, eu me entrego ao projeto. Neste caso, eu intuí que a viagem da menina, Sofia, à terra dos gigantes tem a ver com a primeira visita que fiz, criança, aos estúdios da Universal. Além disso, era um texto de Melissa, uma pessoa maravilhosa, de alma limpa, que se entregava por inteiro naquilo que escrevia. Mais do que uma roteirista, ela foi, para mim, uma poeta. Guardava dentro de si uma ideia incrível da infância, algo que eu também tenho, e por isso os seus protagonistas infantis possuem uma enorme sabedoria e força”.

A esta altura de sua carreira, pode-se supor que Spielberg se sinta mais confortável com o uso da expressão contador de histórias do que com o termo cineasta. “Depende de como você coloca as coisas. Eu não vejo uma coisa sem a outra”. Outros diretores não penam assim. “Pode ser. Mas, para mim, o coração de um filme está na história. O restante gira em torno dela. E isso vale para ficção, documentário, séries de televisão... Respeito muito essa crença, porque meus pais liam muito para mim quando eu era criança. Meu pai escolhia histórias complexas de ficção científica, sentava e lia de uma forma que fazia com que 80% dos mundos imaginários nascessem dentro da minha cabeça. Na verdade, cresci cercado por narradores incríveis. Me avô me contava história exóticas da sua Rússia natal. Minha avó também. Claro que isso tudo aconteceu antes de a televisão aparecer nas nossas vidas”. A televisão é uma intrusa na relação entre pais e filhos? “Bem, o importante é que alguém conte histórias [risos]. Tudo bem. Tudo, no fundo, se resume a contar e escutar. Ouvir histórias que fazem você rir, chorar, refletir ou que nos confundem. A televisão acabou se tornando o terceiro pai”.

Steven Spielberg, em 21 de junho.
Steven Spielberg, em 21 de junho.Amanda Edwards (WireImage)

Spielberg afirma que, com O bom gigante amigo, ele chegou mais perto do que nunca de filmar uma história de amor. O que não deixa de ser uma afirmação esquisita. “É verdade. Basta você vê-lo como uma história de amor paterno-filial, de duas pessoas que assumem os papeis de pai e filha. Sofia, que vive tomada pela raiva da própria orfandade, encontra aquele gigante, que sente no seu íntimo o vazio da paternidade. Gosto dessa celebração da diferença, e espero que o público a desfrute”.

Ecletismo e filhos

Com seu texto eclético e sua facilidade para passar de um gênero para outro, com primazia para a literatura infantil, Roald Dahl parece ser o escritor mais próximo de Spielberg. “O meu livro predileto de Dahl é O bom gigante amigo. Mas ele é o preferido também dos meus filhos, e, embora eu tenha lido para eles muitos outros, este sempre os atraiu mais. É também um filme para eles... quando eram pequenos. E um filme para falar sobre o que significa crescer, amadurecer, para qualquer pessoa que se lembre do que significa imaginar o impossível”. É por isso que você considera O bom gigante amigo como o seu primeiro conto de fadas? “Sim, é por isso mesmo”. Mas, não foi E.T.? “Não, porque ele não ocorria em um mundo imaginário. Até mesmo Hook eu também não vejo dessa maneira, pois ele me parece, mais, um filme fantasioso. Isso tudo posto, eu gosto de falar sobre essas coisas com todo mundo”.

O cineasta não se interessa muito –quem diria—em falar sobre a técnica utilizada na filmagem. “O único efeito especial realmente necessário era que o gigante fosse maior do que a menina. Mas eu queira algo a mais: que o gigante fosse visto como uma criatura, não como ser humano, mas, ao mesmo tempo, totalmente real, natural, sem esquecer que se trata de uma coisa bem surrealista em uma vida bastante realista, a daquela órfã de Londres. Para isso, eu precisava de tecnologia digital e não de próteses ou maquiagem”.

Spielberg passou toda a sua carreira no epicentro da indústria cinematográfica. “Eu me sinto à vontade em Hollywood, inclusive nessa Hollywood de super-heróis e ficção científica. É verdade que há outras coisas e pessoas. É verdade que se investe mais em super-heróis do que em outros gêneros. Não posso me queixar, pois eu fiz Transformers. Mas não acho bom colocar todos os ovos em uma única cesta”. Cairia, algum dia, na tentação de dirigir um filme de super-heróis? “Se não caí nos anos oitenta, quando me ofereceram isso aos montes, hoje muito menos... Não é o meu gênero, embora saiba que é um público como o meu. Jamais dirigirei um filme de super-heróis”. É claro, pois você já tem o seu próprio, que é Indiana Jones. “Sim, e também Sofia, de O bom gigante amigo”. É neste momento que o Spielberg produtor se sobrepõe ao Spielberg diretor.

Os projetos do rei de Hollywood

Spielberg sempre trabalha com dois ou três projetos ao mesmo tempo como diretor, mas agora parece ter claro quais serão os seus próximos filmes:

Ready Player One. Filme de ficção científica sobre o mundo dos videogames. "Gosto de jogar, mas tenho pouco tempo para isso". Ele o filmará nos próximos meses com Mark Rylance, que faz o seu terceiro trabalho com Spielberg. "Tenho a sorte de poder chamá-lo de amigo. O curioso é que, quando me apresentei a ele, alguns anos atrás, depois de vê-lo em uma apresentação da Noite de reis, Mark disse que já nos tínhamos visto antes pessoalmente. Ele tinha feito um teste comigo para O Império do Sol. Fez uma leitura incrível, eu o convidei para o papel, mas ele recusou... E eu tinha me esquecido dele! Hoje, estamos sempre juntos".

O sequestro de Edgardo Mortara. Baseado no romance de David Kertzer, que conta a história real de um rapaz judeu do século XIX, em Bolonha, que foi sequestrado e educado como cristão. Sua liberação foi obstaculizada durante 12 anos pelo papa Pio IX, que será interpretado, justamente, por Rylance. "Vamos filmá-lo na Itália em fevereiro".

Indiana Jones 5. "Só posso dizer que ele irá estrear em julho de 2019. Sobre o resto, você terá de me perguntar daqui a dois ou três anos".

Arquivado Em: