Encontrado vivo o menino abandonado pelos pais em um bosque do Japão

O menor, de sete anos, passou seis dias desaparecido sem comida nem água

Foto de Yamato Tanooka cedida por seu colégio.

Ele tem sete anos e passou seis dias sozinho, perdido, sem comida e sem agasalhos, em um bosque com ursos do Japão. E, apesar de tudo, Yamato Tanooka, o menino japonês que foi abandonado por seus pais como castigo por ser travesso, foi encontrado ileso e num estado de saúde “relativamente bom”, segundo as equipes de busca e resgate que o localizaram nesta sexta-feira. O menor, que deixou o país em suspense, abrigou-se em um barracão de uma base militar e encontrou uma torneira para beber água, mas passou fome e a primeira coisa que fez ao ser resgatado foi pedir comida.

O pai de Yamato Tanook se apresenta depois de seu filho ter sido localizado.
O pai de Yamato Tanook se apresenta depois de seu filho ter sido localizado.JIJI PRESS (AFP)

O menor foi encontrado perto de uma base militar na localidade de Shikabe, a cerca de quatro quilômetros de onde foi visto pela última vez por seus pais há seis dias. Seu estado de saúde é “relativamente bom”, apesar de no momento de seu desaparecimento não levar consigo água nem comida, segundo fontes policiais afirmaram à rede estatal NHK.

“Um de nossos soldados estava se preparando esta manhã para algumas manobras e abriu a porta de um dos edifícios da base, e lá estava ele”, explicou um porta-voz das Forças de Autodefesa do Japão à rede de televisão NHK. “Então, perguntou se ele era Yamato e o menino disse que sim, e que tinha fome, então o soldado lhe deu um pouco de água, pão e bolas de arroz.”

Yamato foi evacuado de helicóptero e conduzido a um hospital para exames. Apesar de estar bem, sua temperatura corporal era baixa, então foi mantido a noite toda em observação como medida de precaução, segundo afirmou em entrevista coletiva o médico que o atendeu.

Mais informações

Na porta do hospital, o choroso e contrito Takayuki Tanooka, pai do menino, agradeceu as equipes de regate por seus esforços e se desculpou pelos problemas causados. “Pensamos muito sobre o que fizemos, foi um ato muito excessivo, que obrigou nosso filho a passar dificuldades”, admitiu Tanooka em um fio de voz. “A primeira coisa que disse a meu filho foi ‘sinto muito’ e ele aceitou”, acrescentou Tanooka.

“Amamos muito nosso filho e lhe daremos ainda mais atenção a partir de agora”, prometeu. O incidente provocou uma avalanche de comentários na mídia e nas redes sociais, a maioria muito críticos aos pais, assim como no caso do menino que caiu no fosso de um gorila em Cincinnati (EUA). A polícia está considerando apresentar queixa contra os pais por abandono de menores, segundo informou o jornal Kyodo News.

Segundo o relato dos pais, no sábado passado eles obrigaram o menino a descer do carro em que viajava com a família por seu mal comportamento e o deixaram sozinho no acostamento de uma rodovia aos pés do monte Komagatake, na ilha setentrional de Hokkaido. A ideia era voltar minutos depois para buscá-lo, mas quando fizeram isso ele não estava mais ali. Apesar de o menino ter corrido atrás do carro, seus familiares asseguraram às autoridades que o perderam de vista.

Os pais, que esperaram duas horas desde o desaparecimento de Yamato para alertar as autoridades, relataram os fatos à tarde e, em um primeiro momento, sustentaram que ele se perdeu enquanto a família coletava plantas no bosque. Depois, reconheceram ter abandonado o menino como castigo por seu mal comportamento, já que estava atirando pedras em outros carros e transeuntes durante o dia que a família passou no campo.

Mais de uma centena de oficiais da polícia e dos bombeiros participaram desde sábado das tarefas de busca do menor na região, habitada por ursos selvagens e onde as temperaturas caem para sete graus centígrados à noite. O Japão se pergunta agora como o menino fez para sobreviver quase uma semana, já que seus pais o deixaram sem água nem comida, e vestia apenas calças jeans e camiseta. Além disso, na região, tão remota que os habitantes dizem que raras vezes passam por ali, choveu abundantemente por esses dias.

O pouco que Yamato contou sobre sua peripécia é que andou pelas montanhas até que encontrou seu refúgio, uma cabana militar de metal na qual entrou porque não estava fechada a chave. Tomou água de uma torneira por perto e dormiu em colchões que havia no chão, com os quais se manteve aquecido.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: