Os riscos das festas ‘chemsex’

Especialistas alertam que a prática pode gerar novas infecções por HIV e dependência a drogas

Fotograma do filme ‘Chemsex’.
Mais informações

A combinação não é nova, e muito menos exclusiva dos gays. O que caracteriza as chemsex são o crescimento de aplicativos de paquera e o uso de mefedrona, metanfetamina e GHB para suportar sessões de sexo que podem durar dias. A mefedrona é um estimulante, a metanfetamina provoca euforia, desinibição e tira o sono e o GHB, ou ecstasy líquido, é um depressor sedativo. A mistura das três permite aguentar as festas sexuais, mas também pode deixar os participantes em um estado quase de inconsciência que reduz a percepção de risco. Em uma comunidade em que a prevalência do HIV é de 14% e ocorrem seis de cada 10 novas infecções, as condutas sexuais de risco deixam os epidemiologistas em alerta. “A prática do chemsex está associada a não usar preservativo, por isso aumenta o risco de infecções. Além disso, como são festas em que se combinam vários tipos de drogas, pode-se perder a percepção de risco”, diz Jordi Casabona, diretor do Centro de Estudos Epidemiológicos sobre o HIV/AIDS da Catalunha.

Mais informações

O risco de transmissão diminui quando um portador de HIV está sob medicação, mas a descontinuidade do tratamento eleva as possibilidades de contágio. Em umas jornadas da Sociedade Espanhola Interdisciplinar de AIDS, a diretora María José Fuster apontou que 35% dos pacientes com HIV interrompe o tratamento quando pretende se drogar. Além disso, 25% dos infectados não sabem que têm o HIV. Josep Mallolas, do Serviço de Doenças Infecciosas do Hospital Clínic de Barcelona, alerta de que nessas chemsex “pode haver, por probabilidade, algum HIV positivo que não saiba que é portador”. O HIV não é o único risco. Também podem ser contraídas outras doenças transmissíveis por contato sexual como a sífilis e gonorreia, que quadruplicaram e triplicaram entre os gays em 10 anos. “Perdeu-se o medo e, como as pessoas se sentem atraídas pelo risco, surge o chemsex”, diz Mallolas.

Em Londres, onde o fenômeno já é um problema de saúde pública, algumas clínicas registram chegam a registrar 100 casos por mês de consumo problemático vinculado à prática do chemsex. Na Espanha ainda é pontual, mas as entidades já detectaram casos. “Não é um problema de saúde pública, mas existe uma minoria com um consumo problemático”, afirma Fernando Caudevilla, médico de família e especialista em drogas sintéticas. “São pessoas que precisam de ajuda profissional porque podem apresentar transtornos de personalidade. Percebem que suas práticas são incompatíveis com o trabalho ou são incapazes de relacionar-se sobriamente”, exemplifica Ferran Pujol, diretor do BCN Checkpoint. O Stop Sida aponta a necessidade de uma atenção integral. “Podem sofrer de ansiedade, solidão, ter problemas no relacionamento ou mesmo na sexualidade”, diz o pesquisador Percy Fernández Davila.

"As pessoas perderam o medo e sentem-se atraídas pelo risco”, afirma um especialista

Os especialistas concordam que há falta de recursos. “Não temos financiamento para estudar o fenômeno a fundo. Enquanto não tivermos dados, não podemos fazer nada”, diz Caudevilla. O trabalho de prevenção em zonas de entretenimento e as medidas de redução de risco são as linhas estratégicas para conter os problemas do chemsex. Nas palavras de Caudevilla: “É hora de pesquisar e intervir em zonas de condutas de risco, mas para isso precisamos que as autoridades se mexam”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: